À Luz da diferença: responsabilidade, alteridade e a “lógica do cuidado”

Autores

  • Diego Madi Dias Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i128p77-95

Palavras-chave:

Diferença, Justiça, Cuidado, Alimentação, Povos indígenas

Resumo

Neste ensaio, proponho uma reflexão sobre os limites da justiça a partir do conceito de “diferença”, considerando a perspectiva dos povos indígenas. Argumento que esses povos não estão no passado, mas oferecem futuros possíveis por meio de um repertório ético ainda amplamente ignorado de atitudes de responsabilidade e cuidado frente ao que é outro. Analiso alguns elementos do sistema alimentar entre os indígenas guaranis, cuja incompreensão por parte de uma abordagem da alimentação baseada em nutrientes permite elucidar dois modos articulados de operação da colonialidade, conforme ensinou Denise Ferreira da Silva: exclusão e oclusão. Concluo com a defesa de uma pactuação descolonizante pela participação de profissionais indígenas e negros(as) nos processos de decisão e gestão em saúde como meio de efetivar a universalidade no acesso ao cuidado e à proteção do Estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Madi Dias, Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública

Antropólogo e professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo

Referências

ALMEIDA, H. B. et al. “Numas, 10 anos: um exercício de memória coletiva”, in G. S. R. Saggese et al. Marcadores sociais da diferença: gênero, sexualidade, raça e classe em perspectiva antropológica. São Paulo, Terceiro Nome, 2018.

APIB - Articulação dos Povos Indígenas do Brasil. “Covid-19 e povos indígenas: o enfrentamento das violências durante a pandemia”, in Nossa luta é pela vida.

Relatório do Comitê Nacional pela Vida e Memória Indígena, 2020.

ASANO, C. L. et al. “Mapeamento e análise das normas jurídicas de resposta à covid-19 no Brasil”. Direitos na Pandemia, Boletim n. 10. Cepedisa/FSP/USP e Conectas Direitos Humanos, 2021. Disponível em: http://cepedisa.org.br/publicacoes/.

ATHILA, A. R.; LEITE, M. S. “A medida da fome: as escalas psicométricas de insegurança alimentar e os povos indígenas no Brasil”. Cad. Saúde Pública [on-line], vol. 36, n. 10, 2020.

AYRES, J. et al. “Risco, vulnerabilidade e práticas de prevenção e promoção da saúde”, in G. Campos et al. (orgs.). Tratado de saúde coletiva. São Paulo, Editora Fiocruz, 2006.

AYRES, J. R.; PAIVA, V.; FRANÇA-JR., I. “Conceitos e práticas de prevenção: da história natural da doença ao quadro de vulnerabilidade e direitos humanos”, in V. Paiva; J. R. Ayres; C. M. Buchalla. Vulnerabilidade e direitos humanos – prevenção e promoção da saúde – Livro I – Da doença à cidadania. Curitiba, Juruá, 2012.

AYRES, J. R.; PAIVA, V.; FRANÇA-JR., I. “From natural history of disease to vulnerability: changing concepts and practices in contemporary public health”, in R. Parker; M. Sommer (orgs.). Routledge handbook in global public health. Oxon, Taylor and Francis, 2011.

BATISTA, L. E. et al. “Indicadores de monitoramento e avaliação da implementação da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra”. Saúde e Sociedade [on-line], vol. 29, 2020.

BATISTA, L. E.; BARROS, S. “Enfrentando o racismo nos serviços de saúde”. Cad. Saúde Pública, vol. 33, 2017.

BELLACASA, M. P. “Nothing comes without its world: thinking with care”. The Sociological Review, vol. 60, n. 2, 2012.

BELLACASA, M. P. Matters of Care: speculative ethics in more than human worlds. Minneapolis, University of Minnesota Press, 2017.

CALAZANS, G. J.; PINHEIRO, T. F.; AYRES, J. R. “Vulnerabilidade programática e cuidado público: panorama das políticas de prevenção do HIV e da Aids voltadas para gays e outros HSH no Brasil”. Sexualidad, Salud y Sociedad [on-line], n. 29, 2018.

CASTRO, J. Geografia da fome. Rio de Janeiro, Editora Cruzeiro, 1946.

CLASTRES, H. Terra sem mal: o profetismo tupi-guarani. São Paulo, Brasiliense, 1978.

CNDSS. “As causas sociais das iniquidades em saúde no Brasil”. Relatório Final da Comissão Nacional sobre Determinantes Sociais da Saúde. Ministério da Saúde/Fiocruz, 2008.

COIMBRA JR., C. E. A. et al. “The First National Survey of Indigenous People’s Health and Nutrition in Brazil: rationale, methodology, and overview of results”. BMC Public Health, vol. 13, 2013.

COIMBRA JR., C. E. A.; SANTOS, R. V. “Saúde, minorias e desigualdade: algumas teias de inter-relações, com ênfase nos povos indígenas no Brasil”. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 5, n. 1, 2000.

CRENSHAW, K. “Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics”. University of Chicago Legal Forum, issue 1, article 8, 1989.

FARIAS, J. Governo de mortes: etnografia da gestão de populações de favelas no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Papéis Selvagens, 2020.

FASSIN, D. Quand les corps se souviennent. Expériences et politiques du Sida en Afrique du Sud. Paris, La Découverte, 2006.

FERREIRA DA SILVA, D. “Blacklight”, in C. Molloy; P. Pirotte; F. Schöneich (orgs.). Otobong Nkanga: luster and lucre. Berlim, Sternberg Press, 2017.

FERREIRA DA SILVA, D. “Diferença sem separabilidade”, in J. Volz; J. Rebouças (orgs.). Incerteza viva: 32a Bienal de Arte de São Paulo [catálogo da exposiçã o]. São Paulo, Fundação Bienal de São Paulo, 2016.

FERREIRA DA SILVA, D. “Toward a black feminist poethics: the quest(ion) of blackness toward the end of the world”. The Black Scholar, vol. 44, n. 2, 2014.

FERREIRA DA SILVA, D. A dívida impagável: lendo cenas de valor contra a flecha do tempo. São Paulo, Oficina de Imaginação Política/Living Commons, 2019.

FIOCRUZ - Fundação Oswaldo Cruz. Avaliação da exposição ambiental ao mercúrio proveniente da atividade garimpeira de ouro na terra indígena yanomami, RR, Amazônia, Brasil. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://www.socioambiental.org/sites/blog.socioambiental.org/files/ diagnostico_contaminacao_mercurio_terra_indigena_yanomami.pdf.

INGOLD, T. The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. London, Routledge, 2000.

JACUPÉ, K. A terra dos mil povos: História indígena do Brasil contada por um índio. São Paulo, Peirópolis, 2020.

LÉVI-STRAUSS, C. História de lince. São Paulo, Companhia das Letras, 1993.

LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. São Paulo, Nacional, 1976.

MATOS, B. et al. “Violações dos direitos à saúde dos povos indígenas isolados e de recente contato no contexto da pandemia de covid-19 no Brasil”. Mundo Amazónico, vol. 12, n. 1, 2021.

MBEMBE, J-A. “Necropolitics”. Public Culture, vol. 15, n. 1, 2003.

MBEMBE, J-A. Necropolitics. Durham, Duke University Press, 2019.

MOL, A-M. The logic of care: health and the problem of patient choice. NY, Routledge, 2008.

MOUTINHO, L. “Diferenças e desigualdades negociadas: raça, sexualidade e gênero em produções acadêmicas recentes”. Cadernos Pagu [on-line], n. 42, 2014.

NUNES, J. A.; LOUVISON, M. “Epistemologias do Sul e descolonização da saúde: por uma ecologia de cuidados na saúde coletiva”. Saúde e Sociedade [on-line], vol. 29, n. 3, 2020.

PAIVA, V. “Psicologia na saúde: sociopsicológica ou psicossocial? Inovações do campo no contexto da resposta brasileira à Aids”. Temas em Psicologia, vol. 21, 2013.

PAIVA, V.; AYRES, J. R.; BUCHALLA, C. M. Vulnerabilidade e direitos humanos – prevenção e promoção da saúde. Da doença à cidadania (Livro I). Curitiba, Juruá, 2012.

PAIVA, V.; ZUCCHI, E. “Estigma, discriminação e saúde: aprendizado de conceitos e práticas no contexto da epidemia de HIV/Aids”, in V. Paiva; J. R. Ayres; C. M. Buchalla. Vulnerabilidade e direitos humanos – prevenção e promoção da saúde. Da doença à cidadania (Livro I). Curitiba, Juruá, 2012.

PARKER, R. “Stigma, prejudice and discrimination in global public health”. Cadernos de Saúde Pública [on-line], vol. 28, n. 1, 2012.

SCALCO, N. “Tem que ser do nosso jeito”: participação e protagonismo do movimento indígena na construção da política de saúde no Brasil. Tese PPGSP-FSP/USP, 2019.

SCALCO, N.; AITH, F.; LOUVISON, M. “A relação interfederativa e a integralidade no subsistema de saúde indígena: uma história fragmentada”. Saúde Debate [on-line], vol. 44, n. 126, 2020.

TEMPASS, M. C. “Quanto mais doce, melhor”: um estudo antropológico das práticas alimentares da doce sociedade Mbyá-Guarani. Tese PPGAS-IFCH/UFRGS, 2010.

VARGAS, L. C. et al. “Segurança alimentar e nutricional entre os Guaranis-Mbyá da Aldeia Boa Esperança, Aracruz, Espírito Santo, Brasil”. Rasbran: Revista da Associação Brasileira de Nutrição, vol. 5, n. 1, 2013.

Downloads

Publicado

2021-09-02

Como Citar

Dias, D. M. (2021). À Luz da diferença: responsabilidade, alteridade e a “lógica do cuidado”. Revista USP, 1(128), 77-95. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i128p77-95

Edição

Seção

Dossiê saúde pública