Ambivalências da derrota

lições e limites da crítica do populismo em Roberto Schwarz

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i74p215-232

Palavras-chave:

Roberto Schwarz, crítica, populismo, derrota, golpe de 1964

Resumo

O presente artigo busca elaborar uma interpretação dos ensaios e passagens da obra de Roberto Schwarz em que o populismo e o golpe de 1964 são tratados. A partir da ênfase no tema da derrota política, argumenta-se que Schwarz desenvolve dois modos distintos, ainda que por vezes entrelaçados, de tratamento da questão: um afim à linguagem e aos pressupostos da crítica marxista do populismo, e outro que ultrapassaria tais pressupostos, tendo como eixo-chave a noção de democratização. Da análise de ambos os modos e de suas dissonâncias, ressalta-se uma compreensão ambivalente da derrota, em que a ambivalência é índice de uma maior aproximação com as contradições objetivas da vida política nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Luiz Lima, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil)

Pedro Luiz Lima é professor adjunto do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Downloads

Publicado

2019-12-11

Como Citar

Lima, P. L. (2019). Ambivalências da derrota: lições e limites da crítica do populismo em Roberto Schwarz. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (74), 215-232. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i74p215-232

Edição

Seção

Dossiê: Leituras, leitores e lugares de Roberto Schwarz