[1]
B. Schnaiderman, “Aigui e a rosa do silêncio”, Rev. USP, nº 18, p. 208-217, ago. 1993.