As vias tortuosas da democracia e a crise da representação no Brasil

Autores

  • Sérgio Abranches Sem registro de afiliação

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i134p59-74

Palavras-chave:

Crise da democracia, Desconfiança política, Governança

Resumo

A crise da democracia se expressa, em todo o mundo, como desconfiança na política e pela contestação dos partidos e políticos tradicionais. No Brasil, as aflições da transição global se somaram aos efeitos negativos de falhas sucessivas de governança, que levaram a um ciclo reiterado de expansões curtas seguidas de estagnação e recessão, além dos históricos déficits sociais refletidos na miséria, na pobreza e na desigualdade estruturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Abranches, Sem registro de afiliação

Cientista político e autor de, entre outros, Copenhague: antes e depois (Civilização Brasileira)

Referências

ABRANCHES, S. A era do imprevisto: a grande transição do século XXI. São Paulo, Companhia das Letras, 2017.

ABRANCHES, S. Presidencialismo de coalizão: raízes e evolução do modelo político brasileiro. São Paulo, Companhia das Letras, 2018.

ABRANCHES, S. “Polarização radicalizada e ruptura eleitoral”, in S. Abranches et al. Democracia em risco: 22 ensaios sobre o Brasil de hoje. São Paulo, Companhia das Letras, 2019.

ABRANCHES, S. O tempo dos governantes incidentais. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2020.

ABRANCHES, S. “A miniaturização dos partidos e o colapso das coalizões de governo”, 15 de outubro de 2021.

BERTSOU, E. “Political distrust and its discontents: exploring the meaning, expression and significance of political distrust”. Societies, 9:4, 2019.

CARVALHO, J. M. de. Os bestializados, o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo, Companhia das Letras, 1991.

CARVALHO, J. M. de. Cidadania no Brasil, o longo caminho. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

COSER, M. “Jurisdições das rainhas medievais portuguesas: uma análise de queenship”. Te m p o, vol. 26, n. 1. Niterói, jan.-abr./2020, pp. 230-47.

FRANK, J. Constituent moments — enacting the people in post-revolutionary America. Durham, Duke University Press, 2010.

GOMES , L. Escravidão — do primeiro leilão até a morte de Zumbi dos Palmares. Volume I. São Paulo, GloboLivros, 2019.

GRAMSCI, A. The modern prince and other writings. New York, International Publishers, 1968 .

GRAMSCI, A. Prison notebooks. Vols. 1 e 2. New York, Columbia University Press, 19 92 .

HABERMAS, J. Legitimation crisis. Boston, Becaon Press, 1975.

IDEA. The global state of democracy 2021: building resilience in a pandemic era. International Institute for Democracy and Electoral Assistance, 2021.

LAAKSO, M.; TAAGEPERA, R. “‘Effective’ number of parties: a measure with application to West Europe”. Political Studies, abril, 1979; 12, 1, pp. 3-27.

LIPSET, S. M. Political man. New York, Doubleday, 1963.

NICOLAU, J. História do voto no Brasil. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2002.

PINKNEY, D. H. “A new look at the French Revolution of 1830”. The Review of Politics, 23(4), 1961, pp. 490-506.

PRZEWORSKI, A. Crises of democracy. New York, Cambridge University Press, 2019.

RANCIÈRE. J. Moments politiques – interventions 1977-2009. Paris, Fabrique, 2009.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, patriarcado, violência. 2ª ed. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 2011.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro, Record, 2021.

STARLING, H. Ser republicano na colônia. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2018.

TILLY, C. Durable inequality. Berkeley, University of California Press, 1998.

WIKE, R.; SCHUMACHER, S. “Democratic rights popular globally but commitment to them not always strong”. Pew Research Center, Feb. 2020.

WIKE, R.; SILVER, L.; CASTILLO, A. “Many across the globe are dissatisfied with how democracy is working”. Pew Research Center, April 2019.

Downloads

Publicado

2022-09-16

Como Citar

Abranches, S. (2022). As vias tortuosas da democracia e a crise da representação no Brasil. Revista USP, 1(134), 59-74. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i134p59-74

Edição

Seção

Dossiê bicentenário da independência: política