Celso Furtado, intérprete da dependência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p182-205

Palavras-chave:

Celso Furtado, teoria da dependência, subdesenvolvimento

Resumo

O artigo examina os usos e os sentidos da ideia de dependência no pensamento de Celso Furtado. Para isso, realizamos breve reconstituição do contexto em que as obras e as ideias do autor foram produzidas e acompanhamos as diferentes dimensões da interação entre subdesenvolvimento e dependência na trajetória de Furtado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rômulo Manzatto, Universidade de São Paulo

Rômulo Manzatto é economista (FEA/USP) e mestre em Ciência Política pelo Departamento de Ciência Política da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (DCP/FFLCH/USP).

Alexandre Saes, Universidade de São Paulo

Alexandre Macchione Saes é professor do Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP) e bolsista Produtividade CNPq-2.

Referências

ALMEIDA, J. E. D. Subdesenvolvimento e dependência: uma análise comparada de Celso Furtado e Fernando Henrique Cardoso. Tese (Doutorado em Economia). 205 p. Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

BIANCONI, R. Estagnação latino-americana e estratégia brasileira de desenvolvimento: análises do início do exílio de Celso Furtado. História Econômica & História de Empresas, v.19, n. 1, 2016, p. 155-188.

BIDERMAN, C.; COZAC, L. F. L.; REGO, J. M. Conversas com economistas brasileiros. São Paulo: Ed. 34, 1996.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000a.

BIELSCHOWSKY, R. Cinquenta anos de pensamento da Cepal. V. 1. Rio de Janeiro: Record, 2000b.

BOSI, A. Prefácio. In: FURTADO, C. Criatividade e dependência na civilização industrial. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, p. 9-31

BRESSER-PEREIRA, L. C. O empresário industrial e a revolução Brasileira. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 2, n. 8, jul., 1963, p. 11-27.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Origens étnicas e sociais do empresário paulista. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 3, n. 11, 1964, p. 83-103.

BRESSER-PEREIRA, L. C. As três interpretações da dependência. Perspectiva, São Paulo, v. 38, jul.-dez. 2010, p. 17-48.

BRITO, L. O. B. de. Marxismo como crítica da ideologia: um estudo sobre os pensamentos de Fernando Henrique Cardoso e Roberto Schwarz. Tese (Doutorado em Ciência Política). Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2019.

BUGELLI, A. H.; PIRES, J. M. Uma revisão da teoria da estagnação de Celso Furtado e a crise econômica dos anos 1960. Cadernos do Desenvolvimento, v. 6, n. 9, 2011, p. 19-41.

CARDOSO, F. H. Empresário industrial e desenvolvimento econômico. São Paulo: Difel, 1964.

CARDOSO, F. H.; FALETTO, E. Dependência e desenvolvimento na América Latina. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1970.

CARDOSO, F. H.; FALETTO, E. Repensando dependência e desenvolvimento na América Latina. In: SORJ, B.; CARDOSO, F. H. ; FONT, M. (org.). Economia e movimentos sociais na América. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisa Social, 2008, p. 4-20.

COUTINHO, M. Furtado e seus críticos: da estagnação à retomada do crescimento econômico. Economia e Sociedade, v. 28, n. 3, 2019, p. 741-759.

CUNHA, A. M.; BRITTO, G. When development meets culture: the contribution of Celso Furtado in the 1970s. Textos para Discussão Cedeplar-UFMG 429, Universidade Federal de Minas Gerais, 2011.

D’AGUIAR, R. F. Apresentação. In: D’AGUIAR, Rosa Freire (org.). Essencial Celso Furtado. Organização, apresentação e notas de Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Penguim Classics Companhia das Letras, 2013, p. 7-18.

FONSECA, P. C. D. Desenvolvimentismo: a construção do conceito. Texto para discussão – Ipea, 2103, Brasília, julho, 2015.

FURTADO, C. Formação de capital e desenvolvimento econômico. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, set. 1952, p. 7-45.

FURTADO, C. A economia brasileira: contribuição à análise do seu desenvolvimento. Rio de Janeiro: Ed. A Noite, 1954.

FURTADO, C. Uma economia dependente. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1956.

FURTADO, C. Perspectivas da economia brasileira. Rio de Janeiro: Iseb, 1958.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janero: Fundo de Cultura, 1961.

FURTADO, C. A pré-revolução brasileira. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962.

FURTADO, C. Dialética do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964.

FURTADO, C. Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

FURTADO, C. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: Editora Nacional, 1967.

FURTADO, C. Um projeto para o Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Saga, 1968.

FURTADO, C. Dependencia externa y teoría económica. El Trimestre Ecomómico, v. 38, n. 150 (2), abril-junio 1971, p. 335-349.

FURTADO, C. Análise do “modelo” brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972.

FURTADO, C. A hegemonia dos Estados Unidos e o subdesenvolvimento da América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973.

FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

FURTADO, C. A nova dependência, dívida externa e monetarismo. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1982.

FURTADO, C. A Revolução de 1930 em perspectiva: Estado, estrutura e poder e processo político. (Debatedor). In: A REVOLUÇÃO de 30: seminário internacional realizado pelo Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Vargas. Rio de Janeiro, setembro de 1980. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1982. (Coleção Temas Brasileiros 54).

FURTADO, C. Cultura e desenvolvimento em época de crise. 1. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

FURTADO, C. O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil. 1. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

FURTADO, C. (1959). Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

FURTADO, C. (1978). Criatividade e dependência na civilização industrial. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

FURTADO, C. (1959). A Operação Nordeste. In: FURTADO, C. O Nordeste e a saga da Sudene: 1958-1964. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado de Política para o Desenvolvimento, 2009, p. 29-71. (Arquivos Celso Furtado 3).

FURTADO, C. (1995). Cultura e desenvolvimento. In: FURTADO, C. Ensaios sobre cultura e o Ministério da Cultura. 1. ed. Organização de Rosa Freire d’Aguiar. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado de Política para o Desenvolvimento, 2012. (Arquivos Celso Furtado 5).

FURTADO, C. Obra autobiográfica. Edição definitiva. Coordenação de Rosa Freire D’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

HYMER, S. The international operations of national firms: a study of direct foreign investments. Cambridge. MA: MIT Press, 1976

KAY, C. As contribuições latino-americanas para a teoria crítica do desenvolvimento. Cad. CRH, Salvador, 31, dezembro 2018, p. 451-461.

LOVE, J. Economic ideas and ideologies in Latin America since 1930. In: BETHEL, L. Ideas and ideologies in 20th century Latin America. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

LOVE, J. A construção do Terceiro Mundo: teorias do subdesenvolvimento na Romênia e no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

MALLORQUIN, C. Celso Furtado: um retrato intelectual. Tradução de Célia Regina Barbosa Ramos. São Paulo: Xamã/Contraponto, 2005.

MELLO, J. M. O capitalismo tardio: contribuição à revisão crítica da formação e desenvolvimento da economia brasileira. Campinas. Tese (Doutorado). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 1975.

MANTEGA, G. Economia Política Brasileira. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 1984.

OLIVEIRA, F. A navegação venturosa: ensaios sobre Celso Furtado. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

PALMA, G. Dependency: a formal theory of underdevelopment or a methodology for the analysis of concrete situations of underdevelopment?. World Development, Elsevier, 6, 1978, p. 881-924

PRADO JR., C. A revolução brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1966.

SAMPAIO JR., P. A. Entre a nação e barbárie: os dilemas do capitalismo dependente. Petrópolis: Vozes, 1999.

SILVA, I. P. A teoria da dependência de Celso Furtado. 118 p. Dissertação (Mestrado em Economia). Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2020.

SZMRECSÁNYI, T. Celso Furtado. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, n. 43, 2001, p. 347-362.

TAVARES, M. da C.; SERRA, J. (1971). Além da estagnação: uma discussão sobre o estilo de desenvolvimento recente. In: BIELSCHOWSKY, R. Cinquenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

Downloads

Publicado

2021-05-04

Como Citar

Manzatto, R. ., & Saes, A. . (2021). Celso Furtado, intérprete da dependência. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, 1(78), 182-205. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p182-205

Edição

Seção

Dossiê: Celso Furtado, transdisciplinar e contemporâneo