Quem habita a dignidade humana? A fundamentação kantiana

  • Marcelo de Azevedo Granato
Palavras-chave: Imperativo categórico. Fim em si mesmo.

Resumo

O artigo examina o conceito kantiano de dignidade humana com base na Fundamentação da metafísica dos costumes (1785), em particular, o papel da autonomia da vontade na fundamentação da dignidade. O ponto de partida desse exame é a liberdade transcendental de que trata a Crítica da razão pura (edição de 1787), seguindo-se a análise de alguns elementos da teoria moral kantiana, notadamente o imperativo categórico, em duas de suas formulações, e o conceito de dignidade humana. A relação entre dignidade, racionalidade e autonomia (enquanto autolegislação, conforme à moral kantiana) constitui o objetivo do artigo, que se concluirá com breves comentários sobre algumas dificuldades que tal relação suscita.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-12-06
Como Citar
Granato, M. de A. (2014). Quem habita a dignidade humana? A fundamentação kantiana. Revista Da Faculdade De Direito, Universidade De São Paulo, 109, 623-639. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/rfdusp/article/view/89248
Seção
Filosofia do Direito