Natureza incomum: histórias do antropo-cego

Autores

  • Marisol de la Cadena Universidade da Califórnia (Davis, Califórnia)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i69p95-117

Palavras-chave:

Antropoceno, antropo-cego, comum, humanos, não humanos

Resumo

O aumento do consumo de minerais e energia levou a uma destruição sem precedentes do que conhecemos como natureza e dos recursos a ela associados, geralmente localizados em territórios habitados por grupos indígenas que reagem politicamente a essa destruição, somando forças com movimentos que protestam contra a devastação do meio ambiente. Conceituando uma política radicalmente diferente como “natureza incomum”, a autora apresenta o que chama de “antropo-cego”: um processo de criação de mundo por meio do qual mundos heterogêneos que não se fazem com uma divisão entre humanos e não humanos são obrigados a operar com essa dist inção, ao mesmo tempo que a excedem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marisol de la Cadena, Universidade da Califórnia (Davis, Califórnia)

Professora associada do Departamento de Antropologia da Universidade da Califórnia (UC Davis).

Downloads

Publicado

2018-04-27

Como Citar

Cadena, M. de la. (2018). Natureza incomum: histórias do antropo-cego. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (69), 95-117. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i69p95-117

Edição

Seção

Dossiê de Antropologia: Entreviver – desafios cosmopolíticos contemporâneos