Diversificação das grandes empresas e grupos empresariais brasileiros: alguns apontamentos

Autores

  • Ricardo Machado Ruiz Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i93p101-112

Palavras-chave:

diversificação, inovação, coesão, corporações, especialização.

Resumo

A diversificação dos grandes grupos e empresas é condicionada pela sua coerência ou coesão corporativa e requer ambientes políticos e econômicos que reduzam a incerteza e favoreçam investimentos que ousem ir além do core business da firma. Na ausência desse ambiente, a estratégia dos capitais nacionais tem se mostrado conservadora e especializante, em particular em setores intensivos em tecnologia. Recentemente se observam algumas diversificações induzidas pelo crescimento interno e apoiadas por políticas públicas. Entretanto, a ausência de um núcleo endógeno de inovação e uma modesta escala financeira colocam em dúvida seu êxito em um ambiente de abertura econômica.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Ricardo Machado Ruiz, Universidade Federal de Minas Gerais

    Professor da Faculdade de Ciências Econômicas e do Centro de Desenvolvimento e Planejamento
    Regional (Cedeplar), ambos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

ALCHIAN, A.; DEMSETZ, H. “Production, Information Costs, and Economic Organization”, in L. Putterman & R. Kroszner. The Economic Nature of the Firm. 10th printing. Cambridge University Press, 2008.

AQUINO, C. História Empresarial Vivida. Volumes I, II, III e IV. São Paulo, Gazeta Mercantil, 1987.

AQUINO, C. História Empresarial Vivida. Volume V. São Paulo, Atlas, 1991.

ARBIX, G; Salerno, M. S.; DE NEGRI, J. A. “O Impacto da Internacionalização com Foco na Inovação Tecnológica sobre as Exportações das Firmas Brasileiras”, in Dados – Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, vol. 48, no 1, 2005, pp. 395-442.

AVALIAÇÃO DO FNDCT. Pesquisa Metodologia de Avaliação dos Resultados de Conjuntos de Projetos Apoiados por Fundos de Ciência, Tecnologia e Inovação. Belo Horizonte, UFMG-MCT/Finep/Ipea, 2010.

BNDES. “Caracterização do Processo de Internacionalização de Grupos Econômicos Privados Brasileiros”, BNDES/AP/Depes/Gepes 1. Rio de Janeiro, novembro de 1995 (mimeo.).

CANUTO, O.; RABELO, F. M. & SILVEIRA, J. M. “Abertura e Grupos Econômicos na Indústria Brasileira”, in Revista Paranaense de Desenvolvimento, no 92, set.-dez./1997, pp. 33-52.

CHANDLER, A. D. Jr. Strategy and Structure: Chapters in the History of the Industrial Enterprise. Cambridge, MA, Harvard University Press, 1962.

. The Visible Hand: The Managerial Revolution in American Business. Cambridge, MA, Harvard University Press, 1977.

. Scale and Scope: The Dynamics of Industrial Capitalism. Cambridge, Mass. and London, Havard U. Press, 1990.

DOSI, G.; TEECE, D. J.; WINTER, S. “Toward a Theory of Corporate Coherence: Preliminary Remarks”, in G. Dosi, R. Giannetti, R. & P. A. Toninelli. Techology and Enterprise in a Historical Perspective. Oxford, Clarendon Press, 1992.

DOSI, G.; FAILLO, M.; MARENGO, L. “Organizational Capabilities, Patterns of Knowledge Accumulation and Governance Structures in Business Firms – An Introduction”, in Working Paper Series 2003/11, July 2003. Italy, Laboratory of Economics and Management Sant’Anna School of Advanced Studies.

ESTEVES, L. A. “Empresas Líderes na Indústria Brasileira: Panorama 2008”. Relatório de pesquisa da UFMG, 2011.

FDC. Ranking das Transnacionais Brasileiras. Belo Horizonte, Fundação Dom Cabral, 2010.

FOSS, N. “The Resource-based Perspective: an Assessment and Diagnosis of Problems”, in Scandinavian Journal of Management. vol. 14, no 3, 1997, pp. 133-49.

FOSS, N. “Edith Penrose and the Penrosians – or, Why There Is Still so Much to Learn from The Theory of the Growth of the Firm”, in Department of Industrial Economics and Strategy (Working Paper). Copenhagen Business School, Denmark, 1998.

HART, O.; MOORE, J. “Property Rights and the Nature of the Firm”, in Journal of Political Economy. 98(6), December 1990, pp. 1.119-58.

HOLMSTROM, B.; MILGROM, P. “The Firm as an Incentive System”, in Journal of Law, Economics & Organization, v. 15, no

, 1994.

HOLMSTROM, B.; MILGROM, P.; TIROLE, J. “The Theory of the Firm”, in Handbook of Industrial Organization. Volume I. North-Holland, Elsevier Science Publisher, 1989.

LAZZARINI, S. G. Capitalismo de Laços: os Donos do Brasil e Suas Conexões. São Paulo, Campus, 2011.

PENROSE, E. Teoria do Crescimento da Firma. Campinas, Editora Unicamp, 1959.

PRAHALAD, C. J.; HAMEL, G. “The Core Competence of the Corporation”, in Harvard Business Review, 1990.

QUEIROZ, M. V. Grupos Econômicos e o Modelo Brasileiro. Tese de doutourado. São Paulo, Dep. Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, 1972.

REISS, G. D. Development of Brazilian Industrial Enterprise: a Historical Perspective. Tese de doutorado. Berkeley, Universidade da Califórnia, 1980.

. “O Crescimento da Empresa Industrial na Economia Cafeeira”, in Revista de Economia Política. vol. 3, no 2. São Paulo, 1983.

RUIZ, R. M. Estratégia Empresarial e Reestruturação Industrial (1980-1992): um Estudo de Grupos Econômicos Selecionados. Dissertação de mestrado apresentada ao IE/Unicamp. Campinas, Unicamp, 1994.

RUMELT, R. P. “Toward a Strategic Theory of the Firm”, in N. Foss. Resources, Firms, and Strategies – A Reader in the Resource-Based Perspective. England, Oxford Press, 1997.

SAES, F. A. M. “A Controvérsia sobre a Industrialização na Primeira República”, in Estudos Avançados, vol. 3, no 7. São Paulo, IEA-USP, 1989.

SARTI, F.; LAPLANE, M. “O Investimento Direto Estrangeiro e a Internacionalização da Economia Brasileira nos Anos 1990”, in Economia e Sociedade. Campinas, v. 11, n. 1 (18), jan.-jun./2002, pp. 63-94.

TEECE, D. J. “The Dynamics of Industrial Capitalism: perspectives on Alfred Chandler’s ‘Scale and Scope’”, in The Journal of Economic Literature. vol. XXXi, March 1993, n. 1.

. “Firm Organization, Industrial Structure, and Technological Innovation”, in Journal of Economic Behavior & Organization. Vol. 31, 1996, pp. 193-224.

TEECE, D. J.; RUMELT, R. P., DOSI, G.; WINTER, S. G. “Understanding Corporate Coherence: Theory and Evidence”, in Journal of Economic Behavior and Organization. 23, 1994, pp. 1-30.

UFMG. “Diversificação e Consolidação dos Grupos Econômicos Privados Nacionais: Estrutura Corporativa, Inovação Tecnológica e Políticas de Indução”. Coordenador: professor Gustavo Brito Cedeplar/CGEE/Fundep-UFMG, 2011.

UNICAMP. Relatórios do Projeto “Grupos Econômicos na Indústria Brasileira e a Política Econômica: Estrutura, Estratégias e Desafios”. Fundap, Fecamp, Unicamp e IE/NEIT. Campinas, São Paulo, 1996.

WILLIAMSON, O. E. “Transaction Cost Economics”, in Handbook of Industrial Organization. Volume I, Edited by R. Schmalensee and R. D. Willing, Elsevier Science Publishers, 1989.

Downloads

Publicado

2012-05-30

Como Citar

RUIZ, Ricardo Machado. Diversificação das grandes empresas e grupos empresariais brasileiros: alguns apontamentos. Revista USP, São Paulo, Brasil, n. 93, p. 101–112, 2012. DOI: 10.11606/issn.2316-9036.v0i93p101-112. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/45005.. Acesso em: 25 jun. 2024.