Imprescindíveis e silenciados: desvalorização dos professores e destituição da participação nas decisões políticas

Autores

  • Áurea de Carvalho Costa Universidade Estadual Paulista. Departamento de Educação
  • Robson da Silva Rodrigues Universidade Estadual de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i127p41-52

Palavras-chave:

Professor, Valorização do professor, Política educacional

Resumo

Este texto analisa a destituição do direito à participação dos professores nas deliberações políticas educacionais, agravada na conjuntura da pandemia, indagando se se trata de uma dimensão da desvalorização do professor na condição de trabalhador assalariado, tendo como ponto de partida a contradição: ao mesmo tempo em que sofrem prescrições e controle sobre o trabalho e destituição da participação deliberativa, os professores, na conjuntura atual, revelam-se imprescindíveis. Buscamos discutir as dimensões econômica, social e política da retórica da valorização do professor, o que, na realidade, se impõe como controle, destituição de direitos e, enfim, desvalorização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Áurea de Carvalho Costa, Universidade Estadual Paulista. Departamento de Educação

Professora do Departamento de Educação da Unesp, campus Rio Claro, e coordenadora do grupo de pesquisas e estudos Marxismo, Educação e Cultura.

Robson da Silva Rodrigues, Universidade Estadual de São Paulo

Mestre em Educação pelo PPGE- Unesp, campus Rio Claro.

Referências

BARBOSA, A. Os salários dos professores brasileiros: implicações para o trabalho docente. Tese de doutorado. Araraquara, Unesp, 2011.

COSTA, A.; FERNANDES NETO, E.; SOUZA, G. A proletarização do professor: neoliberalismo na educação. São Paulo, Instituto José Luís e Rosa Sundermann, 2009.

COSTA, A. C.; FREITAS, R. G. “A economia dos direitos laborais em professores do ensino básico: os dilemas entre o absenteísmo e os condicionantes para a progressão na carreira”. Revista Labor, v. 1, 2017.

CURY, C. R. J. “Educação escolar e pandemia”. Pedagogia em Ação, v. 13, n. 1. Belo Horizonte, 2020, pp. 8-16.

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. Tradução e introdução de Florestan Fernandes. 2ª ed. São Paulo, Expressão Popular, 2008.

MARX, K. O capital: crítica da economia política [Livro I: O processo de produção do capital]. São Paulo, Boitempo, 2013.

NOVAES, A. et al. “Pesquisa: educação escolar em tempos de pandemia na visão de professoras/es da educação básica”. Informe nº 1. Fundação Carlos Chagas, 2020.

Disponível em: https://www.fcc.org.br/fcc/educacao-pesquisa/educacao-escolar-emtempos-de-pandemia-informe-n-1. Acesso: 18/9/2020.

OLIVEIRA, D. A. “Política educacional e a reestruturação do trabalho docente: reflexões sobre o contexto latino-americano”. Educação & Sociedade, v. 28, n. 99. Campinas, mai.-ago./2007, pp. 355-75.

OLIVEIRA, J. B. A.; GOMES, M.; BARCELLOS, T. “A covid-19 e a volta às aulas: ouvindo as evidências”. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ., v. 28, n. 108. Rio de Janeiro, jul.-set./2020, pp. 555-78.

RODRIGUES, R. S.; COSTA, A. C. A (des)valorização do trabalho do professor: políticas e legislações no Brasil e no Estado de São Paulo. 1ª ed. Curitiba/São Paulo, Appris/Cultura Acadêmica, 2020.

ROSA, M. I. “Do governo dos homens: ‘novas responsabilidades’ do trabalhador e acesso aos conhecimentos”. Educ. Soc., v. 19, n. 64, Campinas, set./1999.

SCHWARTZ, Y. “Trabalho e valor”. Tempo Social, 8 (2), São Paulo, out./1996, pp. 147-58.

SCHWARTZ, Y. “Os ingredientes da competência: um exercício necessário para uma questão insolúvel”. Educ. Soc., v. 19, n. 65, Campinas, dez./1998, pp. 101-40.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

Costa, Áurea de C., & Rodrigues, R. da S. . (2020). Imprescindíveis e silenciados: desvalorização dos professores e destituição da participação nas decisões políticas. Revista USP, (127), 41-52. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i127p41-52

Edição

Seção

Dossiê ensino público