[1]
N. BIGNOTO, “O SILÊNCIO DO TIRANO”, Rev. USP, nº 37, p. 132-143, maio 1998.