[1]
G. Mendes, “Cânone na música? E por que não?”, Rev. USP, nº 40, p. 6-17, fev. 1999.