Bolsonarismo sem Bolsonaro? Públicos antiestruturais na nova fronteira cibernética

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i82p162-188

Palavras-chave:

Bolsonarismo, mídias digitais, antiestrutura

Resumo

Este ensaio propõe pensar o bolsonarismo enquanto fenômeno sociotécnico, definido menos por um conteúdo ou base social fixado que por uma dinâmica circular de mobilização performativa de demandas latentes , orientada por métricas em tempo real . Sob essa perspectiva, agência e processo decisório não pertencem a atores específicos, mas são propriedades emergentes do sistema sociotécnico global por e le s formado. Sugiro que os múltiplos segmentos que entram em ressonância para formar o bolsonarismo compartilham uma dinâmica cibernética comum, que se caracteriza por introduzir, na esfera pública, bifurcações de viés antiestrutural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia Cesarino, Universidade Federal de Santa Catarina

Antropóloga, professora e pesquisadora na Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

ABIDIN, Crystal. “From ‘Networked Publics’ to ‘Refracted Publics’: A Companion Framework for Researching ‘Below the Radar’ Studies”. Social Media + Society, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1177/2056305120984458.

ABREU, Maria José. “Before Anything, above All: No Decision”. SSRC The Immanent Frame (blog), 2019. Disponível em: https://tif.ssrc.org/2019/04/09/before-anything-above-all-no-decision/. Acesso em: 4 ago. 2022.

ALMEIDA, Mauro. “A fórmula canônica do mito”. In: CAIXETA, Ruben; NOBRE, Renarde. (Org.). Lévi-Strauss. Leituras Brasileiras. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

ANDRADE, Daniel; CASARÕES, Guilherme. “Market must be defended: o regime de verdade do neoliberalismo autoritário na crise pandêmica”. Anais do 44º Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS), 1 a 11 de novembro de 2020.

BARROS, José Vitor. “Incluir e excluir? Contradições modernas e o nacional populismo do século XXI: Conflitos entre estrutura social e semântica na sociedade mundial”. Anais do 45º Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS), 19 a 27 de outubro de 2021.

BATESON, Gregory. Steps to an Ecology of Mind: Collected Essays in Anthropology, Psychiatry, Evolution, and Epistemology. Chicago: University of Chicago Press, 1972.

BATESON, Gregory. Naven: Um Esboço dos Problemas Sugerido por um Retrato Compósito, Realizado a Partir de Três Perspectivas. São Paulo: EDUSP, 2008.

BICKERTON, Christopher; ACCETTI, Carlo. Technopopulism: The New Logic of Democratic Politics. Oxford: Oxford University Press, 2021.

BOYD, Danah. “Social Network Sites as Networked Publics: Affordances, Dynamics, and Implications”. In: Networked Self: Identity, Community, and Culture on Social Network Sites, organizado por Zizi Papacharissi. New York: Routledge, 2010. p. 39-58.

BROWN, Wendy. Undoing the Demos: Neoliberalism’s Stealth Revolution. New York: Zone Books, 2015.

BROWN, Wendy. Nas Ruínas do Neoliberalismo: a Ascensão da Política Antidemocrática no Ocidente. São Paulo: Editora Politeia, 2019.

BUCHER, Taina. If...Then: Algorithmic Power and Politics. New York: Oxford University Press, 2018.

CESARINO, Letícia. “Identidade e representação no bolsonarismo. Corpo digital do rei, bivalência conservadorismo-neoliberalismo e pessoa fractal”. Revista de Antropologia, 62, n. 3, 2019. p. 530-557. Disponível em: https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.165232

CESARINO, Letícia. Como vencer uma eleição sem sair de casa: a ascensão do populismo digital no Brasil. Internet & Sociedade, v. 1, n. 1, 2020a, p. 91-120.

CESARINO, Leticia. How social media affords populist politics: remarks on liminality based on the Brazilian case. Trabalhos Em Linguística Aplicada, v. 59, n. 1, 2020b, p. 404-427. Disponível em: https://doi.org/10.1590/01031813686191620200410.

CESARINO, Letícia. “Antropologia digital não é etnografia”. Civitas - Revista de Ciências Sociais, v. 21, n. 2, 2021a, p. 304-315. Disponível em: https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.2.39872.

CESARINO, Letícia. Pós-verdade e a crise do sistema de peritos: uma explicação cibernética. Ilha Revista de Antropologia, v. 23, n. 1, 2021b, p. 73-96. Disponível em: https://doi.org/10.5007/2175-8034.2021.e75630

CESARINO, Letícia. Tratamento precoce: negacionismo ou alt-science? Labemus - Laboratório de Estudos de Teoria e Mudança Social (blog), 2021c. Disponível em: https://blogdolabemus.com/2021/07/27/tratamento-precoce-negacionismo-ou-alt-science-por-leticia-cesarino/. Acesso em: 4 ago. 2022.

CESARINO, Letícia. As ideias voltaram ao lugar? Temporalidades não-lineares no neoliberalismo autoritário brasileiro e sua infraestrutura digital. Caderno CRH, v. 34, 2021d, e021022.

CESARINO, Letícia. Tropical Trump: Illiberal Politics and the Digital Life of Corruption in Brazil. In: GOLDSTEIN, Donna; DRYBREAD, Kirsten. (Org.). Corruption in the Trump Era. Routledge: New York, no prelo.

CESARINO, Letícia; NARDELLI, Pedro. The Hidden Hierarchy of Far-Right Digital Guerrilla Warfare. Digital War, Online First, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1057/s42984-021-00032-3.

CESARINO, Letícia; SILVA, Victor Hugo. Pandemic states of exception and the alt-science of ‘early treatment’ for COVID-19 in Brazil. Latin American Perspectives, no prelo.

CONNOLLY, William. A máquina de ressonância evangélica-capitalista. Labemus – Laboratório de Estudos de Teoria e Mudança Social (blog), 2021. Disponível em: https://blogdolabemus.com/2021/04/05/a-maquina-de-ressonancia-evangelica-capitalista-por-william-e-connolly/. Acesso em: 4 ago. 2022.

CHUN, Wendy. Crisis, Crisis, Crisis, or Sovereignty and Networks. Theory, Culture & Society, 28, n. 6, 2011, p. 91-112. Disponível em: https://doi.org/10.1177/0263276411418490.

CHUN, Wendy. Updating to Remain the Same: Habitual New Media. Cambridge, MA: MIT Press, 2016.

CHUN, Wendy. Discriminating Data: Correlation, Neighborhoods, and the New Politics of Recognition. Cambridge: The MIT Press, 2021.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

DUMONT, Louis. Homo Hierarchicus: O Sistema de Castas e Suas Implicações. São Paulo: EDUSP, 1997.

DUMONT, Louis. Homo Aequalis: Gênese e Plenitude Da Ideologia Econômica. Bauru: EDUSC, 2000.

FERGUSON, Niall. A Praça e a Torre: Redes, Hierarquias E A Luta Pelo Poder Global. Crítica, 2019.

FIELITZ, Maik; MARCKS, Holger. “Digital Fascism: Challenges for the Open Society in Times of Social Media”. Working Paper. UC Berkeley Center for Right-Wing Studies, 2019. Disponível em: https://escholarship.org/uc/item/87w5c5gp. Acesso em: 4 ago. 2022.

GEERTZ, Clifford. Agricultural Involution: The Processes of Ecological Change in Indonesia. Berkeley: University of California Press, 1969.

GERBAUDO, Paolo. The Digital Party: Political Organisation and Online Democracy. London: Pluto Press, 2018.

GLEICK, James. Caos. A criação de uma nova ciência. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

GLUCKMAN, Max. Rituais de rebelião no sudeste da África. Série Antropologia, v. 3, p. 1-34, 2011.

GOLUMBIA, David. Zealots of the Blockchain. The true believers of the Bitcoin cult. n. 38. 2018. Disponível em: https://thebaffler.com/salvos/zealots-of-the-blockchain-golumbia. Acesso em: 4 ago. 2022.

GOW, Peter. “Lévi-Strauss’s ‘Double Twist’ and Controlled Comparison: Transformational Relations between Neighbouring Societies”. Anthropology of This Century. n. 10, 2014. Disponível em: http://aotcpress.com/articles/lvistrausss-double-twist-controlled-comparison-transformational-relations-neighbouring/. Acesso em: 21 jul. 2022.

GRAY, Jonathan; BOUNEGRU, Liliana; VENTURINI, Tommaso. ‘Fake news’ as Infrastructural Uncanny. New Media & Society, v. 22, n. 2, 2020, p. 317-341. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1461444819856912.

GUYER, Jane. Prophecy and the near future: Thoughts on macroeconomic, evangelical, and punctuated time. American Ethnologist, v. 34, n. 3, 2007, p. 409-421. Disponível em: https://doi.org/10.1525/ae.2007.34.3.409.

HACKING, Ian. “The looping effects of human kinds”. In: SPERBER, Dan; PREMACK, David; PREMACK, Ann James. (Eds.). Causal cognition: A multidisciplinary debate. New York: Clarendon Press/Oxford University Press, 1995. p. 351-94.

HAIDER, Asad. Armadilha da identidade. Raça e classe nos dias de hoje. São Paulo: Veneta, 2019.

HOCHSCHILD, Arlie. Strangers in Their Own Land: Anger and Mourning on the American Right. New York: New Press, 2016.

JUNGE, Benjamin. “Our Brazil Has Become a Mess”: Nostalgic Narratives of Disorder and Disinterest as a “Once-Rising Poor” Family from Recife, Brazil, Anticipates the 2018 Elections. The Journal of Latin American and Caribbean Anthropology, v. 24, n. 4, 2019, p. 914-931. Disponível em: https://doi.org/10.1111/jlca.12443.

KALIL, Isabela O (Org.). Quem são e no que acreditam os eleitores de Jair Bolsonaro. Relatório de Pesquisa.

São Paulo: NEU (Núcleo de Etnografia Urbana e Audiovisual) da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, 2018.

KEHL, Maria Rita. O ressentimento chegou ao poder? Revista Serrote, 2020. Disponível em: https://www.revistaserrote.com.br/2020/01/o-ressentimento-chegou-ao-poder-por-maria-rita-kehl/. Acesso em: 4 ago. 2022.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 2020.

LACLAU, Ernesto. A Razão Populista. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

LEIRNER, Piero. O Brasil no Espectro de uma Guerra Híbrida: Militares, Operações Psicológicas e Política em uma Perspectiva Etnográfica. São Paulo: Alameda Editorial, 2020.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O Totemismo Hoje. Lisboa: Edições 70, 2018.

LUHRMANN, Tania. “The Paradox of Donald Trump’s Appeal”. SAPIENS (blog), 2016. Disponível em: https://www.sapiens.org/culture/mary-douglas-donald-trump/. Acesso em: 4 ago. 2022.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Ubu Editora, 2018.

MAZZARELLA, William. The Anthropology of Populism: Beyond the Liberal Settlement. Annual Review of Anthropology, v. 48, 2019, p. 45-60. Disponível em: https://doi.org/10.1146/annurev-anthro-102218-011412.

MCINTOSH, Janet; MENDOZA-DENTON, Norma. Language in the Trump Era: Scandals and Emergencies. Cambridge: Cambridge University Press, 2020.

MELLO, Patrícia Campos. A máquina do ódio: Notas de uma repórter sobre fake news e violência digital. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

MOUFFE, Chantal. Sobre o político. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

NOBRE, Marcos. “The Global Uprising of Populist Conservatism and the Case of Brazil”. In: KLAUS-GERD, Giesen. (Org.). Ideology in World Politics. New York: Springer, 2020.

NUNES, Rodrigo. Do transe à vertigem: Ensaios sobre bolsonarismo e um mundo em transição. São Paulo: Ubu Editora, 2022.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana; SCALCO, Lucia Mury. From Hope to Hate: The Rise of Conservative Subjectivity in Brazil. HAU: Journal of Ethnographic Theory, v. 10, n. 1, 2020, p. 21-31. Disponível em: https://doi.org/10.1086/708627.

RILES, Annelise. The Network Inside Out. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2001.

ROCHA, João Cezar. Guerra Cultural e Retórica do ódio: Crônicas de um Brasil Pós-político. Goiânia: Editora e Livraria Caminhos, 2021.

ROCHA, Camila; SOLANO, Esther; MEDEIROS, Jonas. The Bolsonaro Paradox: The Public Sphere and Right-Wing Counterpublicity in Contemporary Brazil. New York: Springer, 2021.

RUSHKOFF, Douglas. Present Shock: When Everything Happens Now. New York: Current, 2014.

SEAVER, Nick. Captivating algorithms: Recommender systems as traps. Journal of Material Culture, v. 24, n. 4, 2019, p. 421-436. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1359183518820366.

SILVA, Daniel. The Pragmatics of Chaos: Parsing Bolsonaro’s Undemocratic Language. Trabalhos Em Linguística Aplicada, v. 59, n. 1, 2020, p. 507-537. Disponível em: https://doi.org/10.1590/01031813685291420200409.

SOLANO, Esther Gallego. (Org.). O ódio como política: A reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

STRATHERN, Marilyn. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

SZWAKO, José; RATTON, José Luiz. Dicionário dos negacionismos no Brasil. Recife: Cepe editora, 2022.

TURNER, Victor. Processo ritual: Estrutura e Antiestrutura. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2013.

VARIS, Piia. Trump Tweets the Truth: Metric Populism and Media Conspiracy. Trabalhos Em Linguística Aplicada, v. 59, n. 1, 2020, p. 428-443. Disponível em: https://doi.org/10.1590/01031813683411620200406.

WARD, Charlotte; VOAS, David. The Emergence of Conspirituality. Journal of Contemporary Religion, v. 26, n. 1, 2011, p. 103-121. Disponível em: https://doi.org/10.1080/13537903.2011.539846.

WARNER, Michael. Publics and Counterpublics. Public Culture, v. 14, n. 1, 2002, p. 49-90.

WINNER, Langdon. Artefatos têm política? Analytica, v. 21, n. 2, 2017, p. 195-218. Disponível em: https://doi.org/10.35920/arf.2017.v21i2.195-218.

ZOONEN, Liesbet van. I-Pistemology: Changing truth claims in popular and political culture. European Journal of Communication, v. 27, n. 1, 2012, p. 56-67. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0267323112438808. Acesso em: 4 ago. 2022.

ZUBOFF, Shoshana. A Era do Capitalismo de Vigilância. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2021.

Downloads

Publicado

2022-08-23

Como Citar

Cesarino, L. (2022). Bolsonarismo sem Bolsonaro? Públicos antiestruturais na nova fronteira cibernética. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, 1(82), 162-188. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i82p162-188

Edição

Seção

Dossiê Paralelos 22