Políticas Públicas sobre Drogas e População de Rua: humanização ou coisificação dos sujeitos?

Autores

  • Bruna Suruagy do Amaral Dantas Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Maria Teresa Miguel Turibio Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Rafael Sorrentino Atanes Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Raphael Sapiensa de Almeida Universidade Presbiteriana Mackenzie

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2237-1095.v2i2p267-287

Resumo

Nos últimos anos, o consumo de substâncias psicoativas e os casos de dependência química ganharam evidência nacional, repercutindo no campo político, social e sanitário. No cotidiano, o tema se propagou, tornando-se matéria jornalística e aparecendo de forma recorrente nos noticiários. As estatísticas oficiais estão defasadas, mascarando, portanto, a real situação das drogas no país. No entanto, verifica-se nas regiões centrais das grandes cidades um aglomerado de pessoas que vivem de forma desumana, em estado precário e vulnerável. Em decorrência dessa realidade inegável, políticas públicas e programas governamentais, baseados em diferentes correntes teóricas e metodológicas, foram desenvolvidos para atender a população devastada pelo uso abusivo de substâncias psicotrópicas. O presente trabalho analisa dois equipamentos de saúde implantados no Estado de São Paulo (Moradia Assistida e Consultório de Rua), que oferecem atendimento às pessoas em situação de rua com histórico de dependência química. Mediante a observação dos serviços e a realização de entrevistas com os coordenadores, procurou-se compreender as formas de funcionamento organizacional, as propostas de intervenção, o cotidiano dos equipamentos, o tratamento oferecido, os discursos institucionais e a visão da instituição acerca dos usuários e da funcionalidade social das drogas.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Suruagy do Amaral Dantas, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Psicóloga, Mestre e Doutora em Psicologia Social pela PUC-SP, Docente do curso de psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Maria Teresa Miguel Turibio, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Graduanda do curso de psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. 

Rafael Sorrentino Atanes, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Graduando do curso de psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Raphael Sapiensa de Almeida, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Graduando do curso de psicologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Downloads

Publicado

2012-12-14

Como Citar

Dantas, B. S. do A., Turibio, M. T. M., Atanes, R. S., & Almeida, R. S. de. (2012). Políticas Públicas sobre Drogas e População de Rua: humanização ou coisificação dos sujeitos?. Revista Gestão & Políticas Públicas, 2(2), 267-287. https://doi.org/10.11606/issn.2237-1095.v2i2p267-287

Edição

Seção

Artigos