O “Tantum ergo virado acalanto”: o vigor da brasilidade

Autores

  • Silvia De Ambrosis Pinheiro Machado Universidade de São Paulo, São Paulo, SP

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i68p50-67

Palavras-chave:

Mário de Andrade, acalanto, cultura oral, cultura tradicional da infância, colonização

Resumo

“Fonte Boa/ Foi aqui que ouvi um Tantum ergo virado acalanto que relatei no Compêndio”. Esse é o conteúdo de um lembrete autógrafo de Mário de Andrade, fixado ao texto datiloscrito do dia 14 de junho nos originais de O Turista Aprendiz. A análise da inserção desse lembrete no corpo da obra acima mencionada e a análise da narrativa dessa experiência de viagem do autor, presente na primeira e na segunda edições do Compêndio da história da música, permitiram identificar o lugar central, para Mário de Andrade, do acalanto no universo da cultura oral. Este artigo é resultado da pesquisa realizada para a tese Canção de ninar brasileira: aproximações, apresentada ao Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – FFLCH/USP, em 2012. O livro com o mesmo título da tese está no prelo da Edusp.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia De Ambrosis Pinheiro Machado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP

Psicóloga clínica, formada pela Faculdade de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), doutora em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP) e fundadora e coordenadora da equipe Primeiro Movimento – Psicologia da Gestação e da Infância Inicial.

Downloads

Publicado

2017-12-13

Como Citar

Machado, S. D. A. P. (2017). O “Tantum ergo virado acalanto”: o vigor da brasilidade. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (68), 50-67. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i68p50-67

Edição

Seção

Artigos