A vocação do nosso tempo para a filosofia do direito... e para a filosofia dos direitos humanos

Autores

  • Felipe Rodolfo de Carvalho Universidade de São Paulo. Faculdade de Direito

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2318-8235.v113i0p293-308

Palavras-chave:

Direito, Crise do Direito, Filosofia do Direito, Filosofia dos Direitos Humanos, Vocação

Resumo

Este ensaio objetiva responder à pergunta quanto ao papel da reflexão filosófica no âmbito do Direito e no âmbito dos Direitos Humanos, explicitando, antes de tudo, por que razão tal indagação necessariamente se coloca. A fim de apresentar uma resposta, busca distinguir as tarefas da Ciência Jurídica e da Filosofia do Direito, ressaltando, ao mesmo tempo, sua complementaridade. Por consequência, propõe-se a identificar não só papéis gerais da Filosofia do Direito, mas também seu papel específico diante do cenário jurídico contemporâneo. É aqui que a busca pelo sentido do Direito se coloca como incumbência da Jusfilosofia, encaminhando-a inexoravelmente para a temática dos Direitos Humanos, os quais demandam também ser ressignificados. Como conclusão, ressalta, então, a vocação do nosso tempo para a Filosofia do Direito e, correlatamente, para a Filosofia dos Direitos Humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Rodolfo de Carvalho, Universidade de São Paulo. Faculdade de Direito

Doutor em Filosofia e Teoria Geral do Direito pela FDUSP.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BIELEFELDT, Heiner. Filosofia dos direitos humanos: fundamentos de um ethos de liberdade universal. Tradução de Dankwart Bernsmüller. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2000.

BITTAR, Eduardo C. B. Filosofia crítica e filosofia do direito: por uma filosofia social do direito. Revista Cult, São Paulo, v. 112, p. 53-55, 2007. Disponível em: <https://revistacult.uol.com.br/home/filosofia-critica-e-filosofia-do-direito-por-uma-filosofia-social-do-direito/> Acesso em: 13 set. 2017.

______. O Direito na pós-modernidade e reflexões frankfurtianas. 2. ed. rev., atual. e ampl. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

BITTAR, Eduardo C. B.; ALMEIDA, Guilherme de Assis. Curso de filosofia do direito. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Direitos humanos ou “privilégios de bandidos”? Desventuras da democratização brasileira. Novos Estudos - CEBRAP, São Paulo, n. 30, p. 162-174, jul. 1991.

CARVALHO, Felipe Rodolfo de. Outramente: o direito interpelado pelo rosto do outro. 2017. 461f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

COMPARATO, Fábio Konder. Direitos humanos no Brasil: o passado e o futuro. Revista USP, São Paulo, n. 43, p. 168-175, set./nov. 1999.

______. Fundamento dos direitos humanos. São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 1997. Disponível em: <http://www.dhnet.org.br/direitos/anthist/a_pdf/comparato_fundamentos_dh.pdf>. Acesso em: 2 fev. 2018.

CUNHA, Paulo Ferreira da. Filosofia jurídica prática. Belo Horizonte: Fórum, 2009. Resenha de: LAUAND, Luiz Jean. Paulo Ferreira da Cunha: filosofia jurídica prática. Notandum, ano 13, n. 22, p. 51-52, jan./abr. 2010.

DEL VECCHIO, Giorgio. Lições de filosofia do direito. Tradução de António José Brandão. 5 ed. cor. e atual. Coimbra: Arménio Amado, 1979.

DERRIDA, Jacques. Adeus a Emmanuel Lévinas. Tradução de Fábio Landa com a colaboração de Eva Landa. São Paulo: Perspectiva, 2015.

DOUZINAS, Costas. O fim dos direitos humanos. Tradução de Luzia Araújo. Porto Alegre: Unisinos, 2009.

FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. A ciência do direito. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

______. A trivialização dos direitos humanos. Novos Estudos - CEBRAP, São Paulo, n. 28, p. 99-115, out. 1990.

______. Estudos de filosofia do direito: reflexões sobre o poder, a liberdade, a justiça e o direito. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

______. Filosofia do Direito: do perguntador infantil ao neurótico filosofante. In: ALVES, Alaôr Caffé et al. O que é a filosofia do direito? Barueri, SP: Manole, 2004.

______. Função social da dogmática jurídica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. Introdução ao estudo do direito: técnica, decisão, dominação. 5. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas. 2007.

HABERMAS, Jürgen. O conceito de dignidade humana e a utopia realista dos direitos humanos. In: ______. Sobre a constituição da Europa. Tradução de Denilson Luis Werle, Luiz Repa e Rúrion Melo. São Paulo: Unesp, 2012. p. 7-37.

KANT, Immanuel. A metafísica dos costumes. Tradução de Edson Bini. 2. ed. rev. São Paulo: EDIPRO, 2008.

KAUFMANN, Arthur. Filosofia do direito, teoria do direito, dogmática jurídica. In: KAUFMANN, Arthur; HASSEMER, Winfried (Org.). Introdução à filosofia do direito e à teoria do direito contemporâneas. Tradução de Marcos Keel e Manuel Seca de Oliveira. Lisboa: Fundação Caouste Gulbenkian, 2002.

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito. Tradução de João Baptista Machado. 8. ed., 5. tiragem. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015.

LÉVINAS, Emmanuel. L’essence spirituelle de l’antisémitisme (d’après Jacques Maritain). In: CHALIER, Catherine; ABENSOUR, Miguel (Org.). Cahier de L’Herne: Emmanuel Lévinas. Paris: LGF, 2006.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Tradução de Ricardo Corrêa Barbosa. 12. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

NEVES, António Castanheira. A crise actual da filosofia do direito no contexto da crise global da filosofia: tópicos para a possibilidade de uma reflexiva reabilitação. Coimbra: Coimbra Editora, 2003.

______. O direito hoje e com que sentido? O problema atual da autonomia do direito. 3. ed. Lisboa: Piaget, 2012.

NINO, Carlos Santiago. Ética y derechos humanos: un ensayo de fundamentación. 2. ed. ampl. y rev. Buenos Aires: Astrea, 1989.

NOBRE, Marcos. Weber: racionalização e desencantamento do mundo. In: NOBRE, Marcos (Org.). Curso livre de teoria crítica. Campinas: Papirus, 2008.

PIERUCCI, Antônio Flávio de Oliveira. O desencantamento do mundo: todos os passos do conceito em Max Weber. São Paulo: Editora 34, 2003.

POUND, Roscoe. Introdução à filosofia do direito. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1965.

REALE, Miguel. A filosofia do direito e as formas do conhecimento jurídico. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 57, p. 90-112, jan./dez. 1962.

______. Filosofia do direito. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

REALE, Miguel. Introdução à filosofia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

SAVIGNY, Friedrich Carl von. Da vocação do nosso tempo para a legislação e a jurisprudência. In: MORRIS, Clarence (Org.). Os grandes filósofos do direito: leituras escolhidas em direito. Tradução de Reinaldo Guarany. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

SICHES, Luis Recaséns. Tratado general de filosofía del derecho. 19 ed. México: Porrúa Editorial, 2008.

TROPER, Michel. A filosofia do direito. Tradução de Ana Deiró. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

VILLEY, Michel. Filosofia do direito: definições e fins do direito: os meios do direito. Tradução de Márcia Valéria Martinez de Aguiar. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

______. O direito e os direitos humanos. Tradução de Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.

WARAT, Luis Alberto; PÊPE, Albano Marcos Bastos. Filosofia do direito: uma introdução crítica. São Paulo: Moderna, 1996.

WEBER, Max. A ciência como vocação. In: ______. Metodologia das ciências sociais. Tradução de Augustin Wernet. 5. ed. São Paulo: Cortez; Campinas: EDUNICAMP, 2016.

Downloads

Publicado

2018-12-21

Como Citar

Carvalho, F. R. de. (2018). A vocação do nosso tempo para a filosofia do direito. e para a filosofia dos direitos humanos. Revista Da Faculdade De Direito, Universidade De São Paulo, 113, 293-308. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8235.v113i0p293-308

Edição

Seção

Trabalhos Acadêmicos