Pequeno monstro e leviano: infância e adolescência de Mário Peixoto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i77p184-203

Palavras-chave:

Mário Peixoto, infância, adolescência, diário

Resumo

Pouco conhecidas são a infância e a adolescência do diretor e escritor Mário Peixoto (1908-1992) nos anos 1910 e 1920. Por isso a apresentação comentada de partes do seu diário inédito Cadernos verdes referentes a esses momentos de sua vida tem o importante papel de apresentar sua formação para outros pesquisadores. São duas partes. Uma se refere à infância em sua casa no Rio de Janeiro. É uma experiência solitária dentro de uma família tradicional e decadente de pessoas silenciosas. A segunda parte, constituída sobretudo por cartas de sua prima Genoca, é um mundo aberto entre o Rio de Janeiro e Petrópolis de passeios, festas e fofocas sobre parentes e amigos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denilson Lopes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Denilson Lopes é professor associado da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ).

Referências

CARDOSO, Lucio. Crônica da casa assassinada. 9ª.ed., Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017.

CASTRO, Amir de. Entrevista a Saulo Pereira de Mello. Arquivo Mário Peixoto, 10 de fevereiro de 1988. Datilografado.

CASTRO, Emil de. Jogos de armar: a vida do solitário Mário Peixoto, o cineasta de Limite. Rio de Janeiro: Lacerda, 2000.

DOURADO, Autran. Ópera dos mortos. Rio de Janeiro: Rocco, 1967.

DOURADO, Autran. Lucas Procópio. Rio de Janeiro: Record, 1985.

DOURADO, Autran. Um cavalheiro de antigamente. São Paulo: Siciliano, 1992.

GIDE, André. Se o grão não morre. Trad. Hamílcar de Garcia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

LACERDA, Rodrigo. Vista do Rio. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

MIRANDA, Alcides da Rocha. Entrevista a Maria Celeste Lustosa. Rio de Janeiro. Arquivo Mário Peixoto. 5 de setembro de 1996. Datilografado.

MIRANDA, Alcides da Rocha. Entrevista a Maria Celeste Lustosa. Rio de Janeiro. Arquivo Mário Peixoto. 14 de setembro de 1997. Datilografado.

MONTEIRO, Antonio da Nova. Entrevista concedida a Saulo Pereira de Mello. Rio de Janeiro, Arquivo Mário Peixoto, 15 de abril de 1972. Datilografado.

PEIXOTO, Mário. Limite, 1931.

PEIXOTO, Mário. Cadernos verdes. Rio de Janeiro: Arquivo Mario Peixoto, 1933. Datilografado.

PEIXOTO, Mário. O inútil de cada um. Rio de Janeiro: Record, 1984..

PEIXOTO, Mário. Mundéu. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1996.

PEIXOTO, Mário. Entrevista a Vicente de Albergaria de Mangaratiba. Rio de Janeiro. Arquivo Mário Peixoto. Sem data.

PEIXOTO, Wilma Ferreira Alves. Entrevista a Maria Celeste Lustosa. Rio de Janeiro. Arquivo Mário Peixoto: 5 de outubro de 1998. Datilografado.

RESENDE, Maria Eugênia Barbosa de. Conversa telefônica com Maria Celeste Lustosa. Rio de Janeiro, Arquivo Mário Peixoto, 24 de novembro de 1997. Datilografado.

Downloads

Publicado

2020-12-03

Como Citar

Lopes, D. (2020). Pequeno monstro e leviano: infância e adolescência de Mário Peixoto. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, 1(77), 184-203. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i77p184-203

Edição

Seção

Artigos