Ciberativismo, cultura hacker e o individualismo colaborativo

Autores

  • Sérgio Amadeu da Silveira Faculdade de Comunicação Cásper Líbero

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i86p28-39

Palavras-chave:

ciberativismo, cultura hacker, hacktivismo, individualismo colaborativo

Resumo

O texto discute as relações entre o ciberativismo e a cultura hacker. Busca mostrar a influência da contracultura norte-americana na construção do "hacktivismo". Indica a conexão existente entre as mobilizações colaborativas para o desenvolvimento de softwares livres e o pensamento hacker, que prega distribuir o poder e emancipar as pessoas pelo acesso às informações. Descreve as abordagens teóricas que esclarecem a crescente relevância dos protocolos, códigos e softwares como principais intermediários da comunicação social. Conclui com a caracterização de um individualismo colaborativo que emergiu da sociabilidade hacker e que se baseia no compartilhamento de ideias e na emancipação individual pelo conhecimento.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Sérgio Amadeu da Silveira, Faculdade de Comunicação Cásper Líbero

    é professor na Pós-graduação da Faculdade de Comunicação Cásper Líbero e autor de, entre outros,
    Exclusão Digital: a Miséria na Era da Informação (Fundação Perseu Abramo).

Referências

BARLOW, John Perry. “Economia de Ideias: o Direito Autoral Sobreviverá à Bomba Napster? Não, mas a Criatividade Sim”.

Disponível em: http://stoa.usp.br/cristianogois/files/462/2310/barlow,_john+perry_economia_de_ideias.pdf e http://tinyurl.com/6krdge. Acesso: 7/7/2008.

BELL, Daniel. The Coming of Post-Industrial Society. New York, Basic Books, 1999.

BRAND, Stewart. Whole Earth Review. The May. 1985.

CASTELLS, Manuel. A Galáxia da Internet: Reflexões sobre a Internet, os Negócios e a Sociedade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2003.

COLEMAN, Gabriella. “Code Is Speech: Legal Tinkering, Expertise, and Protest Among Free and Open Source Software Developers”, in Cultural Anthropology, Vol. 24, Issue 3. Jul/2009, pp. 420-54.

COLEMAN, Gabriella. “Hacker Practice: Moral Genres and the Cultural Articulation of Liberalism”, in Anthropological Theory. Vol. 8, Issue 3. 2008, pp. 255-77.

CORSANI, Antonella. “Elementos de uma Ruptura: a Hipótese do Capitalismo Cognitivo”, in Giuseppe Cocco et al. (orgs.). Capitalismo Cognitivo: Trabalho, Redes e Inovação. Rio de Janeiro, DP&A, 2003.

DELEUZE, Gilles. Conversações: 1972-1990. Rio de Janeiro, Editora 34, 1992.

GALLOWAY, Alexander. Protocol: How Control Exists After Decentralization. Cambridge, The MIT Press, 2004.

GORZ, André. O Imaterial: Conhecimento, Valor e Capital. São Paulo, Annablume, 2005.

HIMANEN, Pekka. A Ética dos Hackers e o Espírito da Era da Informação. Rio de Janeiro, Campus, 2001.

JENKINS, Henry. Convergence Culture: Where Old and New Media Collide. New York/London, New York University Press, 2006.

LAZZARATO, Maurizio. As Revoluções do Capitalismo. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2006.

LESSIG, Lawrence. Code and Other Laws of Cyberspace. New York, Basic Books, 1999.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo, Editora 34, 1999.

LEVY, Steven. Hackers: Heroes of the Computer Revolution. New York, Penguin Books, 2001.

LOJKINE, Jean. A Revolução Informacional. São Paulo, Cortez, 1999.

MANOVICH, Lev. Software Takes Command. 2008. Disponível em: www.softwarestudies.com/softbook. Acesso: 10/07/2009.

MORAES, Dênis (org.). Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro, Mauad, 2006.

NEGROPONTE, Nicholas. A Vida Digital. São Paulo, Companhia das Letras, 1999.

NORA, S.; MINC, A. A Informatização da Sociedade. Rio de Janeiro, FGV, 1980.

PERENS, Bruce. “The Open Source Definition”, in Chris Dibona; Sam Ockman; Mark Stone (orgs.). Open Sources: Voices from the Open Source Revolution. Sebastopol, O’Reilly, 1999.

RAYMOND, Eric S. The Cathedral and the Bazaar: Musings on Linux and Open Source by an Accidental Revolutionary. Revisited Edition. Sebastopol, O’Reilly, 2001.

SAMUEL, Alexandra Whitney. Hacktivism and the Future of Political Participation. Cambridge, Harvard University, 2004. Disponível em: http://www.alexandrasamuel.com/dissertation/pdfs/Samuel-Hacktivism-frontmatter.pdf. Acesso: 10/3/2010.

SHAO, Jean; KUO, Kaiser. When the Virtual Clashes with the Real. Youku Buzz, 2010. Disponível em: http://buzz.youku.com/2010/02/10/when-the-virtual-clashes-with-the-real. Acesso: 15/3/2010.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu. “Game-ativismo e a Nova Esfera Pública Interconectada”, in Líbero, v. 12, 2009, pp. 131-8.

STALLMAN, Richard. Free Software Free Society: Selected Essays of Richard Stallman. Edited by Joshua Gay. Boston, GNU Press, 2002.

TERRANOVA, Tiziana. Network Culture: Politics for the Information Age. London, Pluto Press, 2004.

VEGH, Sandor. “The Media’s Portrayal of Hacking, Hackers, and Hacktivism Before and After September 11”, in First Monday, vol. 10, n. 2, February/2005. Disponível em: http://firstmonday.org/issues/issue10_2/vegh/index.html. Acesso: 20/10/2009.

WRAY, Stefan. Electronic Civil Disobedience and the World Wide Web of Hacktivism. Disponível em: http://switch.sjsu.edu/web/v4n2/stefan. Acesso: 10/3/2010.

Downloads

Publicado

2010-08-01

Edição

Seção

Dossiê

Como Citar

SILVEIRA, Sérgio Amadeu da. Ciberativismo, cultura hacker e o individualismo colaborativo . Revista USP, São Paulo, Brasil, n. 86, p. 28–39, 2010. DOI: 10.11606/issn.2316-9036.v0i86p28-39. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13811.. Acesso em: 24 jul. 2024.