A Independência e o banco, Brasil 1821-1829

Autores

  • Thiago Fontelas Rosado Gambi Universidade Federal de Alfenas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i132p125-148

Palavras-chave:

Bancos, Crédito, Banco do Brasil, Independência

Resumo

Em 1822, em sentido estrito, havia somente um banco no país, o Banco do Brasil. O primeiro objetivo deste artigo foi avaliar, por meio de relatórios do Ministério da Fazenda, sua atuação como fornecedor de crédito ao governo desde a Independência até sua extinção em 1829. Num segundo momento, analisou--se o que disse a imprensa da corte sobre os negócios bancários no contexto da emancipação política. A pesquisa mostrou que, na altura da Independência, embora os bancos não tenham sido protagonistas da expansão do mercado de crédito no país, o Banco do Brasil cumpriu uma importante função no financiamento do gasto público e na consolidação da Independência. Desse modo, o artigo procurou contribuir para esclarecer o papel do banco no financiamento dos gastos públicos depois da Independência e captar, pela imprensa, o efeito de seus desdobramentos políticos sobre a confiança na instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Fontelas Rosado Gambi, Universidade Federal de Alfenas

Professor da Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG)

Referências

AIDAR, B. “Crédito”, in A. Slemian; B. Aidar; J. R. de L. Lopes (orgs.) Dicionário histórico de conceitos jurídico-econômicos (Brasil, séculos XVIII-XIX). São Paulo, Alameda, 2020.

AIDAR, B. Financiar o Império: o Banco do Brasil e seus acionistas, 1808-1821. Artigo apresentado no seminário internacional “Empréstitos, donativos y especulaciones con

la real hacienda en los imperios ibéricos”. México, Instituto Mora, 2018.

ANDRADA, A. C. R. de. Bancos de emissão no Brasil. Rio de Janeiro, Editora Leite Ribeiro. 1923.

BETHELL, L. (ed.). The Cambridge History of Latin America, v. 3. Cambridge, Cambridge University Press, 2008.

BRASIL. Demonstração da receita e despesa do Thesouro Nacional. Rio de Janeiro, Typ. Nacional, 1827.

BRASIL. Exposição do estado da Fazenda Pública. Rio de Janeiro, Typ. Nacional,1823.

BRASIL. Relatório da comissão de inquérito nomeada por aviso do Ministério da Fazenda de 10 de outubro de 1859. S. l., s.n., 1860.

BRASIL. Relatório do ministro e secretário de Estado dos Negócios da Fazenda na sessão de 15 de maio de 1930. Rio de Janeiro, Typ. Nacional, 1830.

BRASIL. Relatório ou exposição do ministro da Fazenda sobre o estado da administração respectiva. Rio de Janeiro, Typ. Nacional, 1826.

CARDOSO, J. L. “Novos elementos para a história do Banco do Brasil (1808-1829): crônica de um fracasso anunciado”. Revista Brasileira de História, v. 30, n. 59, 2010, pp.167-92.

CARRARA, Â. A. Fiscalidade e finanças do Estado brasileiro, 1808-1889. Tese. Juiz de Fora, Universidade Federal de Juiz de Fora, 2016.

CARREIRA, L. de C. História financeira e orçamentária do Império do Brazil desde a sua fundação. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1889.

CORRÊA. F. R. C. “Letra de câmbio”, in A. Slemian; B. Aidar; J. R. de L. Lopes (orgs.). Dicionário histórico de conceitos jurídico-econômicos (Brasil, séculos XVIII-XIX). São Paulo, Alameda, 2020.

CORRESPONDÊNCIA Official das províncias do Brazil durante a legislatura das Cortes Constituintes de Portugal nos annos de 1821-1822 precedidas das cartas dirigidas a El-Rei D. João VI pelo príncipe real D. Pedro de Alcântara, como regente. Lisboa, Imprensa Nacional,

COSTA, E. V. da. “Introdução ao estudo da emancipação política”, in C. G. Mota (org.). Brasil em perspectiva. São Paulo, Difel, 1981.

EGAS, E. Cartas de D. Pedro a seu pae D. João VI (1821-1822). São Paulo, Typ. Brasil, 1916.

FRANCO, A. A. de M.; PACHECO, C. História do Banco do Brasil, v. 1. Brasília, Banco do Brasil, 1979.

FRANCO, B. de S. Os bancos do Brasil. Rio de Janeiro, Typ. Nacional, 1848.

FREIRE, F. História do Banco do Brazil. Rio de Janeiro, Typ. D’O Economista Brazileiro,1907.

GORENSTEIN, R. “Comércio e política: o enraizamento de interesses mercantis portugueses no Rio de Janeiro (1808-1830)”, in L. M. Martinho; R. Gorenstein. Negociantes e caixeiros na sociedade da Independência. Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, 1993.

LISBOA, J. A. Reflexões sobre o Banco do Brasil oferecidas aos seus acionistas. Rio de Janeiro, Typ. Nacional 1821.

MARCONDES R. “Crédito privado antes da grande depressão do século XX: o mercado hipotecário”. Estudos Econômicos, v. 44, n. 4, 2014, pp. 749-86.

MARICHAL, C. El nacimiento de la banca en América Latina: finanzas y política en el siglo XIX. “Cap 3: El despegue de la banca en Latinoamérica: 1850-1880” (mimeo.).

MATTOSO, K. M. de Q. Bahia, século XIX. Uma província no Império. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1992 .

MOREL, M. “As transformações dos espaços públicos: imprensa, atores políticos e sociabilidades na cidade imperial (1820-1840)”. Jundiaí, Paco Editorial, 2016.

NORTH, D. C.; WEINGAST, B. Constitutions and commitment: the evolution of institutions governing public choice in Seventeenth-Century England”. The Journal of Economic History, v. 49, n. 4, 1989, pp. 803-32.

OLIVEIRA, C. H. L. de S. A astúcia liberal: relações de mercado e projetos políticos na corte do Rio de Janeiro (1820-1824). São Paulo, Universidade São Francisco, 1999.

OLIVEIRA, M. F. “Hipólito José da Costa e as ideias econômicas d’O Correio Braziliense”. Intellèctus, v. XVI, n. 1, 2017, pp. 106-30.

PENNA, C. G. Economias urbanas: capital, créditos e escravidão na cidade do Rio de Janeiro, c.1820-1860. Tese de doutorado. Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2019.

PIMENTA, J. P. G. “A Independência do Brasil como uma revolução: história e atualidade de um tema clássico.” História da Historiografia, n. 3, 2009, pp. 53-82.

PIÑEIRO, T. L.; SARAIVA, L. F. “O mercado de crédito no Rio de Janeiro (1821-1850)”. Locus: Revista de História, v. 20, n. 2, 2014, pp. 129-51.

RYAN JR., J. J. Credit where credit is due: lending and borrowing in Rio de Janeiro, 1820-1900. PhD Thesis. University of California, 2007.

SAMPAIO, J. F. da C. e. Carta dirigida aos acionistas do Banco do Brasil, em consequência de certas reflexões sobre o mesmo. Rio de Janeiro, Typ. Nacional, 1821.

SANTOS, C. A. C. dos. Escrevendo a história do futuro: a leitura do passado no processo de Independência do Brasil. Dissertação de mestrado. São Paulo, Universidade de São Paulo, 2010.

SARAIVA, L. F.; ALVARENGA, T. “A Caixa Econômica do Rio de Janeiro, 1831-1859”, in C. Marichal; T. F. R. Gambi. Historia bancaria y monetaria de América Latina (siglos XIX y XX). Santander, Ediciones Universidad de Cantabria, 2017.

SAY, H. Histoire des relations commerciales entre la France et le Brésil. Paris, Guillaumin, 1839.

SODRÉ, N. W. História da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro, Mauad, 1999.

SUMMERHILL, W. Inglorious revolution. New Haven, Yale University Press, 2015.

VIANA, V. O Banco do Brasil. Sua formação. Seu engrandecimento. Sua missão nacional. Rio de Janeiro, Typ. do Jornal do Commercio, 1926.

Periódicos

AMALAGUETA, ed. 20, 27/4/22.

ANNAES Fluminenses, ed. 1, 1º/1/22.

COMPILADOR Constitucional, Político e Literário, ed. 9, 2/3/22.

CORREIO BRAZILIENSE, jan.-abr./1822.

CORREIO do Rio de Janeiro, ed. 12, 23/4/22; ed. 13, 24/4/22; ed. 27, 10/5/22; ed. 41, 29/5/22; ed. 51, 8/6/22; ed. 59, 22/6/22; ed. 7, 8/8/23; ed. 11, 13/8/23; ed. 31, 6/9/23.

DIÁRIO do Rio de Janeiro, ed. 12, 14/8/21; ed. 22, 26/3/22; ed. 3, 4/9/22.

GAZETA do Rio de Janeiro, ed. 100, 20/10/21.

O ESPELHO, ed. 129, 11/ 2 / 1823 .

REVERBERO Constitucional, suplemento à ed. 2, 8/10/21; ed. 3, 15/10/21; ed. 27, 4/5/22.

Downloads

Publicado

2022-04-04

Como Citar

Gambi, T. F. R. (2022). A Independência e o banco, Brasil 1821-1829. Revista USP, 1(132), 125-148. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i132p125-148

Edição

Seção

Dossiê bicentenário da independência: economia