O mealheiro oculto: dinâmicas econômicas entre o Norte e o Sul do Brasil no tempo da Independência

Autores

  • Daniel Souza Barroso Universidade Federal do Pará. Escola de Aplicação

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i132p149-164

Palavras-chave:

Economia, Brasil, Século XIX

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar a economia da Amazônia, do Nordeste e do Sul do Brasil no período da Independência. Para tal, examina as exportações e a força de trabalho escravizada dessas regiões. Propõe-se, ao final, a hipótese de que – direta ou indiretamente – as dinâmicas econômicas entre o Norte e o Sul do Brasil produziram riqueza à margem do Centro-Sul, ao responderem por grande parte das exportações e da população do país naquele contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Souza Barroso, Universidade Federal do Pará. Escola de Aplicação

Professor da Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Referências

ALDEN, D. “The significance of cacao production in the Amazon Region during the late colonial period: an essay in comparative economic history”. Proceedings of the American Philosophical Society, v. 120, n. 2, April 1976, pp. 103-35.

ALVIM, Z. “Imigrantes: a vida privada dos pobres do campo”, in F. A. Novais; N. Sevcenko. História da vida privada, v. 3. República: da belle-époque à era do rádio. São Paulo, Companhia das Letras, 1998, pp. 215-87.

ARRUDA, J. J. A. O Brasil no comércio colonial. São Paulo, Ática, 1980.

BARICKMAN, B. J. Um contraponto baiano: açúcar, fumo, mandioca e escravidão no Recôncavo, 1780-1860. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

BARROSO, D. S. O cativeiro à sombra: estrutura da posse de cativos e família escrava no Grão - Pará (1810-1888). Tese de doutorado. São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2017.

BERUTE, G. S. Dos escravos que partem para os portos do sul: características do tráfico negreiro do Rio Grande de São Pedro do Sul, c. 1790-c. 1825. Dissertação de mestrado. Porto Alegre, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2006.

BERUTE, G. S. Atividades mercantis do Rio Grande de São Pedro: negócios, mercadorias e agentes mercantis (1808-1850). Tese de doutorado. Porto Alegre, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011.

CHAMBOULEYRON, R. I. “Cacao, Bark-Clove, and Agriculture in the Portuguese Amazon Region in the Seventeenth and Early Eighteenth Century”. Luso-Brazilian Review, v. 51, n. 1, 2014, pp. 1-35.

COSTA, F. A. “A economia colonial do Grão-Pará: uma avaliação crítica (1720-1822)”. Economia e Sociedade, v. 21, n. 44, abr. 2012, pp. 197-219.

DIAS, M. D. “As frotas do cacau da Amazônia (1756-1777)”. Revista de História, n. 50,mar.-jun./1962, pp. 363-77.

FALCON, F. A Época Pombalina: política econômica e monarquia ilustrada. São Paulo, Ática, 1982 .

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 2007 [1959].

GOMES L. C. “Livres, libertos e escravos na história da população de Santa Catarina, 1787-1836”. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 34, n. 3, set.-dez./2017, pp. 593-615.

GUTIÉRREZ, H. “Demografia escrava numa economia não-exportadora: Paraná, 1800-1830”. Estudos Econômicos, v. 17, n. 2, 1987, pp. 297-314.

GUTIÉRREZ, H. “Donos de terras e escravos no Paraná: padrões e hierarquias nas primeiras décadas do século XIX”. História, v. 25, n. 1, 2006, pp.100-22.

HAWTHORNE, W. From Africa to Brazil: culture, identity, and an Atlantic Slave Trade, 1600-1830. New York, Cambridge University Press, 2010.

LINS, H. N. “A província de Santa Catarina na primeira metade do século XIX: ensaio sobre opressão econômica e suas repercussões”. História Econômica & História das Empresas, v. 23, n. 2, 2020, pp. 427-62.

LOPES, S. N. As rotas do comércio do Grão-Pará: negociantes e relações mercantis (c.1790-c.1830). Tese de doutorado. Rio de Janeiro, Instituto de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013.

MACHADO, C. S. A trama das vontades: negros, pardos e brancos na produção da hierarquia social do Brasil escravista. Rio de Janeiro, Apicuri, 2008.

MAMIGONIAN, B. G.; BISSIGO, D. N. “População de origem africana”, in I. O. Rocha. Atlas geográfico de Santa Catarina: População (Fascículo 3). Florianópolis, Editora da Udesc, 2018, pp. 72-88.

MARCONDES, R. L. “Posse de cativos no interior do Maranhão (1848)”. Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, n. 61, jul./2005, pp. 169-86.

MAXWELL, K. Marquês de Pombal: paradoxo do Iluminismo. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2001.

MIRA, M. A. B. “A população da Ilha de Santa Catarina”, in N. V. Pereira et al. A Ilha de Santa Catarina: espaço, tempo e gente. Florianópolis, Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, 2002, pp. 61-74.

MOTA, A. S.; BARROSO, D. S. “Economia e demografia da escravidão no Maranhão e no Grão-Pará: uma análise comparativa da estrutura da posse de cativos (1785-1850)”. Revista de História, v. 176, 2017, pp. 1-41.

NOGUERÓL, L. P. F. Posse de escravos no Rio Grande do Sul no século XIX”, in F. R. Versiani; L. P. F. Nogueról. Muitos escravos, muitos senhores: escravidão nordestina e gaúcha no século XIX. São Cristóvão/Brasília, Editora UFS/Editora UnB, 2016, pp.163-178.

OSÓRIO, H. O Império português no sul da América: estancieiros, lavradores e comerciantes. Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2007.

PEREIRA, T. A. Z. The cotton trade and Brazilian foreign commerce during the industrial revolution. PhD. Dissertation. São Paulo, School of Economics, Business and Accounting, University of São Paulo, 2017.

PETRONE, M. T. S. A lavoura canavieira em São Paulo: expansão e declínio (1765-1851). São Paulo, Difusão Europeia do Livro, 1968.

PRADO JÚNIOR, C. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo, Companhia das Letras, 2011[1942] .

PRADO JÚNIOR, C. História econômica do Brasil. São Paulo, Brasiliense, 2008 [1945].

SAMPAIO, P. M. M. Espelhos partidos: etnia, legislação e desigualdade na colônia. Manaus, Edua, 2011.

SANTOS, R. História econômica da Amazônia (1800-1920). São Paulo, T. A. Queiroz, 1980.

SCHWARTZ, S. B. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835. São Paulo, Companhia das Letras,1988.

VARGAS, J. M. Pelas margens do Atlântico: um estudo sobre elites locais e regionais no Brasil a partir das famílias proprietárias de charqueadas em Pelotas, Rio Grande do Sul (século XIX). Tese de doutorado. Rio de Janeiro, Instituto de História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013.

VERSIANI, F. R.; VERGOLINO, J. R. O. “Estrutura de posse de escravos em Pernambuco”, in F. R. Versiani; L. P. F. Nogueról. Muitos escravos, muitos senhores: escravidão nordestina e gaúcha no século XIX. São Cristóvão/Brasília, Editora UFS/Editora UnB, 2016, pp.147-61.

VIEIRA JUNIOR, A. O. Entre paredes e bacamartes: história da família no Sertão (1780-1850). Fortaleza, Edições Demócrito Rocha/Hucitec, 2004.

WEINSTEIN, B. A. A borracha na Amazônia: expansão e decadência (1850-1920). São Paulo, Hucitec/Edusp, 1993 [1983].

WESTPHALEN, C. M.; MACHADO, B. P.; BALHANA, A. P. “Nota prévia ao estudo da ocupação da terra no Paraná moderno”. Boletim do Departamento de História da Universidade Federal do Paraná, n. 7, 1968.

Downloads

Publicado

2022-04-04

Como Citar

Barroso, D. S. . (2022). O mealheiro oculto: dinâmicas econômicas entre o Norte e o Sul do Brasil no tempo da Independência. Revista USP, 1(132), 149-164. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i132p149-164

Edição

Seção

Dossiê bicentenário da independência: economia