Celso Furtado, os Diários intermitentes e o Brasil

as memórias de um intelectual público

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p303-314

Palavras-chave:

Celso Furtado, memórias, intelectual público

Resumo

A presente resenha aborda os diários pessoais de Celso Furtado. Esses diários cobrem a sua vida dos 17 até seus 82 anos, sendo importantes para reafirmar não apenas a coerência ética do autor, mas para aclarar o sentido nuclear de seu pensamento enquanto intelectual e homem público. Nesse sentido, trata-se de uma obra com potencial para abrir caminhos para releituras e novas interpretações do pensamento furtadiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Mourão, Universidade Federal de Minas Gerais

Rafael Pacheco Mourão é doutorando em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais e integrante do Centro de Estudos Republicanos Brasileiros (Cerbrás).

Referências

FURTADO, Celso. De Nápoles a Paris: contos da vida expedicionária. Rio de Janeiro: Zelio Valverde, 1946.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1959.

FURTADO, Celso. Contos da vida expedicionária / A fantasia organizada. 1 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Record, 1997.

FURTADO, Celso. Ensaios sobre a Venezuela: subdesenvolvimento com abundância de divisas. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado de Política para o Desenvolvimento, 2008. (Arquivos Celso Furtado 1).

FURTADO, Celso. Economia do desenvolvimento: curso ministrado na PUC em 1975. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado de Política para o Desenvolvimento, 2009. (Arquivos Celso Furtado 2).

FURTADO, Celso. O Nordeste e a saga da Sudene (1958-1964). Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado de Política para o Desenvolvimento, 2009. (Arquivos Celso Furtado 3).

FURTADO, Celso. O Plano Trienal e o Ministério do Planejamento. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado de Política para o Desenvolvimento, 2011. (Arquivos Celso Furtado 4).

FURTADO, Celso. Ensaios sobre cultura e o Ministério da Cultura. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado de Política para o Desenvolvimento, 2012. (Arquivos Celso Furtado 5).

FURTADO, Celso. Anos de formação – 1938-1948: o jornalismo, o serviço público, a guerra, o doutorado. Rio de Janeiro: Contraponto/Centro Internacional Celso Furtado de Política para o Desenvolvimento, 2014. (Arquivos Celso Furtado 6).

FURTADO, Celso. Obra autobiográfica. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

LIMA, Nádia; SANTIAGO, Ana. O diário íntimo como produto da cultura moderna. Arq. bras. psicol., Rio de Janeiro, v. 62, n. 1, p. 22-34, abr. 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672010000100004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 2 nov. 2020.

PAULA, João Antonio de. Cultura e desenvolvimento: 100 anos de Celso Furtado, um intelectual cosmopolita. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 29, n. E, 2019, p. 1075-1089.

Downloads

Publicado

2021-05-04

Como Citar

Mourão, R. (2021). Celso Furtado, os Diários intermitentes e o Brasil: as memórias de um intelectual público. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, 1(78), 303-314. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i78p303-314

Edição

Seção

Resenhas