Resistência do Cysticercus cellulosae (Gmelin, 1790) ao cloreto de sódio, em produtos embutidos elaborados com carnes de suínos infectados

  • Raphael Valentino Riccetti Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, São Paulo, SP
  • José Cezar Panetta Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, São Paulo, SP
Palavras-chave: Carne cisticercótica (tratamento), Cloreto de sódio, Cisticercose, Cysticercus cellulosae

Resumo

Visou-se contribuir para o estudo epidemiológico e profilático das cisticercoses animais, procurando-se verificar a resistência do Cysticercus cellulosa e ao cloreto de sódio, em produto cárneo frescal elaborado segundo os padrões industriais a partir de carne suína infectada, buscando-se identificar esse produto frescal como instrumento de disseminação da teníase humana e, por conseguinte, das cisticercoses suína e humana. Pretendeu se também coligir dados que permitam formar ideia sobre as possibilidades de tratamento das carnes contaminadas pelo C. cellulosae, como também fornecer os subsídios para o aperfeiçoamento e atualização das normas higiênico-sanitárias do Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária dos Produtos de Origem Animal.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
1981-09-15
Como Citar
Riccetti, R., & Panetta, J. C. (1981). Resistência do Cysticercus cellulosae (Gmelin, 1790) ao cloreto de sódio, em produtos embutidos elaborados com carnes de suínos infectados. Revista Da Faculdade De Medicina Veterinária E Zootecnia Da Universidade De São Paulo, 18(2), 153-160. https://doi.org/10.11606/issn.2318-3659.v18i2p153-160
Seção
MEDICINA VETERINÁRIA PREVENTIVA