Celso Furtado, o Golpe de 1964 e a Ditadura Militar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i81p63-83

Palavras-chave:

Pensamento social brasileiro, Ditadura Civil-militar, Celso Furtado

Resumo

O artigo discute a interpretação de Celso Furtado sobre o Golpe Civil-militar de 1964 e os reflexos dos governos militares para a sociedade brasileira. Por meio de recursos filológicos, o trabalho analisa um conjunto de textos produzidos entre 1962 e 2004, a partir de três perspectivas: (a) a ruptura política como um desdobramento do subdesenvolvimento; (b) as implicações do processo de globalização e a influência da hegemonia externa na política do Brasil e seus desdobramentos; e (c) os desajustes estruturais entre o Centro-Sul e o Nordeste. Por fim, o artigo insere Furtado como um autor importante para o debate historiográfico relacionado à Ditadura Civil-militar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian da Rosa, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Pós-doutoranda no Programa de História Econômica no Departamento de História na Univesidade de São Paulo (USP).

Referências

ARAÚJO, Tânia Bacelar de. Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiro: heranças e urgências. Rio de Janeiro: Reva, 2000.

AUERBACH, Eric. Philology and Weltliteratur. The Centennial Review, v. 13, n. 1, p. 1-17, 1969.

BIANCONI, Renata. Estagnação latino-americana e estratégia brasileira de desenvolvimento: análises do início do exílio de Celso Furtado. História Econômica & História de Empresas, v. 19, n. 1, 2016, p. 155-188.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Ipea/Inpes, 1988.

BOIANOVSKY, Mauro. A formação política do Brasil segundo Furtado. Revista de Economia Política, v. 34, n. 2, 2014, p. 198-211.

BRASIL, Emenda Constitucional Nº 10 de 1964. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/emecon/1960-1969/emendaconstitucional-10-9-novembro-1964-364969-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 8 jan. 2020.

CARDOSO, Fernando Henrique; FALETTO, Enzo. Dependência e desenvolvimento na América Latina: Ensaio de Interpretação Sociológica. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1970.

CARVALHO, Inaia Maria Moreira de. O Nordeste e o regime autoritário: discurso e prática do planejamento regional: São Paulo: Hucitec, 1987.

CEPÊDA, Vera Alves. Contextos e funções da democracia no pensamento furtadiano (1944-1964). Perspectivas, São Paulo, v. 46, 2015, p. 155-188.

CEPÊDA, Vera. O pensamento político de Celso Furtado: desenvolvimento e democracia. In: BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; REGO, José Marcio (orgs.). A grande esperança em Celso Furtado. São Paulo: Editora 34, 2001.

COUTINHO, Maurício. Subdesenvolvimento e Estagnação na América Latina, de Celso Furtado. Revista de Economia Contemporânea, v.19, n. 3, 2015, p. 448-474.

DREIFUSS. René Armand. 1964: a conquista do Estado: Ação Política, Poder e Golpe de Classe. Rio de Janeiro: Vozes, 1981.

FEDER, Franklin Lee. Resenha de Análise do ‘modelo’ brasileiro. Revista de Administração de Empresas, v. 12, n. 4, 1972, p. 93-94.

FERREIRA, Jorge. O governo Goulart e o golpe civil-militar de 1964. In: Ferreira, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.) O Brasil republicano: o tempo da experiência democrática – da democratização de 1945 ao golpe civil-militar de 1964. Livro 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FURTADO, Celso. (1959). A Operação Nordeste. Rio de Janeiro: Instituto Superior de Estudos Brasileiros, 2009. • n. 8 82 1 • abr. 2022 (p. 63-83)

FURTADO, Celso. (1966). Subdesenvolvimento e estagnação na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FURTADO, Celso. (1979). Para o Nordeste: 15 anos perdidos. IN: O Nordeste e a saga da Sudene. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009.

FURTADO, Celso. (1989). A Fantasia Desfeita. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FURTADO, Celso. (1989). Obra autobiográfica. Edição definitiva. Coordenação de Rosa Freire D’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

FURTADO, Celso. A Fantasia Organizada. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1985.

FURTADO, Celso. A hegemonia dos Estados Unidos e o subdesenvolvimento da América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973.

FURTADO, Celso. A Pré-Revolução Brasileira. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962.

FURTADO, Celso. Análise do ‘modelo’ brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972.

FURTADO, Celso. Correspondência intelectual. São Paulo: Companhia das Letras. 2021.

FURTADO, Celso. Cultura e Desenvolvimento em Época de Crise. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

FURTADO, Celso. Dialética do Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1964.

FURTADO, Celso. Diários intermitentes, 1937-2002. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

FURTADO, Celso. O Brasil Pós-milagre. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FURTADO, Celso. O golpe 1964 e o Nordeste. Cadernos do Desenvolvimento. Rio de Janeiro, v. 7, n. 11, 2004.

FURTADO, Celso. O Mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Círculo do Livro, 1974.

FURTADO, Celso. Obstáculos políticos ao crescimento econômico. In: Revista Civilização Brasileira, v. 1, n. 1, 1965.

FURTADO, Celso. Os Ares do Mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

FURTADO, Celso. Seca e Poder entrevista com Celso Furtado. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998.

FURTADO, Celso. Um projeto para o Brasil. Rio de Janeiro: Saga, 1968.

FURTADO, Celso. (1967). Brasil: da República Oligárquica ao Estado Militar. In: Brasil: Tempos Modernos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

GOMES, Ângela de Castro, FERREIRA, Jorge 1964: o golpe que derrubou um presidente, pôs fim ao regime democrático e instituiu a ditadura no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

GOMES, Ângela de Castro. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

GRANDI, Guilherme. Celso Furtado, 100 anos: O Brasil pós-milagre. (1981). Boletim Informações FIPE, p. 69-76, 2020.

JURGENFELD, Vanessa. Teoria do subdesenvolvimento de Celso Furtado: criatividade e contraposição a interpretações neoclássicas. Tese (Doutorado) - IE/Unicamp, Campinas, 2018.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990.

LOUREIRO, Felipe. A Aliança Para o Progresso e o Governo João Goulart (1961-1964): Ajuda Econômica Norte-americana a Estados Brasileiros e a Desestabilização da Democracia no Brasil Pós-guerra. São Paulo: Editora Unesp, 2020.

MCGANN, Jerome. “Philology in a New Key”. Critical Inquiry, v. 39, n. 2, 2013, p. 327-346.

MUSSI, Daniela; CRUZ, André Kaysel Velasco e. Os populismos de Francisco Weffort. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 35, n. 104, 2020, p. 1-21.

PAULA, João Antonio de. Cultura e Desenvolvimento: 100 anos de Celso Furtado, um intelectual cosmopolita. Nova Economia. v. 29, n. esp, 2019, p. 1075-1089.

PINTO, Gustavo L. Henrique. Celso Furtado e o golpe de 1964: entre a fantasia desfeita e a crítica política do • n. 81 • abr. 2022 (p. 63-83) 83 exílio. In: IV Congresso Internacional de História Cultura, sociedade e poder, 2014. Disponível em: http://www.congressohistoriajatai.org/anais2014/Link%20(104).pdf. Acesso em: 6 jan. 2021.

PREBISCH, Raul. (1949). O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns dos seus problemas principais. In: BIELSCHOWSKY, R. (Org.). Cinquenta anos de pensamento na Cepal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

RICARDO, David. (1817). Princípios de economia política e tributação. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

RICOEUR, Paul. A Memória, a História, o Esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

RODRIGUES, Carlos Henrique Lopes. A questão do protecionismo no debate entre Roberto Simonsen e Eugênio Gudin. Dissertação (Mestrado em Economia) - Instituto de Economia/Unicamp, Campinas, 2005.

SAES, Alexandre Macchione. Celso Furtado, 100 anos: Análise do ‘modelo’ brasileiro. (1972). Boletim Informações FIPE, São Paulo, 2020, p. 70-77.

SANTOS, Wanderley Guilherme dos. Sessenta e quatro: anatomia da crise. São Paulo: Vértice, 1986.

SECONDARI, John Hermes. Brazil: The Troubled Land. 1964. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=o4reXhCCF54. Acesso em: 25 nov. 2021.

SKIDMORE, Thomas. Brasil: de Castelo a Tancredo, 1964-1985. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

TAVARES, Marica da Conceição; SERRA, José. Más allá del estancamento: una discusión sobre el estilo de desarrollo reciente. El Trimestre Económico, México, v. 38, n. 152, 1971, p. 905-950.

TOLEDO, Caio Navarro de. As falácias do revisionismo. Crítica Marxista, n.º 19, 2004, p. 27-48.

WASQUES, Renato Nataniel. O pensamento de Celso Furtado sobre Estado e planejamento. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 1, v. 78, 2021, p. 156-181.

WEFFORT, Francisco. [1967]. 1968. O populismo na política brasileira. In: FURTADO, Celso (org.). Brasil: Tempos Modernos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. Originalmente publicado em Les Temps Modernes, # 257.

WEFFORT, Francisco. Política e massas. In: COHN, Gabriel; IANNI, Octavio; SINGER, Paul (orgs.). Política e revolução social no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,1965.

Downloads

Publicado

2022-04-29

Como Citar

Rosa, L. da. (2022). Celso Furtado, o Golpe de 1964 e a Ditadura Militar. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, 1(81), 63-83. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i81p63-83

Edição

Seção

Artigos