Violências em territórios faccionados do Nordeste do Brasil: notas sobre as situações do Rio Grande do Norte e do Ceará

Autores

  • Juliana Melo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Luiz Fábio S. Paiva Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i129p47-62

Palavras-chave:

Criminalidade, Facções, Juventude, Guardiões do Estado, Sindicato do Crime

Resumo

O artigo trata do processo de surgimento, consolidação e expansão das facções nos estados do Ceará e Rio Grande do Norte. Discutimos as formas de envolvimento de jovens adolescentes em coletivos criminais conhecidos como facções, tratando das experiências deles em dois grupos particulares: os Guardiões do Estado, do Ceará, e o Sindicato do Crime, do Rio Grande do Norte. Em linhas gerais, evidenciamos dinâmicas próprias desses grupos e contextos, assim como modos de representações e de gestão de suas práticas criminais. Tratamos, por fim, dos efeitos sociais de um número cada vez maior de jovens envolvidos nessas organizações, analisando as consequências desse fenômeno para a vida em sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Melo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora associada do Departamento de Antropologia e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Luiz Fábio S. Paiva, Universidade Federal do Ceará

Professor adjunto de Sociologia do Departamento de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará (UFC)

Referências

ALVAREZ, M. C.; SALLA, F.; DIAS, C. N. “Das comissões de solidariedade ao Primeiro Comando da Capital em São Paulo”. Tempo Social, v. 25, n. 1, 2013, p. 61-82.

AMARANTE, N. F. “O certo pelo certo e o errado será cobrado”: narrativas políticas do Sindicato do Crime do RN. Dissertação de mestrado. Natal, Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFRN, 2018.

AQUINO, J. P. D. de. “Violência e performance no chamado ‘novo cangaço’: cidades sitiadas, uso de explosivos e ataques a polícias em assaltos contra bancos no Brasil”. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 13, n. 3, 2020, p. 615-43.

BARBOSA, A. R. “O baile e a prisão: onde se juntam as pontas dos segmentos locais que respondem pela dinâmica do tráfico de drogas no Rio de Janeiro”. Especiaria, v. 9, 2006, p. 119-34.

BARREIRA, C. “Crueldade: a face inesperada da violência difusa”. Sociedade e Estado, v. 30, n. 1, 2015, p. 55-74.

BEATO, C.; ZILLI, L. F. “A estruturação de atividades criminosas. Um estudo de caso”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 27, n. 80, 2012, p. 71-88.

BIONDI, K. Junto e misturado: uma etnografia do PCC. São Paulo, Terceiro Nome, 2018.

CANDOTTI, F. M.; MELO DA CUNHA, F.; SIQUEIRA, Í. L. “A grande narrativa do Norte: considerações na fronteira entre crime e Estado”, in BR 111: a rota das prisões brasileiras. São Paulo, Veneta/Le Monde Diplomatique, 2017.

DIAS, C. N. “Disciplina, controle social e punição: o entrecruzamento das redes de poder no espaço prisional”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 29, n. 85, 2014, p. 113-27.

FELTRAN, G. Irmãos: uma história do PCC. São Paulo, Companhia das Letras, 2018.

FELTRAN, G. S. “Crime e castigo na cidade: os repertórios da justiça e a questão do homicídio nas periferias de São Paulo”. Caderno CRH, v. 23, n. 58, 2010, pp. 59-73.

GODOI, R. Fluxos em cadeia: as prisões em São Paulo na virada dos tempos. São Paulo, Boitempo, 2017.

HIRATA, D. V.; GRILLO, C. C. “Sintonia e amizade entre patrões e donos de morro: perspectivas comparativas entre o comércio varejista de drogas em São Paulo e no Rio de Janeiro”. Tempo Social, v. 29, n. 2, 2017, pp. 75-98.

LINS, A. L. Entre pactos, projetos e programas: as dinâmicas de governo no campo da segurança pública no Ceará. Dissertação de mestrado. Fortaleza, Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFC, 2020.

LOURENÇO, L. C.; ALMEIDA, O. L. de. “‘Quem mantém a ordem, quem cria desordem’: gangues prisionais na Bahia”. Tempo Social, v. 25, n. 1, 2013, pp. 37-59.

MANSO, B. P.; DIAS, C. N. A guerra: a ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil. São Paulo, Todavia, 2018.

MARQUES, A. “‘Liderança’, ‘proceder’ e ‘igualdade’: uma etnografia das relações políticas no Primeiro Comando da Capital”. Etnográfica. Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, v. 14, n. 2, 2010, pp. 311-35.

MELO, J. G.; AMARANTE, N. F. “O Massacre de Alcaçuz, o fortalecimento e a disputa de territórios por coletivos criminosos em Natal, RN”. O Público e o Privado, v. 17, n. 33 jan.-jun/2019, p. 19-40.

MELO, J. G.; RODRIGUES, R. “Notícias de um massacre anunciado e em andamento: o poder de matar e deixar morrer à luz do massacre no presídio de Alcaçuz, RN”. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 11, n. 2, 2017.

MISSE, M. “Crime organizado e crime comum no Rio de Janeiro: diferenças e afinidades”. Revista de Sociologia e Política, v. 19, n. 40, 2011, pp. 13-25.

MISSE, M. “Mercados ilegais, redes de proteção e organização local do crime no Rio de Janeiro”. Estudos Avançados, v. 21, n. 61, 2007, pp. 139-57.

PAIVA, L. F. S. “‘Aqui não tem gangue, tem facção’: as transformações sociais do crime em Fortaleza, Brasil”. Caderno CRH, v. 32, n. 85, 2019, p. 165-84.

PAIVA, L. F. S.; BARROS, J. P. P.; CAVALCANTE, R. M. B. “Violência no Ceará”. O Público e o Privado, v. 17, n. 33, jan.-jun./2019, p. 73-98.

PRADO, S. L. Desigualdade, revolta, reconhecimento, ostentação e ilusão. O processo de construção da identidade de jovens em bandidos em uma Unidade Socioeducativa de Internação do Distrito Federal. Dissertação de mestrado. Natal, Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFRN, 2016.

RAFAEL, A. “Segmentaridade e tráfico de drogas no Rio de Janeiro”. Alceu, v. 2, n. 3, 2001, p. 166-79.

RODRIGUES, F. J. “‘Corro com o PCC’, ‘corro com o CV’, ‘sou do crime’: facções, sistema socioeducativo e os governos do ilícito em Alagoas”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 35, n. 102, 2020.

SIQUEIRA, Í. B. L.; PAIVA, L. F. S. “‘No Norte tem Comando’: as maneiras de fazer o crime, a guerra e o domínio das prisões do Amazonas”. Revista Brasileira de Sociologia, v. 7, n. 17, 2019, p. 125-54.

WEBER, M. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília, Universidade de Brasília, 2014.

Downloads

Publicado

2021-10-15

Como Citar

Melo, J. ., & Paiva, L. F. S. (2021). Violências em territórios faccionados do Nordeste do Brasil: notas sobre as situações do Rio Grande do Norte e do Ceará. Revista USP, 1(129), 47-62. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i129p47-62

Edição

Seção

Dossiê Segurança Pública