Necropolítica e racismo na construção da cartografia da violência nas periferias de Belém

Autores

  • Aiala Colares de Oliveira Couto Universidade do Estado do Pará

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i129p63-80

Palavras-chave:

Narcotráfico, Milícias, Necropolítica, Racismo

Resumo

O presente texto tem como objetivo analisar a cartografia dos homicídios ou cartografia da violência em Belém, Pará, sobretudo, a partir da sobreposição de territórios envolvendo narcotraficantes, milicianos e o Estado que manifesta as mais variadas formas de conflitos urbanos. Desse modo, os territórios sobrepostos produzem uma necropolítica que tem no componente racial um elemento indutor da banalização e naturalização das mortes. A metodologia aqui utilizada está fundamentada em pesquisas bibliográficas e documentais, análise de dados estatísticos e trabalhos de campo. Como resultado, tem-se a produção do mapa da violência em Belém, o qual aponta para uma concentração das manchas de homicídios nas áreas precarizadas e periféricas da cidade, destacando, assim, a necessidade de uma política urbana acompanhada de políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aiala Colares de Oliveira Couto, Universidade do Estado do Pará

Professor assistente do Departamento de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade do Estado do Pará (Uepa)

Referências

BECKER, H. Outsiders. Rio de Janeiro, Zahar, 2009.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1992.

CAMPOS, A. Do quilombo à favela: a criminalização dos espaços na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Bertrand, 2012.

CORRÊA, R. O espaço urbano. São Paulo, Ática, 1986.

FBSP/IPEA. Atlas da violência. Brasília/Rio de Janeiro/São Paulo, 2019.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. Trad. Maria Galvão. São Paulo, Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo, Martins Fontes, 2008.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do fim dos territórios à multiterritorialidade. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2004.

MARCELINO, A.; MARTINS, R. “Criminologia e racismo: o sistema penal sob a ótica da teoria do labelling approach”. Revista do Curso de Direito do Centro Universitário Braz Cubas, v. 3, n. 2, dezembro de 2019.

MBEMBE, A. Necropolítica: sobre el gobierno privado indirecto. Barcelona, Melusina, 2006.

MBEMBE, A. Crítica à razão negra. São Paulo, N-1 Edições, 2019.

QUIJANO, A. “Colonialidad y modernidad-racionalidade”, in H. Bonilla. Los conquistados: 1492 y la población indígena de las Américas. Bogotá, Tercer Mundo, 1996, p. 437-47.

QUIJANO, A. “Colonialidade, poder, globalização e democracia”. Novos Rumos, n. 37, 2002, p. 4-28.

QUIJANO, A. “Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina”, in E. Lander (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, Clacso, 2005, p. 107-30.

SANSONE, L. “Pai preto, filho negro. Trabalho, cor e diferença de geração”. Estudos Afro-Asiáticos, n. 25, 1993, pp. 73-98.

SANTOS, R. “Sobre espacialidade das relações raciais: raça, racialidade e racismo no espaço urbano”, in Questões urbanas e racismo. Rio de Janeiro, DO e Alli/Associação Brasileira de Pesquisadores Negros, 2012.

Downloads

Publicado

2021-10-15

Como Citar

Couto, A. C. de O. (2021). Necropolítica e racismo na construção da cartografia da violência nas periferias de Belém. Revista USP, 1(129), 63-80. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i129p63-80

Edição

Seção

Dossiê Segurança Pública