Por uma antropologia do entre: reflexões sobre um novo e urgente descentramento do humano

  • Stelio Marras Universidade de São Paulo (USP, São Paulo, SP)
Palavras-chave: Entreviver, ameaças ecológicas, Antropoceno, cosmopolítica

Resumo

Neste artigo pretende-se refletir sobre problemas de antropologia contemporânea visando a ressituar o objeto da disciplina (o humano e suas relações) face às crescentes ameaças ecológicas do presente e do futuro desse presente. Tais problemas apontam para um novo descentramento do humano em relação ao cosmos, o que implica repor a pergunta sobre quem ou o que mesmo descrevemos em nossas etnografias. A realidade humana será a realidade do humano? O desafio é o de encarar o fundamento inerentemente antropocêntrico da antropologia (como, de resto, das ciências sociais e das humanidades) como condição para engendrarmos descrições mais realistas que respondam a esse descentramento e abram passagem a abordagens que permitam reconhecer novas coalizões políticas (se não melhor, cosmopolíticas) que apontem para continuidades entre humanos e seus mundos, conforme indica parte importante do pensamento contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stelio Marras, Universidade de São Paulo (USP, São Paulo, SP)
Professor de Antropologia do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (IEB/USP), pesquisador do Centro de Estudos Ameríndios (CEstA/USP) e foi pesquisador do Instituto de Estudos Avançados (IEA/USP) durante o segundo semestre sabático de 2017.
Publicado
2018-04-27
Como Citar
Marras, S. (2018). Por uma antropologia do entre: reflexões sobre um novo e urgente descentramento do humano. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (69), 250-266. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i69p250-266
Seção
Dossiê de Antropologia: Entreviver – desafios cosmopolíticos contemporâneos