[1]
E. Piolli, “Bakunin redivivo (revolução e anarquia)”, Rev. USP, nº 104, p. 209-214, mar. 2015.