Comércio interno e manufaturas nos tempos da Independência do Brasil

Autores

  • Maria Alice Rosa Ribeiro Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Letras

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i132p59-78

Palavras-chave:

Comércio de escravizados, Comércio interno, Manufaturas, Siderurgia

Resumo

O artigo discute o tema do comércio interno e das manufaturas na época da Independência. Na primeira parte abordamos o comércio interno – o tráfico de escravizados, distinguindo os negociantes do comércio atlântico daqueles que atuavam na distribuição de escravizados no mercado interno. Tratamos do comércio de abastecimento de alimentos e de manufaturados comuns transacionados pelos tropeiros e pelas vendas, e do comércio de manufaturados importados mais sofisticados. Na segunda parte, o foco recai sobre a produção manufatureira, a indústria artesanal doméstica, baseada no beneficiamento de matérias-primas, algodão, alimentos e bebidas, cerâmica, olaria, etc. Por fim, é tratada uma das mais importantes atividades industriais, as fábricas de ferro, a siderurgia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Alice Rosa Ribeiro, Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências e Letras

Professora da FCL/Unesp e pesquisadora colaboradora do Centro de Memória-Unicamp (CMU).

Referências

AIDAR, B. “Pensar a riqueza do Brasil colonial: das descrições à economia política”,in D. do V. Cosentino; T. F. R. Gambi (orgs.); ABPHE (org. geral); L. F. Saraiva. História do pensamento econômico. Pensamento econômico brasileiro.Niterói/São Paulo, Eduff/Hucitec, 2019, pp.133-61.

ALVARÁ de 1º de abril de 1808. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Atos/alv/1808/alv-1-4-1808.html. Acesso em: 21/ago./2021.

CANABRAVA, “Manufaturas e indústrias no período de d. João VI no Brasil”, in A. P. Canabrava.

História econômica: estudos e pesquisas. São Paulo, Hucitec/Editora Unesp/ABPHE, 2005.

CANTARINO, N. M. “Indústria”, in Dicionário histórico de conceitos jurídico-econômicos (Brasil, séculos XVIII- XIX), volume I. B. Aidar; A. Slemian; J. R. de L. Lopes (orgs.). São Paulo, Alameda, 2020, pp. 495-539.

CHAVES, C. M. das G.; SLEMIAN, A. “Praça mercantil, Junta de comércio”, in Dicionário histórico de conceitos jurídico-econômicos (Brasil, séculos XVIII- XIX), volume II. B. Aidar; A. Slemian; J. R. de L. Lopes (orgs.). São Paulo, Alameda, 2020, pp. 215-44.

COELHO, M. S N. H. A indústria fabril no Oitocentos: escravidão, economia nacional e história e historiografia da história no Brasil. Trabalho de conclusão de curso. Niterói, Universidade Federal Fluminense, 2020.

ESCHWEGE, W. L. von. Pluto brasiliensis. Tradução do original alemão por Domício de Figueiredo Murta. Brasília, Senado Federal/Conselho Editorial, 2011.

FELICÍSSIMO JR., J. História da siderurgia de São Paulo, seus personagens, seus feitos. São Paulo, Associação Brasileira de Metais/IGG/Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo, 1969.

FLORENTINO, M. Em costas negras. Uma história do tráfico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). São Paulo, Editora Unesp, 2014.

FRAGOSO, J.; FLORENTINO, M. O arcaísmo como projeto. Mercado atlântico, sociedade agrária e elite mercantil no Rio de Janeiro, 1790-1840. Rio de Janeiro, Sette Letras, 1996.

GRAHAM, M. Journal of a voyage to Brazil and residence there, during part of the years 1821,1822,1823. London, Printed for Longman, Hurst, Rees, Orme, Brown and Green and J.Murray,1824.

GUIMARÃES, D. “Prefácio”, in W. L. von Eschwege. Pluto brasiliensis.Tradução do original alemão por Domício de Figueiredo Murta. Brasília, Senado Federal/Conselho Editorial, 2011.

LIBBY, D. C. “Notas sobre a produção têxtil brasileira no final do século XVIII: novas evidências de Minas Gerais”. Estudos Econômicos, v. 27, n. 1. São Paulo, jan. abr./1997, pp. 97-125.

MALERBA, J. A corte no exílio. Civilização e poder no Brasil às vésperas da Independência (1808 a 1821). 2ª ed. São Paulo, Companhia das Letras, 2018.

MALERBA, J. Brasil em projetos: história dos sucessos políticos e planos de melhoramento do reino: da ilustração portuguesa à Independência do Brasil. Rio de Janeiro, FGV Editora, 2020.

MANIFESTO de 7 de março de 1810. Disponível em: https://www.camara.leg.br/internet/infdoc/conteudo/colecoes/legislacao/Legimp-B1_72.pdf. Acesso em: 21/ago./2021.

MARTINS, R. B. Crescendo em silêncio. A incrível economia escravista de Minas Gerais no século XIX. Belo Horizonte, Icam/ABPHE, 2018.

NOGUERÓL, L.P. F. Sabará e Porto Alegre na formação do mercado nacional no século XIX. Tese de doutorado. Campinas, Unicamp, 2003.

PAULA, J. A. de. Capítulos de história do pensamento econômico do Brasil. São Paulo, Hucitec/ABPHE, 2021.

PAULA, J. A. de. “Eschwege, o mundo e o novo mundo”, in W. L. Eschwege. Brasil, novo mundo. Tradução de Domício de Figueiredo Murta. Belo Horizonte, Centro de Estudos Históricos e Culturais/Fundação João Pinheiro, 1996.

PETRONE, M.T. S. A lavoura canavieira em São Paulo. São Paulo, Difel, 1968.

PRADO JR., C. História econômica do Brasil. 10ª ed. São Paulo, Brasiliense, 1967.

SAINT-HILAIRE, A. Segunda viagem a São Paulo e quadro histórico da Província de São Paulo. São Paulo, Martins Editora, 1976.

SILVA, A. M. D. D. Rodrigo de Sousa Coutinho. Textos políticos, econômicos e financeiros 1783 -1811. Lisboa, Banco de Portugal, 1993.

SOUSA, O. T. de. O pensamento vivo de José Bonifácio. São Paulo, Martins Editora, 1961.

Downloads

Publicado

2022-04-04

Como Citar

Ribeiro, M. A. R. (2022). Comércio interno e manufaturas nos tempos da Independência do Brasil. Revista USP, 1(132), 59-78. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i132p59-78

Edição

Seção

Dossiê bicentenário da independência: economia