El género y la mascarada en la fotografía de María Santibáñez

Autores

  • Deborah Dorotinsky Alperstein Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM, Cidade do México, MX, México)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i71p132-157

Palavras-chave:

fotografia, pictorialismo, maria santibáñez, moças modernas, méxico

Resumo

Este artigo propõe que nas fotografias de María Sant ibáñez, entre 1920-1930, foram reproduzidos imaginários e experiências do corpo feminino capaz de atuar, que haviam sido apagados nas reconstruções historiográficas enraizadas na concepção da cultura mexicana como dicotomia entre a tradição e a modernidade. Através de temas estilísticos (greco-latino, oriental e espanhol), essas representações femininas criaram um espaço imaginativo para const ruir modelos de mulheres de classe média com uma vida interior “intensa”. Como fotógrafa de estúdio, María Santibáñez invocou com essa iconografia uma tradição estetizante que elevou seu trabalho de fotografia comercial ao nível de criação artística e ao mesmo tempo afirmou uma experiência cultural sobre o que tinha bom gosto, era delicado, e tinha “classe”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deborah Dorotinsky Alperstein, Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM, Cidade do México, MX, México)

Pesquisadora do Instituto de Pesquisas Estéticas da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

Downloads

Publicado

2018-12-13

Como Citar

Alperstein, D. D. (2018). El género y la mascarada en la fotografía de María Santibáñez. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (71), 132-157. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i71p132-157

Edição

Seção

Dossiê: Mulheres, arquivos e memórias