[1]
A. M. de Oliveira, “Se não a cura, o alívio”, Rev. USP, vol. 1, nº 128, p. 148-168, set. 2021.