Nau sem rumo? O sistema partidário brasileiro pós-democratização

Autores

  • Carlos Ranulfo Melo Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i134p75-90

Palavras-chave:

Partidos, Sistema partidário, Fragmentação, Crise, Brasil

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar as mudanças pelas quais passou o sistema partidário brasileiro inaugurado em 1982. Em um primeiro momento, mostra como e por que, após um período de extrema fluidez e mesmo mantendo alto nível de fragmentação, o sistema alcançou um determinado padrão de interação entre seus membros, o que lhe permitiu duas décadas de estabilidade. Na sequência, o artigo explica por que esse padrão se desfez, inaugurando uma fase de crise e incerteza. Os momentos de estabilidade e desarticulação têm relação com a dinâmica assumida pela competição em torno da Presidência da República.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Ranulfo Melo, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor do Departamento de Ciência Política e pesquisador do Centro de Estudos Legislativos da UFMG e autor de Retirando as cadeiras do lugar: migração partidária na Câmara dos Deputados, 1985-2002 (Editora UFMG)

Referências

ALMEIDA, A. “Relações Executivo-Legislativo e governabilidade à luz da crise da covid-19”. Rio de Janeiro, Ipea - Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia, Nota Técnica, n. 34, 2020.

CAMPOS, M. M. Democracia, partidos e eleições: os custos do sistema partidário-eleitoral no Brasil. Tese de doutorado. Minas Gerais, UFMG, 2009.

CHEIBUB, J. A.; MOREIRA, T.; SIN, G.; TANABE, K. Dynamic Party System Fragmentation. 2020 (inédito).

FIGUEIREDO, A.; LIMONGI, F. Executivo e Legislativo na nova ordem constitucional. Rio de Janeiro, Editora FGV, 1999.

GOMES, A. L. H. T. Rebeldes com causa? Investigando o multipartidarismo e a fragmentação partidária na Câmara dos Deputados sob a Nova Lei Orgânica dos Partidos. Tese de doutorado. Goiás, Universidade Federal de Goiás, 2016.

LIMA JÚNIOR, O. B. Democracia e instituições políticas no Brasil dos anos 80. São Paulo, Loyola, 1993.

MAINWARING, S.; ZOCO, E. “Political sequences and the stabilization of interparty competition: electoral volatility in old and new democracies”. Party Politics, vol. 13, n. 2, 2007, pp. 155-78.

MAIR, P. “Party system change”, in R. Katz; W. Crotty (eds.). Handbook of party politics. London, Sage Publications, 2006.

MELO, C. R. “Eleições presidenciais, jogos aninhados e sistema partidário no Brasil”. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 4, 2010, pp. 13-41.

MELO, C. R. “Por que chegamos a tanto e que importância isso tem? Considerações sobre a fragmentação partidária no Brasil”, in G. Perlin; M. L. Santos (orgs). Presidencialismo de coalizão em movimento. Brasília, Câmara dos Deputados/Edições Câmara, 2019.

MELO, C. R. Retirando as cadeiras do lugar: migração partidária na Câmara dos Deputados (19 85 -20 02). Belo Horizonte, Editora UFMG, 2004.

MELO, C. R.; CÂMARA, R. “Estrutura da competição pela presidência e consolidação do sistema partidário no Brasil”. Dados, vol. 55, n. 1. 2012, pp. 71-117.

NICOLAU, J. “Partidos na República de 1946: velhas teses, novos dados”. Dados – Revista de Ciências Sociais, vol. 47, n. 1. Rio de Janeiro, 2004, pp. 85-129.

SARTORI, G. Engenharia constitucional: como mudam as Constituições. Brasília, Ed. UNB, 19 9 6 .THELEN, K. “Historical institutionalism in comparative politics”. Annual Review of Political Science, n. 2, 1999, pp. 369-404.

Downloads

Publicado

2022-09-16

Como Citar

Melo, C. R. (2022). Nau sem rumo? O sistema partidário brasileiro pós-democratização. Revista USP, 1(134), 75-90. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.i134p75-90

Edição

Seção

Dossiê bicentenário da independência: política