A estrangeiridade em Os sertões e o dilema da alteridade na imprensa brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i79p36-52

Palavras-chave:

Estrangeiro, alteridade, imprensa

Resumo

O artigo tem por objetivo refletir sobre o estatuto da estrangeiridade do sertanejo na obra máxima de Euclides da Cunha. Utilizando conceitos de teóricos das migrações, discute-se a contribuição que a obra dá ao tema a partir das próprias contradições existentes nela sobre a alteridade, a pureza e a nacionalidade construídas a partir do pensamento positivista que dominava os intelectuais desse período e refletia nas formas midiáticas da imprensa. Ao fim, é feita uma reflexão dos rumos da “grande imprensa” nos dias de hoje e as novas formas de representação popular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Otávio Ávila, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Otávio Ávila é doutorando em Comunicação e Cultura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e integrante do grupo de pesquisa Diaspotics: Migrações Transnacionais e Comunicação Intercultural (https://diaspotics.org/).

Referências

BAUMAN, Z. O mal-estar na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BHABHA, H. K. O local da cultura. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013

BHABHA, H. K. The other question: difference, discrimination and the discourse of colonialism. In: BARKER, F. et al. (ed.). Literature, politics and theory. Papers from the Essex Conference 1976–1984. London and New York: Routledge, 2003, p. 148-172. (The New Accent Series).

BRANDÃO, C. Território e desenvolvimento: as múltiplas escalas entre o local e o global. 2. ed. Campinas: Editora Unicamp, 2012.

CHIARELLI, S. Que Brasil existe? Estrangeiros na literatura brasileira. Intelligere, v. 2, n. 2, 2016. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revistaintelligere/article/view/117632. Acesso em: 18 jun. 2020.

CUNHA, E. Os sertões: Campanha de Canudos (Versão Digital). São Paulo: Moderna, 2012.

DELEUZE, G. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 1974.

DYER, R. Gays and film. Londres: British Film Institute, 1977.

FAVRET-SAADA, J. Ser afetado. Cadernos de Campo, v. 13, n. 13, 2005, pp. 155-161. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/50263. Acesso em: 18 jun. 2020.

HALL, S. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio/Apicuri, 2016.

KARAKAYALI, N. The uses of the stranger: circulation, arbitration, secrecy, and dirt. Sociological Theory, v. 24, n. 4, 2006, pp. 313-330. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1111/j.1467-9558.2006.00293.x. Acesso em: 18 jun. 2020.

LIMA, E. P. Páginas ampliadas: o livro-reportagem como extensão do jornalismo e da literatura. 4ª edição. Barueri: Manole, 2008.

MARTINS, R. R. Livro-reportagem: entre o jornalismo e a literatura. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 33., Caxias do Sul, RS, Brasil. Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – Intercom. Anais... 2010. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2010/resumos/R5-2765-1.pdf. Acesso em: 18 jun. 2020.

OLIVEIRA, R. Euclides da Cunha, Os sertões e a invenção de um Brasil profundo. Revista Brasileira de História, v. 22, n. 44, 2002, p. 511-537. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-01882002000200012&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 18 jun. 2020.

PRADO JÚNIOR, C. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

RIBEIRO, A. P. G. Nelson Werneck Sodré e a história da imprensa no Brasil. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. 38, n. 2, jul.-dez 2015, p. 275-288. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/interc/v38n2/1809-5844-interc-38-02-0275.pdf. Acesso em: 18 jun. 2020.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SAID, E. W. Orientalismo: Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1978.

SAYAD, A. A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: Edusp, 1998.

SCHRÖDER, U. Comunicação intercultural: uma desconstrução e reconstrução de um termo inflacionário. Cadernos de Linguagem e Sociedade, v. 9, n. 1, 2008, p. 38-49. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/les/article/view/9259. Acesso em: 18 jun. 2020.

SCHÜTZ, A. O estrangeiro: um ensaio em psicologia social. Revista Espaço Acadêmico, v. 10, n. 113, 2010, p. 117-129. Tradução: Márcio Duarte e Michael Hanke. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/11345. Acesso em: 18 jun. 2020.

SEVCENKO, N. Literatura como missão. São Paulo: Brasiliense, 1989.

SIMMEL, G. The stranger. New York: Free Press, 1950.

SODRÉ, M. A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Petrópolis: Vozes, 2009.

SODRÉ, M. A ciência do comum: notas para o método comunicacional. Petrópolis: Vozes, 2014.

SODRÉ, N. W. História da imprensa no Brasil. 4. ed. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.

SOUSA, L. Euclides da Cunha e o bicentenário da imprensa. Revista da Anpoll, v. 1, n. 25, 2008, p. 355-370. Disponível em: https://anpoll.emnuvens.com.br/revista/article/view/75. Acesso em: 18 jun. 2020.

SOUZA, J. A elite do atraso. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2019.

STARLING, H. M. A palavra “sertão” e uma história pouco edificante sobre o Brasil. Pernambuco – Jornal Literário da Companhia Editora de Pernambuco [online]. 11 março 2019. Disponível em: http://www.suplementopernambuco.com.br/artigos/2243-a-palavra-sert%C3%A3o-e-uma-hist%C3%B3ria-pouco-edificante-sobre-o-brasil.html. Acesso em: 2 jun. 2019.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

Ávila, O. (2021). A estrangeiridade em Os sertões e o dilema da alteridade na imprensa brasileira. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, 1(79), 36-52. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i79p36-52

Edição

Seção

Artigos