O poder regulamentar das agências em matéria sanitária

Autores

  • Ricardo Pires Calciolari

Palavras-chave:

Direito Sanitário, Poder regulamentar, Agências reguladoras, Vigilância sanitária, Saúde suplementar, Planos de saúde.

Resumo

O escopo principal do presente artigo é o estudo do poder regulamentar das agências em matéria sanitária. Para tanto iniciamos com uma análise sociológica do risco na sociedade moderna e da relação entre o risco e políticas regulatórias. Após, fizemos um estudo do poder regulamentar, delineando um novo conceito de legalidade que levará em consideração as conexões entre a democracia representativa e a segurança jurídica no âmbito da saúde. Por fim, um estudo específico da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) foi efetuado, trazendo decisões das cortes sobre a amplitude regulamentar no Direito Sanitário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXY, Robert. Colisão de direitos fundamentais e realização de direitos fundamentais no estado de direito democrático. Revista de Direito Administrativo, Rio de janeiro, v. 217, p. 67-79, jul./ set. 1999.

ATALIBA. Geraldo. Decreto regulamentar no sistema brasileiro. Revista Jurídica da Procuradoria Geral do Município de São Paulo, São Paulo, n. 2, p. 13-20, jun. 1996.

ÁVILA, Humberto. Legalidade Tributária Multidimensional. In: FERRAZ, Roberto. Princípios e limites da tributação. São Paulo: Quartier Latin, 2005.

______. Teoria dos princípios: da definição à aplicação dos princípios jurídicos. 3. ed. São Paulo: Malheiros, 2004.

BRUNA, Sérgio Varella. Agências reguladoras: poder normativo; consulta pública; revisão judicial. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Constituição dirigente e vinculação do legislador: contributo para a compreensão das normas constitucionais programáticas. 2. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 2001.

______. Constituição dirigente e vinculação do legislador: contributo para a compreensão das normas constitucionais programáticas. Coimbra: Coimbra Editora, 1982.

CALCIOLARI, Ricardo Pires. Progressividade tributária, segurança e justiça fiscal. Revista Tributária e de Finanças Públicas, São Paulo, v. 15, n. 76, p. 198-225, set./ out. 2007.

CARRIÓ, Genaro. Notas sobre derecho y lenguaje. Buenos Aires: Abeledo-Perrot, 1972.

CARVALHO, Eurípedes Balsanufo; CECÍLIO, Luiz Carlos de Oliveira. A regulamentação do setor de saúde suplementar no Brasil: a reconstrução de uma história de disputas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n. 9, p. 2.167-2.177, set. 2007.

CLÈVE, Merlin. Atividade legislativa do Poder Executivo no Estado contemporâneo e na Constituição de 1988. 2. ed. São Paulo: Revista do Tribunais, 2000.

CORTEZ, Tiago Machado. O conceito de risco sistêmico e suas implicações para a defesa da concorrência no mercado bancário. In: CAMPILONGO, Celso Fernandes; ROCHA, Jena Paul C. Veiga da; MATTOS, Paulo Todescan Lessa (Coords.). Concorrência e regulação no sistema financeiro. São Paulo: Max Limonad, 2003.

DE CHIARA, José Tadeu. Moeda e ordem jurídica. 1986. Tese (Doutorado) - Faculdade de Direito, Universidade São Paulo, São Paulo.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 14. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

______. Participação da comunidade em órgãos da administração pública. Revista de Direito Sanitário, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 36-45, nov. 2000.

ENGISCH, Karl. Introdução ao pensamento jurídico. Tradução para o português de J. Baptista Machado. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1964.

ENTERRÍA, Eduardo Garcia de; FERNÁNDEZ, Tomás-Ramón. Curso de derecho administrativo. 8. ed. Madrid: Editorial Civitas, 1997. t. 1.

FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio. Agências reguladoras: legalidade e constitucionalidade. Revista Tributária e de Finanças Públicas, São Paulo, v. 8, n. 35, p. 143-158, nov./ dez. 2000.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de direito constitucional. 26. ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

______. Do processo legislativo. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 1995.

FREITAS, Célio Ernani Macedo de. A lei n. 6.368/76 e o cloreto de etila. Revista Jurídica da Universidade de Franca, Franca, v.7, n. 12, p. 32-33, 2004.

GIDDENS, Anthony. Para além da esquerda e da direita. São Paulo: UNESP, 1996.

GRAU, Eros Roberto. As agências, essas repartições públicas. In: SALOMÃO FILHO, Calixto (Coord.). Regulação e desenvolvimento. São Paulo: Malheiros, 2002. p. 25-28.

______. O direito posto e o direito pressuposto. 5. ed. Malheiros: São Paulo, 2003.

______. A ordem econômica na Constituição de 88. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990.

HABERMAS, Jürgen. Teoria de la acción comunicativa. Madrid: Taurus, 1999. v. 2.

JESUS, Damásio Evangelista de. Lei antitóxicos: norma penal em branco e a questão do lança perfume: cloreto de etila. Revista Forense, Rio de Janeiro, v. 97, n. 356, p. 427-428, jul./ ago. 2001.

JUSTEN FILHO, Marçal. O direito das agências reguladoras independentes. São Paulo: Dialética, 2002.

KELSEN, Hans. Teoria geral do direito e do Estado. Tradução para o português de Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

______. Teoria pura do direito. Tradução para o português de João Baptista Machado. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

KRAUT, Jorge Alfredo. Los derechos de los pacientes. Buenos Aires: Abeledo-Perrot, 1997.

LARENZ, Karl. Metodologia da ciência do direito. Tradução para o português de José Lamego. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

LEÃES, L. G. Paes de Barros. Mercado de capitais & “insider trading”. 1978. Tese (Livre-Docência) - Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo.

LOPES, José Reinaldo de Lima. Os conselhos de participação popular. Validade jurídica de suas decisões. Revista de Direito Sanitário, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 23-35, nov. 2000.

LUHMANN, Niklas. Essays on self-reference. New York: Columbia University Press, 1990.

______. Legitimação pelo Procedimento. Brasília: Editora da UnB, 1980.

______. Risk: a sociological theory. Tradução para o inglês de Rhodes Barret. Nova Iorque: Walter de Gruyter, 1993.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 6. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1978.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de direito administrativo. 4. ed. Malheiros: São Paulo, 2001.

MONTESQUIEU, Charles Louis Secondat, Baron de la Brede et de. O espírito das leis. São Paulo: Ed. Brasil S.A., 1960. v. 1 e 2.

MONTONE, Januário. Tendências e desafios dos sistemas de saúde nas Américas. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde, 2002.

MORAES, Eliana Aparecida Silva de. O poder regulamentar e as competências normativas conferidas à Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Revista de Direito Sanitário, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 39-46, mar. 2001.

MOREIRA, Vital. Economia e Constituição. 2. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 1979.

NOGUEIRA, J. C. Ataliba. O Estado é meio e não fim. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1945.

OFFE, Claus. Capitalismo desorganizado. São Paulo: Brasiliense, 1995.

OLIVEIRA, Josemar Ribeiro de. Contribuição para estruturação de modelo de informações para empresas operadoras de planos de saúde: um enfoque de gestão econômica. 2003. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Economia e Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo.

PARRA, Antonio Yepes. El derecho a la salud. La necesidad de repensar los derechos sociales. Revista Cubana de Salud Pública, v. 2, n. 25, 1999.

PARSONS, Talcott. O conceito de sistema social. In: CARDOSO, Fernando Henrique; IANNI, Octavio (Orgs. e trads.). Homem e sociedade. 8. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1973.

RAMOS, Saulo. Serviços de saúde prestados pela iniciativa privada e contrato de seguro-saúde. Caderno de Direito Constitucional e Ciência Política, São Paulo, v. 3, n. 12, p. 280-305, jul./set. 1995.

RIVERO, Jean. Curso de direito administrativo comparado. 2. ed. Tradução para o português de José Cretella Júnior. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.

ROCHA, Leonel Severo. Interpretação jurídica e racionalidade. Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Cruz Alta, Cruz Alta, v. 4, n. 4, p. 43-54, 1999.

SCHWARTZ, Germano André Doederlein. Direito à saúde: abordagem sistêmica, risco e democracia. Revista de Direito Sanitário, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 27-38, 2001.

SCLIAR, Moacir. Do mágico ao social: a trajetória da saúde pública. Porto Alegre: L&PM Editores, 1987.

SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, 2004.

TEUBNER, Gunther. Juridificação – noções, características, limites, soluções. Revista de Direito e Economia, Coimbra, v. 19, p. 17-100, 1988.

TOJAL, Sebastião Boto de Barros. O moderno direito sanitário como expressão legítima de um Direito Regulatório, cujo fundamento é a própria Constituição Dirigente. In: MORAES, Alexandre de (Org.). Agências reguladoras. São Paulo: Atlas, 1999.

VILLAS BÔAS FILHO, Orlando. O paradoxo da auto-referência na teoria dos sistemas de Niklas Luhmann e suas implicações no âmbito do direito. 2002. Tese (Mestrado) - Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Downloads

Publicado

2008-01-01

Como Citar

Calciolari, R. P. (2008). O poder regulamentar das agências em matéria sanitária. Revista Da Faculdade De Direito, Universidade De São Paulo, 103, 893-927. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/rfdusp/article/view/67833

Edição

Seção

Trabalhos Acadêmicos de Pós-Graduação