Celso Furtado

por uma ciência econômica iconoclasta e inconformista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p66-85

Palavras-chave:

Celso Furtado, ciência econômica, subdesenvolvimento

Resumo

Este artigo reconstrói a trajetória de Celso Furtado até o início dos anos 1960 e analisa escritos nos quais ele define a visão de ciência econômica que norteia sua atuação em um país subdesenvolvido. Furtado sustenta que a economia não é neutra e universal, ressaltando a necessidade de produzir conhecimentos historicamente situados e de estabelecer coletivamente as finalidades das intervenções econômicas. Argumenta-se que a ciência econômica professada por Furtado é iconoclasta, ao romper com os paradigmas neoclássicos, e inconformista, ao visar à transformação da realidade social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisa Klüger, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento

Elisa Klüger é pós-doutoranda no Programa Internacional de Pós-Doutorado do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). Foi pesquisadora de pós-doutorado visitante na Princeton University, entre agosto de 2018 e agosto 2019, financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), processos 2017/13937-1 e 2018/09487-7.

Referências

ARENA, Richard. Les économistes français en 1950. Revue économique, v. 51, n. 5, 2000, p. 969-1007.

BIANCONI, Renata. L’œuvre de Celso Furtado à Paris: le parcours d’un intellectuel et homme d’État. Tese (Doutorado em História Moderna e Contemporânea). Université Paris-Sorbonne, 2014.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Method and passion in Celso Furtado. Cepal Review, n. 84, 2004, p. 19-34.

CAMPOS, Roberto de Oliveira. Roberto de Oliveira Campos (1917). Entrevista com Roberto Oliveira Campos. In: BIDERMAN, Ciro; COZAC, Luis Felipe L.; REGO, José Marcio (org.). Conversas com economistas brasileiros. São Paulo: Editora 34, 1996, p. 31-60.

CEPAL-BNDE. Grupo misto. Esboço de um programa de desenvolvimento para a economia brasileira (1955-1962). Rio de Janeiro: Cepal-BNDE, 1957.

COERS, Hermann Max. Docência e investigación científica. Quinta Comisión. Conferencia de Facultades de Ciencias Económicas. Anales de la Universidad de Chile, n. 97-98, v. 113, serie 4, 1955, p. 50-58.

CRUZ, Aníbal Pinto Santa. Introdução. In: CASTRO, Antonio Barros de; LESSA, Carlos. Introdução à economia: uma abordagem estruturalista. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1977.

D’AGUIAR, Rosa Freire (org.). Essencial Celso Furtado. Organização, apresentação e notas de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo, Companhia das Letras, 2013.

DOSMAN, Edgar J. Raúl Prebisch (1901-1986): a construção da América Latina e do terceiro mundo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2011.

FRANCO, Rolando. La Flacso clásica (1957-1973): vicisitudes de las ciencias sociales latinoamericanas. Santiago: Catalonia, 2007.

FURTADO, Celso. Notas sobre o projeto de criação de uma escola de economia para pós-graduados na América Latina. Econômica Brasileira, v. 8 n. 1,1962a, p. 51-56.

FURTADO, Celso. A formação do economista em país subdesenvolvido. In: FURTADO, Celso. A pré-revolução brasileira. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962b, p. 92-98.

FURTADO, Celso. Da objetividade do economista. In: FURTADO, Celso. A pré-revolução brasileira. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962c, p. 80-91.

FURTADO, Celso. Celso Monteiro Furtado (1920). [Entrevista com] Celso Furtado. In: BIDERMAN, Ciro; COZAC, Luis Felipe L.; REGO, José Marcio (org.). Conversas com economistas brasileiros. São Paulo: Editora 34, 1996, p. 61-88.

FURTADO, Celso. Aventuras de um economista brasileiro. In: FURTADO, Celso. Obra autobiográfica. Tomo II. Organização de Rosa Freire d’Aguiar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997, p. 9-26.

FURTADO, Celso. Celso Furtado fala a Roberto Pompeu de Toledo. Playboy, n. 285, 1999.

FURTADO, Celso. (1961). Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009.

FURTADO, Celso. Retorno à visão global de Perroux e Prebisch. Cadernos do Desenvolvimento, v. 7, n. 10, 2012, p. 296-304.

FURTADO, Celso. Obra autobiográfica: A fantasia organizada, A fantasia desfeita, Os ares do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

FURTADO, Celso. Diários intermitentes: 1937-2002. Organização, apresentação e notas de Rosa Freire D’Aguiar. Prefácio de João Antonio de Paula. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

GARCIA, Afrânio. Circulation internationale et formation d'une “école de pensée” latino-americaine (1945-2000). Information sur les sciences sociales, v. 44, n. 2-3, 2005, p. 521-555.

KLÜGER, Elisa. Meritocracia de laços: gênese e reconfigurações do espaço dos economistas no Brasil. Tese (Doutorado em Sociologia). Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2017.

KLÜGER, Elisa. Celso Furtado: um economista com lentes de literato. Estudos Avançados, v. 34, n. 100, 2020, p. 261-278.

LAFER, Celso. O planejamento no Brasil: observações sobre o Plano de Metas (1956-1961). In: LAFER, Betty Mindlin (org.). Planejamento no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1975.

LOPES, Lucas. Memórias do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Centro da Memória da Eletricidade no Brasil, 1991.

LOUREIRO, Maria Rita. Economistas e elites dirigentes no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n. 20, v. 7, 1992, p. 47-69.

LOVE, Joseph. Economic ideas and ideologies in Latin America since 1930. In: BETHELL, Leslie (org.). Ideas and ideologies in twentieth century Latin America. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

PREBISCH, Raúl. Entrevista inédita a Prebisch: logros y deficiencias de la Cepal, realizada por David Pollock, Daniel Kerner y Joseph L. Love. Revista de la Cepal, v. 75, 2001, p. 9-23.

PREBISCH, Raúl. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus problemas principais. In: GURRIERI, Adolfo (org.). O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto, 2011.

ROTSCHIELD, Kurt. Political economy or economics? European Journal of Political Economy, n. 5, 1989, p. 1-12.

SILVA, Roberto Pereira. O jovem Celso Furtado: história, política e economia (1941-1948). Dissertação (Mestrado em Economia). Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, 2010.

SOLA, Lourdes. Ideias econômicas, decisões políticas: desenvolvimento, estabilidade e populismo. São Paulo: Edusp/Fapesp, 1998.

Downloads

Publicado

2021-05-04

Como Citar

Klüger, E. (2021). Celso Furtado: por uma ciência econômica iconoclasta e inconformista. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, 1(78), 66-85. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p66-85

Edição

Seção

Dossiê: Celso Furtado, transdisciplinar e contemporâneo