Os Direitos Humanos e as Mulheres: a escola pode civilizar?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2237-1095.v9p198-216

Palavras-chave:

Direitos Humanos, Violência contra a mulher, Direitos das mulheres, Escola e direitos humanos, Escola e relações de gênero

Resumo

A luta por direitos concretos nunca se esgotará em uma sociedade marcada pela desigualdade. A exploração econômica e as diferentes formas de opressão que produzem e reproduzem todas as formas de desigualdade criam grupos privilegiados, que gozam de todos os direitos possíveis, e outros que mal conhecem os seus direitos, ou, ainda pior, mesmo os conhecendo, ainda, assim, não veem seus direitos serem respeitados. A violência é, indiscutivelmente, um instrumento potente para o estabelecimento da ordem, para a conquista e manutenção do poder. As mulheres têm seus direitos básicos afetados, por exemplo, o direito de ir vir sem riscos de ser molestada; o direito de vestir-se como quiser; o direito de poder dizer não aos desejos de qualquer homem, inclusive se for seu parceiro; o direito de não ter o valor de seu trabalho diminuído em comparação ao trabalho de um homem; o direito de ser protegida fisicamente de ex-companheiro, potencial assassino que a ameaça reiteradamente; o direito a usufruir do transporte público sem sofrer qualquer forma de assédio; enfim, essa lista poderia ser estendida por infinitos itens que fazem parte de todas as mulheres brasileiras, e o que é ainda mais grave, desde sua infância, quando boa parte das mulheres sofrem algum tipo de abuso ou, ao menos, de tentativa de abuso sexual, desde formas mais sutis até as mais perversas, grosseiras. Discute-se aqui a educação como elemento fundamental para se problematizar os direitos humanos, trazendo à tona elementos que dão destaque à invisibilidade que os direitos, quando pensado a partir das vidas das mulheres, apresentam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Carlos Vaz, Universidade Cruzeiro do Sul

Graduado em Educação Física pela Faculdades Integradas de Guarulhos, Guarulhos, SP, Brasil, Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, e doutor pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, SP, Brasil. Atualmente é professor das Faculdades das Américas, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Blay, Eva A. (2003). Violência contra a mulher e políticas públicas. Estudos avançados, 17 (49).

Facio, Aida. (1991). Sexismo en el derecho de los derechos humanos. Em CLADEM Mujer y derechos humanos en America latina. (pp. 17-18.) Lima: CLADEM,

Facio, Alda. (2017). ¿Igualdad y/o Equidad? Nota para la igualdad, 1. Una agenda de gênero para el América Latina y el Caribe. Acessado em 12 de Janeiro de 2019, de: http://www.americalatinagenera.org/es/documentos/centro_gobierno/FACT-SHEET-1-DQEH2707.pdf

Freire, Nilcéa. (2007). Conferência. In: TAQUETTE, Stella R. (Org.). Violência contra a mulher adolescente/jovem. (pp. 19-22). Rio de Janeiro: EdUerj.

Hooks, Bell. (2013). Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes.

Lacarde, Marcela. (2017). Identidad de Género y Derechos Humanos: La construcción de las humanas. Programa Oficial de Posgrao en Estudos de Xénero da Universidade de Vigo. Acessado em 11 de abril de 2019, de: http://webs.uvigo.es/xenero/profesorado/marcela_lagarde/construccion_humanas.pdf>.

Maier, Elizabeth. (1992). La mujer frente a los Derechos Humanos. Política y Cultura. Otoño, n. 1, Universidad Autónoma Metropolitana Xochimilco, Distrito Federal, México, p. 35-47. Acessado em 11 de abril de 2019, de: http://148.206.107.15/biblioteca_digital/estadistica.php?id_host=6&tipo=ARTICULO&id=3592&archivo=8-238-3592flq.pdf&titulo=La%20mujer%20frente%20a%20los%20derechos%20humanos

Organização das Nações Unidas (ONU). (2017). Declaração universal dos Direitos humanos. Acessado em 11 de abril de 2019, de: http://www.redeblh.fiocruz.br/media/decl_d_human.pdf

Ríos, Marcela L. de los. (2017). ¿A qué llamamos feminicidio? Programa Oficial de Posgrao en Estudos de Xénero da Universidade de Vigo. Acessado em 10 de outubro de 2017, de: http://webs.uvigo.es/xenero/profesorado/marcela_lagarde/feminicidio.pdf

Rohden, Fabíola. (2009). Gênero, sexualidade e raça/etnia: desafios transversais na formação do professor. Cadernos de Pesquisa, 39 (136), 157-174.

Saffioti, Heleieth I. B. (2009). Ontogênese e filogênese do gênero: ordem patriarcal de gênero e a violência masculina contra mulheres. Série Estudos e Ensaios / Ciências Sociais / FLACSO. Brasil, junho. Acessado em 21 de maio de 2019, de: http://flacso.org.br/?publication=ontogenese-e-filogenese-do-genero-ordem-patriarcal-de-genero-e-a-violencia-masculina-contra-mulheres

Saffioti, Heleieth I. B. & Almeida, Suely S. de. (1995). Violência de gênero: Poder e Impotência. Rio de Janeiro: Revinter. Acessado em 15 de abril de 2019, de: https://drive.google.com/file/d/1y88VN64tpVjALrry4c_PSo8ivnHYUjgq/view

Saffioti, Heleieth I. B. (2000). Exploração sexual de crianças. In: Amaria Amélia Azevedo, & Viviane Guerra. (Orgs.). Crianças vitimizadas: a síndrome do pequeno poder. (pp. 49-95.). São Paulo: Iglu.

Saffioti, Heleieth I. B. (2004). Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Perseu Abramo. Acessado em 12 de naio de 2019,de: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1741437/mod_resource/content/1/G%C3%AAnero%2C%20Patriarcado%2C%20Viol%C3%AAncia%20%20%28livro%20completo%29.pdf

Silva, Alessandro Soares da. (2006). Marchando pelo Arco-Íris da Política: a Parada do Orgulho LGBT na construção da consciência coletiva dos movimentos LGBT no Brasil, Espanha e Portugal. Tese de Doutorado. Pontifícia Universidade Católiica de São Paulo, São Paulo. Acessado em 25 de outubro de 2019, de: https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/17164

Silva, Alessandro Soares da. (2007). Direitos Humanos e Lugares Minoritários: um convite ao pensar sobre os processos de exclusão na escola. Em: Ministério da Educação. Programa Ética e Cidadania: construindo valores na escola e na sociedade. Acessado em 19 de maio de 2019, de: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Etica/11_soares.pdf

Silva, Alessandro S. (2009). Contribuições dos Movimentos Sociais para a Desprivatização da Ética na Perspectiva da Psicologia Política. Flávia Mori Sarti, & Gislene Aparecida dos Santos. (Org.). Ética, Pesquisa e Políticas Públicas. São Paulo: Rubio. Acessado em 19 de maio de 2019, de: https://www.researchgate.net/publication/344041671_Contribuicoes_dos_Movimentos_Sociais_para_a_Desprivatizacao_da_Etica_na_perspectiva_da_Psicologia_Politica

Silva, Alessandro Soares da. (2011). Políticas públicas, educação para os direitos humanos e diversidade sexual. Trivium - Estudos Interdisciplinares, 3(2), 58-72. Acessado em 14 de março de 2019, de: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-48912011000200007&lng=es&tlng=pt

Silva, Alessandro Soares da., & D’Addio, Thomaz Ferrari. (2012). Homofobia, Violência e Direitos Humanos. Em Marco Almeida, Alessandro Silva & Felipe Corrêa. Psicologia Política: Debates e embates de um campo interdisciplinar. São Paulo: EACH Edições. Acessado em 19 de maio de 2019, de: https://www.researchgate.net/publication/344088028_Homofobia_Violencia_e_Direitos_Humanos

Silva, Alessandro Soares da., & Ortolano, Fabio. (2015). Narrativas psicopolíticas da homofobia. Trivium - Estudos Interdisciplinares, 7(1), 01-18. Acessado em 19 de maio de 2019, de: https://dx.doi.org/10.18370/2176-4891.2015v1p1

Teles, Maria Amélia A. e Melo, Mônica. (2003). O que é violência contra a Mulher. São Paulo: Brasiliense.

Vaz, Antonio Carlos. (2005). Entra mãe e sai mulher? As possibilidades de redefinição do papel feminino com base em experiências públicas na escola. Psicologia Política, 3(5), 121-140. Acesado em 12 de fevereiro de 2019, de: https://abpsicologiapolitica.files.wordpress.com/2019/06/rev.-psi-politica-v3n5.pdf

Vaz, Antonio Carlos. (2012) Violência contra as mulheres: estudo com adolescentes no município de Guarulhos. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara. Acessado em 19 de maio de 2019, de: http://wwws.fclar.unesp.br/agenda-pos/ciencias_sociais/2790.pdf

Downloads

Publicado

2019-12-31

Como Citar

Vaz, A. C. (2019). Os Direitos Humanos e as Mulheres: a escola pode civilizar?. Revista Gestão & Políticas Públicas, 9(2), 198-216. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1095.v9p198-216

Edição

Seção

Artigos