O emprego do óxido crômico em cápsulas de gelatina para a determinação da digestabilidade aparente em frangos Leghorn

Autores

  • Flávio Prada Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Zootecnia, São Paulo, SP

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2318-5066.v7i4p871-886

Palavras-chave:

O artigo não apresenta palavras-chave.

Resumo

Utilizando dois métodos — convencional e óxido crômico — o autor estudou em aves a digestibilidade da matéria sêca de ração comercial. A administração do indicador foi feita através da ração e em cápsulas de gelatina. Os frangos, em número de 32, com três e meio meses de idade, foram pesados e sorteados em quatro lotes iguais, e consumiram a mesma ração durante todo o experimento. Os lotes I e III receberam em média — ave/dia — cêrca de 200 mg de óxido crômico em cápsulas de gelatina. Os lotes II e IV receberam o indicador na ração na concentração de 0,26% sôbre a matéria sêca. O consumo da ração e excreção de fezes foram cuidadosamente controlados. As fezes, sempre após homogeneização, foram colhidas em diferentes horas do dia. Os resultados obtidos demonstraram que houve diferença significante não só entre métodos, como também entre os meios — cápsulas e ração — de administração. Embora os métodos dos indicadores apresentassem variação mais elevada — cêrca de 15% — em relação ao convencional —8,5% — seus coeficientes de digestibilidade médios mostraram-se mais concordantes. Quanto à recuperação, esta foi mais elevada nos lotes II e IV — 84% — que receberam o indicador misturado a ração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1968-12-15

Como Citar

Prada, F. (1968). O emprego do óxido crômico em cápsulas de gelatina para a determinação da digestabilidade aparente em frangos Leghorn. Revista Da Faculdade De Medicina Veterinária, Universidade De São Paulo, 7(4), 871-886. https://doi.org/10.11606/issn.2318-5066.v7i4p871-886

Edição

Seção

NÃO DEFINIDA