Celso Furtado, intérprete do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p86-107

Palavras-chave:

Subdesenvolvimento, método histórico-estrutural, desenvolvimento nacional, pensamento econômico, intérpretes do Brasil

Resumo

O presente artigo procura discutir a originalidade da interpretação do Brasil contida em  Formação econômica do Brasil, obra clássica de Celso Furtado. Para tanto, são recuperadas as matrizes formadoras do seu pensamento no sentido de mostrar como são operacionalizadas por meio do seu método histórico-estrutural. O plano da obra, o método e o estilo permitem entrosar passado, presente e futuro de modo inovador, trazendo novas possibilidades de compreensão e transformação do Brasil. Finalmente, o artigo estabelece um diálogo com as interpretações predecessoras de Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Jr.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Barbosa, Universidade de São Paulo

Alexandre de Freitas Barbosa é professor de História Econômica e Economia Brasileira do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (IEB/USP).

Referências

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Prefácio. In: FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. Edição comemorativa – 50 anos. Organização de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

BARBOSA, Alexandre de Freitas. Formação econômica do Brasil, cinquenta anos depois. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 50, set.-mar. 2010, p. 145-162.

BARBOSA, Alexandre de Freitas. “Developmentalist Brazil” (1945-1964) as a concept: historicizing and (re)periodizing development in Brazil). Brazilian Journal of Political Economy, v. 40, n. 2, April-June/2020, p. 332-354.

BOTELHO, André. Um certo “ar de família”: formação, inserção, linhagens, sequências. In: SAES, Alexandre Macchione; BARBOSA, Alexandre de Freitas (org.). Celso Furtado e os 60 anos de Formação econômica do Brasil. São Paulo: Editora Sesc/Publicações BBM, 2020.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 1995.

BRAUDEL, Fernand. (1958). História e as ciências sociais: a longa duração. In: BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a história. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1992.

CANDIDO, Antonio. Sérgio Buarque de Holanda, o radical. In: NOGUEIRA, Arlinda Rocha et al. (org.) Sérgio Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura; IEB, 1988.

CARDOSO, Fernando Henrique. (1978). Celso Furtado: o descobrimento da economia. In: CARDOSO, Fernando Henrique. Pensadores que inventaram o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

CEPEDA, Vera Alves. O pensamento político de Celso Furtado: desenvolvimento e democracia. In: BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; REGO, José Marcio (org.). A grande esperança em Celso Furtado: ensaios em homenagem aos seus 80 anos. São Paulo: Editora 34, 2001.

D’AGUIAR, Rosa Freire. Apresentação. In: FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil: edição comemorativa – 50 anos. Organização de Rosa Freire d’Aguiar Furtado. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 11-21.

DAIX, Pierre. Fernand Braudel: uma biografia. Rio de Janeiro: Record, 1999.

FREYRE, Gilberto. (1933). Casa-grande & senzala. 16 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.

FREYRE, Gilberto. (1936). Sobrados e mucambos. 9. ed. Rio de Janeiro: Record, 1996.

FURTADO, Celso. A economia brasileira: contribuição à análise do seu desenvolvimento. Rio de Janeiro: A Noite, 1954.

FURTADO, Celso. A pré-revolução brasileira. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962.

FURTADO, Celso. (1961). Desenvolvimento e subdesenvolvimento. 5. ed. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1965.

FURTADO, Celso. Analyse économique et histoire quantitative. In: L’histoire quantitative du Brésil de 1800 à 1930. Colloques Internationaux du Centre National de la Recherche Scientifique. Paris: Centre National de la Recherche Scientifique, [11-15 Octobre 1971], n. 543, 1973, p. 23-26.

FURTADO, Celso. O mito do desenvolvimento econômico. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

FURTADO, Celso. A fantasia organizada. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FURTADO, Celso. (1967). Teoria e política do desenvolvimento econômico. 9. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1987.

FURTADO, Celso. (1959). Formação econômica do Brasil. 23. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1989.

FURTADO, Celso. Brasil: a construção interrompida. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FURTADO, Celso. O capitalismo global. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

FURTADO, Celso. Mensagem aos jovens economistas. In: FURTADO, Celso. O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 1999, p. 69-102.

FURTADO, Celso. (1980). Introdução ao desenvolvimento: enfoque histórico-estrutural. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

FURTADO, Celso. (1948). Economia colonial no Brasil nos séculos XVI e XVII. São Paulo: Hucitec; ABPHE, 2001.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil: edição comemorativa – 50 anos. Organização de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FURTADO, Celso. (1973). Aventuras de um economista brasileiro. In: D’AGUIAR, Rosa Freire (org.). Essencial Celso Furtado. Organização, apresentação e notas de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2013a.

FURTADO, Celso. (1987). Entre inconformismo e reformismo. In: D’AGUIAR, Rosa Freire (org.). Essencial Celso Furtado. Organização, apresentação e notas de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo, Companhia das Letras, 2013b.

FURTADO, Celso. Diários intermitentes: 1937-2002. Organização, apresentação e notas de Rosa Freire d’Aguiar. Prefácio de João Antonio de Paula. São Paulo: Companhia da Letras, 2019.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Edição comemorativa – 70 anos. Organização de Ricardo Benzaquen de Araújo e Lilian Moritz Schwarcz. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

IGLESIAS, Francisco. (1963). Prefácio à edição especial da Coleção Biblioteca Básica Brasileira – UnB. In: FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. Edição comemorativa – 50 anos. Organização de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MALLORQUIN, Carlos. Celso Furtado: um retrato intelectual. São Paulo: Xamá; Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

MAURO, Frédéric. (1972). Prefácio à edição francesa. In: FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. Edição comemorativa – 50 anos. Organização de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

O LONGO amanhecer: cinebiografia de Celso Furtado. Direção de José Mariani. Rio de Janeiro, 2004. (73 min.).

OLIVEIRA, Francisco. Viagem ao olho do furacão: Celso Furtado e o desafio do pensamento autoritário brasileiro. Novos Estudos Cebrap, n. 48, julho 1997, p. 3-19. Disponível em: http://novosestudos.com.br/produto/edicao-48. Acesso em: ago. 2020.

OLIVEIRA, Francisco de. A navegação venturosa: ensaios sobre Celso Furtado. São Paulo: Boitempo, 2003.

PRADO JR., Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1942.

PRADO JR., Caio. Diretrizes para uma política econômica brasileira. São Paulo: Gráfica Urupês, 1954.

PRADO JR., Caio. (1945). História econômica do Brasil. 32. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

ROMANO, Ruggiero. (1970). Prefácio à edição italiana. In: FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. Edição comemorativa – 50 anos. Organização de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SILVA, Roberto Pereira. O jovem Celso Furtado: história, política e economia (1941-1948). Bauru: Edusc, 2011.

SOLA, Lourdes. Ideias econômicas, decisões políticas. São Paulo: Edusp, 1998.

WEGNER, Robert. Um ensaio entre o passado e o futuro. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Edição comemorativa – 70 anos. Organização de Ricardo Benzaquen de Araújo e Lilian Moritz Schwarcz. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

Downloads

Publicado

2021-05-04

Como Citar

Barbosa, A. (2021). Celso Furtado, intérprete do Brasil. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, 1(78), 86-107. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p86-107

Edição

Seção

Dossiê: Celso Furtado, transdisciplinar e contemporâneo