A desconfiança política dos eleitores em face do Congresso Nacional e dos partidos políticos: o déficit de nossa história representativa

Autores

  • Rachel Meneguello Universidade Estadual de Campinas
  • Fabíola Brigante del Porto Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i134p179-196

Palavras-chave:

sistemas partidários, instituições representativas, democracia, desconfiança política

Resumo

Partidos e parlamentos ocupam a cena institucional do Brasil independente em quase toda a sua bicentenária duração. O país acolheu sistemas políticos distintos, sistemas partidários variados e rupturas institucionais até alcançar, mais de 160 anos depois, em 1985, seu principal e mais duradouro experimento democrático. Se a presença regular de partidos marca nosso desenvolvimento político, a história da relação entre as instituições representativas e os cidadãos brasileiros é muito variada. Estes são alguns dos principais traços que marcam essa relação e resumem os constrangimentos que influenciaram, em linhas gerais, nesse longo período, a predominante relação de desconfiança dos cidadãos brasileiros com os partidos políticos e o Congresso Nacional que caracteriza praticamente todo o período democrático recente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rachel Meneguello, Universidade Estadual de Campinas

Professora do Departamento de Ciência Política da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Fabíola Brigante del Porto, Universidade Estadual de Campinas

Pesquisadora do Centro de Estudos de Opinião Pública da Unicamp.

Referências

BOOTH, J.; MITCHELL, S. Legitimacy puzzle in Latin America. New York, Cambridge University Press, 2009.

CAMPELLO DE SOUZA, M. do C. Estado e partidos políticos no Brasil (1930-1964). São Paulo, Alfa-Omega, 1976.

CARVALHO, J. M. de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 20 01.

CARVALHO, J. M. de. A construção da ordem. Teatro de sombras. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2008.

CESOP. Banco de Dados de Pesquisas por Amostragem. Cesop/Unicamp (www.cesop.unicamp.br). Números das pesquisas utilizadas: 1989 (186); 1990 (211); 1992 (301); 1995 (547); 1999 (1262); 2000 (1298); 2002 (1838); 2005 (2314); 2006 (2483); 2007 (2632); 2009 (4636); 2010 (4640); 2012 (4641); 2013 (4637); 2014 (4638); 2015 (4635); 2016 (4634); 2017 (4633); 2018 (4032); 2019 (4693); 2020 (4722).

CHACON, V. História dos partidos brasileiros. 2ª ed. Brasília, Ed. UnB, 1985.DALTON, R. “Political support in advanced industrial democracies”, in P. Norris (ed.). Critical citizens. Oxford, Oxford University Press, 1999.

DALTON, R. Democratic challenges, democratic choice. Oxford, Oxford University Press, 2004.

DOLHNIKOFF, M. “Império de governo representativo: uma releitura”. Cadernos CRH, vol. 21, n. 52, 2008.

EASTON, D. “A re-assessment of the concept of political support”. British Journal of Political Science,vol. 5, n. 4, 1975.

FAORO, R. Os donos do poder. Rio de Janeiro, Globo, 1979.

HARDIN, R. “Do we want trust in government?”, in M. Warren (ed.). Democracy and trust. Cambridge, Cambridge University Press, 1999.

KLINGEMANN, H-D.; FUCHS, D. (eds.). Citizens and the State. Oxford, Oxford University Press , 19 95.

LAMOUNIER, B.; MENEGUELLO, R. Partidos e consolidação democrática: o caso brasileiro. São Paulo, Brasiliense, 1986.

LETKI, N. “Trust in newly democratic regimes”, in E. Uslaner (ed.). The Oxford handbook of social ans political trust. Oxford, Oxford University Press, 2018.

LIMONGI, F. “Revisitando as eleições do Segundo Reinado: manipulação, fraude e violência”. Lua Nova, n. 91, 2014. LISTHAUG, O.; JAKOBSEN, T. “Foundations of political trust”, in E. Uslaner (ed.). The Oxford handbook of social ans political trust. Oxford, Oxford University Press, 2018.

MANIN, B. Principles du gouvernement représentatif. Paris, Flammarion, 2012.

MENEGUELLO, R. “Governo Sarney: dilemas de uma transição negociada”. Secuencia: Revista de Historia y Ciencias Sociales, v. 44, 1999, pp. 37-71.

MENEGUELLO, R. “Aspects of democratic performance: democratic adherence and evaluation in Brazil, 2002”. Revue Internationale de Sociologie, v. 16, 2006.

MENEGUELLO, R. “Aspectos do desempenho democrático: estudo sobre a adesão e a avaliação do regime”, in J. A. Moisés (ed.). Democracia e confiança: por que os cidadãos desconfiam das instituições públicas? São Paulo, Edusp, 2010.

MENEGUELLO, R. “Percepções públicas sobre o Parlamento brasileiro. Dados dos últimos 50 anos”, in R. Meneguello (org.). O Legislativo brasileiro:funcionamento, composição e opinião pública. Brasília, Senado Federal, 2012.

MENEGUELLO, R. “Opinião pública em um governo de risco e contrassenso”, in F. Kerche; L. Avritzer; M. Marona (orgs.). Governo Bolsonaro: retrocesso democrático e degradação política. São Paulo, Autêntica, 2021.

MILLER, A. H.; LISTHAUG, O. “Political parties and confidence in government: a comparison of Norway, Sweden and the United States”. British Journal of Political Science, vol. 20, n. 3, jul. 1990.

MISHLER, W.; ROSE, R. “What are the origins of political trust? Testing institutional and cultural theories in post-communist societies”. Comparative Political Studies, n. 34, 20 01.

MOISÉS, J. A. (ed.). Democracia e confiança: por que os cidadãos desconfiam das instituições públicas? São Paulo, Edusp, 2010.

MOISÉS, J. A. “Democracia e desconfiança nas instituições democráticas”, in J. A. Moisés (ed.). Democracia e confiança: por que os cidadãos desconfiam das instituições públicas?São Paulo, Edusp, 2010.

MOISÉS, J. A.; CARNEIRO, G. “Democracia, desconfiança política e insatisfação com o regime – o caso do Brasil”, in J. A. Moisés (ed.). Democracia e confiança: por que os cidadãos desconfiam das instituições públicas? São Paulo, Edusp, 2010.

MOISÉS, J. A.; MENEGUELLO, R. “Os efeitos da desconfiança política para a legitimidade democrática”, in J. A. Moisés; R. Meneguello (orgs.). A desconfiança política e os seus impactos na qualidade da democracia. São Paulo, Edusp, 2013.

NORRIS, P. (ed.). Critical citizens. Oxford, Oxford University Press, 1999.

NORRIS, P. Democratic deficit: critical citizens revisited. Cambridge, Cambridge University P r e s s , 2 011.

OFFE, C. “How can we trust our fellow citizens?”, in M. Warren (ed.). Democracy and trust. Cambridge, Cambridge University Press, 1999.

PHARR, S.; PUTNAM, R. Disaffected democracies: what’s troubling the trilateral countries?Princeton, Princeton University Press, 2000.

PRZEWORSKI, A. The crisis of democracy. Cambridge, Cambridge University Press, 2019.

SANTOS, W. G. dos. “Velhas teses, novos dados: uma análise metodológica”. Dados, 47 (4), 2004.

TATAGIBA, L.; ANDREIA, G. “Os protestos no Brasil em tempos de crise (2011-2016)”. Opinião Pública, vol. 25, n. 1, 2019.

USLANER, E. “The study of trust”, in E. Uslaner (ed.). The Oxford handbook of social ans political trust. Oxford,Oxford University Press, 2018.

WARREN, M. “Democratic theory and trust”, in M. Warren (ed.). Democracy and trust. Cambridge, Cambridge University Press, 1999.

WARREN, M. “Trust and democracy”, in E. Uslaner (ed.). The Oxford handbook of social ans political trust. Oxford, Oxford University Press, 2018.

WEBELS, B. “System characteristics matter: empirical evidence from ten representation studies”, in W. Miller et al. (eds.). Policy representation in western democracies. Oxford, Oxford University Press, 1999.

ZMERLI, S.; HOOGHE, M. (eds.). Political trust:why context matters. London, ECPR, 2013.

Downloads

Publicado

2022-09-16

Como Citar

Meneguello, R., & Porto, F. B. del. (2022). A desconfiança política dos eleitores em face do Congresso Nacional e dos partidos políticos: o déficit de nossa história representativa. Revista USP, 1(134), 179-196. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i134p179-196

Edição

Seção

Dossiê bicentenário da independência: política