Celso Furtado e a antropologia

notas para o diálogo entre economia política e estudos culturais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p223-239

Palavras-chave:

Economia política, estudos culturais, Furtado, Stuart Hall

Resumo

Celso Furtado é, no interior da escola histórico-estrutural latino-americana, o autor mais envolvido com a problemática cultural. Assim sendo, torna-se uma referência importante para o diálogo entre a economia política da comunicação e da cultura brasileira e os estudos culturais ingleses. Este artigo apresenta algumas possibilidades nesse sentido, tomando por base o pensamento de Furtado. A título de exemplo, faz algumas comparações com a perspectiva de Stuart Hall.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

César Bolaño, Universidade Federal de Sergipe

César Bolaño  é professor titular do Departamento de Economia da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e coordenador do Grupo de Trabalho em Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura do Colégio Latino-Americano de Ciências Sociais (Clacso) e do grupo Obscom/Cepos, do CNPq.

Referências

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

ANDERSON, K. Marx nas margens: nacionalismo, etnia e sociedades não ocidentais. São Paulo: Boitempo, 2019.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Prefácio – Prebisch e Furtado. In: PREBISCH, Raúl. O manifesto latino-americano e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2011, p. 7-14.

BOIANOVSKY, Mauro. Between Lévy-Strauss and Braudel: Furtado and the historical-structural method in Latin American political economy. Journal of Economic Methodology, v. 22, n. 4, 2015, p. 413-438. http://dx.doi.org/10.1080/1350178X.2015.1024879.

BOLAÑO, César. Indústria cultural, informação e capitalismo. São Paulo: Hucitec, 2000.

BOLAÑO, César. Da derivação à regulação: para uma abordagem da indústria cultural. Revista de Economía Política de las Tecnologías de la Información y Comunicación, v. 5, n. 3, 2003, p. 60-93.

BOLAÑO, César. Celso Furtado: na origem e no futuro da EPC brasileira. In: MELO, José Marques de; MELO, Patrícia Bandeira de (org.). Economia política da comunicação: vanguardismo nordestino. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 2013, p. 125-140.

BOLAÑO, César. O conceito de cultura em Celso Furtado. Salvador: EDUFBA, 2015a.

BOLAÑO, César. Campo aberto: para a crítica da epistemologia da comunicação. Aracaju: Edise, 2015b.

BOSI, Alfredo. Ideologia e contraideologia: temas e variações. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CARDOSO, Fernando Henrique; FALLETTO, Enzo. (1969). Dependência e desenvolvimento na América Latina: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

CARDOSO, Fernando Henrique (1969). Prefácio à nova edição. In: CARDOSO, Fernando Henrique; FALLETTO, Enzo. Dependência e desenvolvimento na América Latina: ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004, p. 7-12.

ENGELS, F. (1884). El orígen de la família, la propiedad privada y el Estado. Barcelona: Editorial Sol 90, 2010.

FERGUSON, M.; GOLDING, P. (ed.). Economía política y estudios culturales. Barcelona: Bosh, 1998.

FURTADO, Celso. Dialética do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964.

FURTADO, Celso. Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

FURTADO, Celso. O mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Círculo do Livro, 1974.

FURTADO, Celso. Prefácio a nova economia política. São Paulo: Paz e Terra, 1977.

FURTADO, Celso. (1959). Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1980.

FURTADO, Celso. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Os Economistas).

FURTADO, Celso. Cultura e desenvolvimento em época de crise. São Paulo: Paz e Terra, 1984.

FURTADO, Celso. A fantasia desfeita. In: FURTADO, Celso. Obra autobiográfica. Tomo II. Organização de Rosa Freire d”Aguiar. São Paulo: Paz e Terra, 1997a, p. 27-306.

FURTADO, Celso. Os ares do mundo. In: FURTADO, Celso. Obra autobiográfica. Tomo III. Organização de Rosa Freire d”Aguiar. São Paulo: Paz e Terra, 1997b, p. 41-390.

FURTADO, Celso. Ensaios sobre cultura e o Ministério da Cultura. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado de Política para o Desenvolvimento, 2012. (Arquivos Celso Furtado 5).

GILROY, P. (1993). O Atlântico negro. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora 34, 2012.

HALL, Stuart. Marx”s notes on method: a “reading” of the “1857 Introduction”. In: Working Papers in Cultural Studies 6. Birmingham: University of Birmingham, 1977, p. 132-171.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Organização Liv Sovik. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da Unesco no Brasil, 2003.

HOBSBAWM, E. (1964). Introdução. In: MARX, K. Formações econômicas pré-capitalistas. São Paulo: Paz e Terra, 1986.

HOBSBAWM, E.; RANGER, T. (ed.). (1997). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.

KRADER, L. Evolução, revolução e Estado: Marx e o pensamento etnológico. In: HOBSBAWN, E. (org.). História do marxismo. Volume 1: O marxismo no tempo de Marx. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

MALLORQUÍN, Carlos. Celso Furtado: um retrato intelectual. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

MARTÍN-BARBERO, Jesus. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

MARTÍN-BARBERO, Jesus. Ofício de cartógrafo: travesías lainoamericanas de la comunicación em la cultura. Santiago: Fondo de Cultura Económica, 2002.

MARX, K. (1857). Elementos fundamentales para la crítica de la economía política. México: Siglo XXI, 1980.

MARX, K. Formações econômicas pré-capitalistas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

MATTELART, A.; NEVEU, E. Introducción a los estúdios culturales. Barcelona: Paidós, 2004.

NOVAIS, F. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808). São Paulo: Hucitec, 1979.

PREBISCH, Raúl. O manifesto latino-americano e outros ensaios. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, 2011.

RIBEIRO, Darcy. O processo civilizatório: etapas da evolução sociocultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973.

RODRÍGUEZ, Octavio. Furtado y la renovación de la agenda del desarrollo. Cadernos do Desenvolvimento, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 2006, p. 177-211.

RODRÍGUEZ, Octavio. O estruturalismo latino-americano. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SUNKEL, Oswaldo. El subdesarrollo latino-americano y la teoría del desarrollo. México: Siglo XXI, 1970.

THOMPSON, E. A miséria da teoria. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

TURATTI, M. Antropologia, economia e marxismo: uma visão crítica. São Paulo: Alameda, 2011.

Downloads

Publicado

2021-05-04

Como Citar

Bolaño, C. (2021). Celso Furtado e a antropologia: notas para o diálogo entre economia política e estudos culturais. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, 1(78), 223-239. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p223-239

Edição

Seção

Dossiê: Celso Furtado, transdisciplinar e contemporâneo