A teoria do subdesenvolvimento e o projeto desenvolvimentista de Celso Furtado

reflexões sobre os limites do liberalismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p135-155

Palavras-chave:

Celso Furtado, antiliberalismo, desenvolvimento democrático

Resumo

Este trabalho examina um aspecto importante na obra de Celso Furtado: a crítica às disfunções da ideologia liberal em situação de subdesenvolvimento em economias primário-exportadoras. Partindo da recusa dos automatismos de mercado, Furtado indica uma função para a ação política do Estado, dotado de maior protagonismo e capacidade de intervenção. O antiliberalismo de suas teses não se inclina à tradição autoritária, ao contrário, produzindo uma inédita percepção de necessidades democráticas para o projeto desenvolvimentista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Cepêda, Universidade Federal de São Carlos

Vera Alves Cepêda é professora do Departamento de Ciências Sociais, do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política (PPGPol) e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Gustavo Louis Henrique Pinto, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás

Gustavo Louis Henrique Pinto é doutor em Ciência Política pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG).

Referências

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2004.

BOSI, A. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BRANDÃO, G. M. Linhagens do pensamento político brasileiro. São Paulo: Hucitec, 2007.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Método e paixão em Celso Furtado. In: BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; REGO, José Marcio (org.). A grande esperança em Celso Furtado: ensaios em homenagem aos seus 80 anos. São Paulo: Editora 34, 2001, p. 19-43

CARDOSO, F. H. As ideias e seu lugar: ensaios sobre as teorias do desenvolvimento. Petrópolis: Vozes; São Paulo: Cebrap, 1980.

CARVALHO, F. J. C. de. Keynes e o Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, v. 17, número especial, 2008, p. 569-574.

CEPÊDA, V. A. Raízes do pensamento político de Celso Furtado: desenvolvimento, nacionalidade e Estado democrático. 254f. Dissertação (Mestrado em Ciência Política). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 1998.

CEPÊDA, V. A. O pensamento político de Celso Furtado: desenvolvimento e democracia. In: BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; REGO, José Marcio (org.). A grande esperança em Celso Furtado. São Paulo: Editora 34, 2001. p. 167-197.

DRAIBE, S. Rumos e metamorfoses. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FONSECA, P. C. D. Keynes: o liberalismo econômico como mito. Economia e Sociedade, Campinas, v. 19, n. 3, 2010, p. 425-447. https://doi.org/10.1590/S0104-06182010000300001.

FONSECA, P. C. D. Vargas: o capitalismo em construção – 1906-1954. São Paulo: Brasiliense, 1987.

FRANCO, M. S. de C. As ideias estão no lugar. Cadernos de Debates, n. 1. São Paulo: Brasiliense, 1976, p. 61-64.

FURTADO, Celso. A feição funcional da democracia moderna. Cultura Política. Rio de Janeiro, ano IV, 36, 1944, p. 55-58.

FURTADO, Celso. Trajetória da democracia na América. Revista do Instituto Cultural Brasil-Estados Unidos. Rio de Janeiro, 4-5 (10-12), 1946, p. 5-27.

FURTADO, Celso. A economia brasileira: contribuição à análise do seu desenvolvimento. Rio de Janeiro: A Noite, 1954.

FURTADO, Celso. Perspectivas da economia brasileira. Rio de Janeiro: Iseb, 1958.

FURTADO, Celso. A pré-revolução brasileira. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962.

FURTADO, Celso. Dialética do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964.

FURTADO, Celso. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: Editora Nacional, 1967.

FURTADO, Celso. (1961). Desenvolvimento e subdesenvolvimento. 5. ed. Rio de Janeiro: Contraponto/Cicef, 2009a.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil: edição comemorativa – 50 anos. São Paulo: Organização de Rosa Freire d’Aguiar. Companhia das Letras, 2009b.

FURTADO, Celso. (1973). Aventuras de um economista brasileiro. In: D’AGUIAR, Rosa Freire (org.) Essencial Celso Furtado. Organização, apresentação e notas de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Penguin Classics; Companhia das Letras, 2013, p. 35-52.

FURTADO, Celso. A fantasia organizada. In: FURTADO, Celso. Obra autobiográfica. Edição definitiva. Coordenação de Rosa Freire D’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2014, p. 17-202.

FURTADO, Celso. Diários intermitentes: 1937-2002. Organização, apresentação e notas de Rosa Freire D’Aguiar. Prefácio de João Antonio de Paula. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

GALBRAITH, J. K. A sociedade da pobreza. Lisboa: Publicações Dom Quixote,1979.

HUNTINGTON, Samuel P. A ordem política nas sociedades em mudança. Tradução de Pinheiro de Lemos. Revisão técnica de Renato Raul Boschi. Rio de Janeiro: Forense Universitária: São Paulo: Edusp, 1975.

KEYNES, John M. (1926). O fim do laissez-faire. In: SZMRECSÁNYI, Tamás (org.) Keynes: economia. Coordenador: Florestan Fernandes. São Paulo: Ática, 1978, p. 106-126.

LAMOUNIER, Bolívar. Formação de um pensamento político autoritário na Primeira República. In: FAUSTO, B. (org.). História geral da civilização brasileira. t. III, v. 2. São Paulo: Difel, 1985, p. 343-374.

MANNHEIM, Karl. O problema das gerações. In: Sociologia do conhecimento. Volume II. Tradução de Maria da Graça Barbedo. Porto: RES Editora, s/d, p. 115-176.

MOORE JR., B. As origens sociais da ditadura e da democracia. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

OLIVEIRA, F. de. Viagem ao olho do furacão. In: OLIVEIRA, Francisco de. A navegação venturosa: ensaios sobre Celso Furtado. São Paulo: Boitempo, 2003, p. 59-82.

PRADO JR., Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1942.

PREBISCH, R. Problemas teóricos e práticos do crescimento econômico. In: GURRIERI, Adolfo (org.) O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto/Cicef, 2011, p. 95-151.

RANGEL, I. Introdução ao desenvolvimento econômico brasileiro. Salvador: Livraria Progresso, 1954.

RANGEL, I. A dualidade básica da economia brasileira. Rio de Janeiro: Iseb, 1957.

RICARDO, D. Princípios de economia política e tributação. São Paulo: Victor Civita, 1982.

ROSTOW, Walt W. The stages of economic growth: a non-communist manifesto. Cambridge: Cambridge University Press, 1960.

SANTOS, W. G. dos. A praxis liberal no Brasil: propostas para reflexão e pesquisa. In: SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Ordem burguesa e liberalismo político. São Paulo: Duas Cidades, 1978, p. 65-117.

SCHWARZ, R. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Duas Cidades, 1977.

SILVA, A. M. da. O fim do laissez-faire. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 31, n. 1, 1977, p. 65-75.

SIMONSEN, R. As crises no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1930.

SIMONSEN, R. Ordem econômica, padrão de vida e algumas realidades brasileiras. São Paulo: São Paulo Editora, 1934.

SIMONSEN, R.; GUDIN, E. A controvérsia do planejamento na economia brasileira. 3. ed. Brasília: Ipea, 2010.

VILLELA, A. Dos “anos dourados” de JK à crise não resolvida (1956-1963). In: GIAMBIAGI, Fabio et al. Economia brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011, p. 25-48.

Downloads

Publicado

2021-05-04

Como Citar

Cepêda, V., & Pinto, G. L. H. (2021). A teoria do subdesenvolvimento e o projeto desenvolvimentista de Celso Furtado : reflexões sobre os limites do liberalismo. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, 1(78), 135-155. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p135-155

Edição

Seção

Dossiê: Celso Furtado, transdisciplinar e contemporâneo