Entre altos e baixos: dinâmicas da violência letal no Espírito Santo e Minas Gerais entre os anos 2000 e 2020

Autores

  • Marco Aurélio Borges Costa Universidade de Vila Velha
  • Rafael L. S. Rocha Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i129p81-94

Palavras-chave:

Homicídios, Letalidade policial, Dinâmicas criminais, Rivalidades violentas

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir as dinâmicas da letalidade violenta, sobretudo entre jovens, nos estados do Espírito Santo e Minas Gerais. A partir de dados quantitativos e resultados de pesquisas de campo qualitativas realizadas pelos autores e por pares, o artigo discute a redução das mortes violentas intencionais nos dois estados na última década, a influência, ainda pontual, das facções criminais oriundas do Rio de Janeiro e São Paulo, com maior centralidade nas dinâmicas locais de rivalidades violentas e conflitos armados, e o intenso aumento da letalidade policial em Minas Gerais e Espírito Santo. Finalmente, o artigo inicia uma discussão sobre os efeitos distintos da pandemia de covid-19 nos números de homicídios dos dois estados, que tiveram um aumento significativo no Espírito Santo, mas em Minas Gerais mantiveram a tendência de queda dos anos anteriores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Aurélio Borges Costa, Universidade de Vila Velha

Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Segurança Pública da Universidade Vila Velha (UVV), Espírito Santo, e pesquisador associado do Nevi/Ufes e NECVU/UFRJ

Rafael L. S. Rocha, Universidade Federal de Minas Gerais

Pesquisador do Centro de Estudos em Criminalidade e Segurança Pública (Crisp) da Universidade Federal de Minas Gerais e do Instituto Sou da Paz

Referências

AQUINO, J. P. D. de. “Pioneiros: o PCC e a especialização no mercado de grandes assaltos”. Journal of Illicit Economies and Development, 1(2), 2019, pp. 1-12.

AQUINO, J. P. D. de. “Violência e performance no chamado ‘novo cangaço’: Cidades sitiadas, uso de explosivos e ataques a polícias em assaltos contra bancos no Brasil”. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 13, n. 3, 2020, pp. 615-43.

BEATO FILHO, C. C.; MARINHO, F. C.; SILVA, B. F. A. “Conglomerados de homicídios e o tráfico de drogas em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, de 1995 a 1999”. Cadernos de Saúde Pública, n. 17. Rio de Janeiro, 2001.

CERQUEIRA, D. R. C. et al. Atlas da violência 2020: retrato dos municípios brasileiros. 2020.

COSTA, M. A. B. Vítimas que choram: trajetórias de coerção, acumulação social e empreendedorismo violento no Espírito Santo. São Paulo, Opção Livros, 2016.

CRUZ, W. J. A. da. Os entraves para o surgimento da eficácia coletiva: um estudo de caso em um aglomerado de Belo Horizonte. Tese de doutorado. Belo Horizonte, Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.

DADALTO, M. C.; BITTENCOURT, M. “Seletividade penal e criminalidade violenta: os esquadrões da morte e as masmorras no estado do Espírito Santo”. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 10, n. 2, 2017, p. 189-213.

FBSP - Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Anuário Brasileiro de Segurança Pública. São Paulo, Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

FBSP - Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Anuário Brasileiro de Segurança Pública. São Paulo, Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2020.

MANSO, B. P.; DIAS, C. N. A guerra: a ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil. São Paulo, Todavia, 2018.

MARQUES, T. A gestão da violência no Triângulo Mineiro: estudo comparativo sobre as dinâmicas criminais em Uberlândia-MG e Araguari-MG. Trabalho de conclusão de curso. Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia, 2019.

OLIVEIRA, V. N. et al. “Pavilhões do Primeiro Comando da Capital – PCC: ramificação e expansão da organização criminosa em Minas Gerais?”. Artigo apresentado no Grupo de Trabalho 32 do XVIII Congresso Brasileiro de Sociologia, 2017.

RIBEIRO, L.; OLIVEIRA, V. N.; BASTOS, L. “Pavilhões do Primeiro Comando da Capital”. O Público e o Privado, v. 17, n. 33, jan.-jun./2019, p. 213-41.

ROCHA, R. L. S. “A guerra como forma de relação: uma análise das rivalidades violentas entre gangues em um aglomerado de Belo Horizonte”. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, vol. 8 (2), 2015, p. 277-301.

ROCHA, R. L. S. “Vinganças, guerras e retaliações: um estudo sobre o conteúdo moral dos homicídios de caráter retaliatório nas periferias de Belo Horizonte”. Tese de doutorado. Belo Horizonte, Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Minas Gerais, 2017.

SAPORI, L. F. “Mercado das drogas ilícitas e homicídios no Brasil: um estudo comparativo das cidades de Belo Horizonte (MG) e Maceió (AL)”. Dados, v. 63, n. 4, 2020.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2010: anatomia dos homicídios no Brasil, 2010.

ZILLI, L. F. “Adolescentes e jovens em grupos armados ilegais: comparação entre Rio de Janeiro e Belo Horizonte”. Trabalho apresentado no XV Congresso Brasileiro de Sociologia, 2011b.

ZILLI, L. F. et al. “Letalidade e vitimização policial em Minas Gerais”. Revista Brasileira de Segurança Pública, 14(2), 2020, p. 46-63.

ZILLI, L. F. O bonde tá formado: gangues, ambiente urbano e criminalidade violenta. Tese de doutorado. Belo Horizonte, Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Minas Gerais, 2011a.

ZILLI, L. F. Violência e criminalidade em vilas e favelas dos grandes centros urbanos: um estudo de caso da Pedreira Prado Lopes. Dissertação de mestrado. Belo Horizonte, Departamento de Sociologia da Universidade Federal de Minas Gerais, 2004.

Downloads

Publicado

2021-10-15

Como Citar

Costa, M. A. B., & Rocha, R. L. S. (2021). Entre altos e baixos: dinâmicas da violência letal no Espírito Santo e Minas Gerais entre os anos 2000 e 2020. Revista USP, 1(129), 81-94. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i129p81-94

Edição

Seção

Dossiê Segurança Pública