Sexualidade improdutiva e resistência na canção Geni e o zepelim, de Chico Buarque

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i82p190-215

Palavras-chave:

Resistência, Geni e o zepelim, Chico Buarque

Resumo

O texto analisa a letra da canção Geni e o zepelim, de Chico Buarque, a fim de refletir sobre sua potência político-crítica, que atribuímos à forma como seu autor-criador, enquanto posição axiológica recortada pelo autor-pessoa, reordena discursos e experiências históricas conforme certas intencionalidades estéticas. Sobre a representação da personagem Geni, destacamos uma posição de resistência frente à opressão capitalista-colonial por meio da experiência de práticas sexuais não apenas moralmente transgressoras, mas sobretudo economicamente improdutivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nara Lya Cabral Scabin, Universidade Anhembi Morumbi

Professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi (PPGCOM-UAM), doutora e mestra em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), com pós-doutorado em Comunicação e Práticas de Consumo pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP).

Referências

AGUIAR, Miriam Bevilacqua. Tempo e artista: Chico Buarque, avaliador de nossa cotidianidade. Tese (Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

BAKHTIN, Mikhail. O problema do texto na linguística, na filologia e em outras ciências humanas. In: Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. Teoria do romance I: a estilística. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2015.

BAKHTIN, Mikhail. Teoria do romance II: as formas do tempo e do cronotopo. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2018.

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Dialogismo, polifonia e enunciação. In: BARROS, Diana Luz Pessoa de; FIORIN, José Luiz. (Orgs.). Dialogismo, polifonia, intertextualidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003, p. 1-9.

BRECHT, Bertold. Teatro Completo. Trad. Wolfgang Bader e Marcos Roma Santa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

BUARQUE, Chico. Ópera do Malandro. São Paulo: Círculo do Livro, 1985.

CABRAL, Nara Lya Simões Caetano. O malandro em cena: representações da malandragem e identidade nacional em peças de Gianfrancesco Guarnieri e Chico Buarque. Anagrama, v. 5, n. 3, 2012, p. 1-18. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.1982-1689.anagrama.2012.35644.

CÂNDIDO, Antônio. Dialética da Malandragem. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros (São Paulo), n. 8, 1970, p. 67-89. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i8p67-89.

CASTRO, Susana de. Condescendência: estratégia pater-colonial de poder. Revista Fundamentos, Teresina, v. 1, n. 1, 2018, p. 51-59. Disponível em: https://revistas.ufpi.br/index.php/fundamentos/article/view/7863. Acesso em: 15 abr. 2022.

FARACO, Carlos Alberto. Autor e autoria. In: BRAIT, Beth. (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2005.

FÁVERO, Leonor Lopes. Paródia e dialogismo. In: BARROS, Diana Luz Pessoa; FIORIN, José Luiz (Orgs.). Dialogismo, polifonia, intertextualidade. São Paulo: Edusp, 2003, p. 49-61.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

FREUD, Sigmund. O mal estar na civilização. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: Edição Standard Brasileira. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

GARCIA, Walter. Radicalismos à brasileira. Celeuma, v. 1, n. 1, 2013, p. 20-31. https://doi.org/10.11606/issn.2318-7875.v1i1p20-31.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural da Amefricanidade. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019, p. 341-352.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: RIOS, Flavia; LIMA, Mariana (Orgs.). Por um feminismo afro-latino-americano. São Paulo: Zahar, 2020.

GRILLO, Sheila Vieira Camargo. Discurso alheio: polifonia e apreensão. In: SILVA, Luiz Antônio da. (Org.). A língua que falamos. Português: história, variação e discurso. 1. ed. São Paulo: Globo, 2005, p. 73-104.

HOLLANDA, Chico Buarque de. Ópera do malandro. Rio de Janeiro: Philips, 1979. LP duplo.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

KAFKA, Franz. Um Médico Rural. São Paulo: Cia das Letras, 2003.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo decolonial. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 357-377.

MAGALDI, Sábato. Chico Buarque frustra uma esperança. São Paulo: Jornal da Tarde, 1979.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos Discursos. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MATOS, Marlise. Teorias de gênero ou teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Revista Estudos Feministas, v. 16, n. 2, 2008, p. 333-357. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2008000200003.

MATTAR, Rita. O duplo invisível. Quatro Cinco Um. Literatura, [S.l.], 01 dez. 2017. Disponível em: https://www.quatrocincoum.com.br/br/resenhas/l/o-duplo-invisivel. Acesso em: 12 jan. 2021.

MAUPASSANT, Guy de. Bola de sebo. In: 125 contos de Guy de Maupassant. Trad. Amílcar Bettega. São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 34-69.

MENESES, Adélia Bezerra de. Desenho mágico: poesia e política em Chico Buarque. São Paulo: Editora Hucitec, 1982.

MENESES, Adélia Bezerra de. Figuras do feminino na canção de Chico Buarque. São Paulo: Ateliê Editorial/Boitempo, 2000.

MENESES, Adélia Bezerra de. “As caravanas”: racismo e novo racismo. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros (São Paulo), v. 1, n. 80, p. 18-32, dez. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X. v1i80p18-32.

MULVEY, Laura. Prazer visual e cinema narrativo. In: XAVIER, Ismail. (Org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

OLIVEIRA, Leandro Silva de; SEGRETO, Marcelo; CABRAL, Nara Lya Simões Caetano. Vozes periféricas: expansão, imersão e diálogo na obra dos Racionais MC’s. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros (São Paulo), n. 56, 2013, p. 101-126. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i56p101-126.

ORTIZ, Renato. Universalismo e diversidade: contradições da modernidade-mundo. São Paulo: Boitempo, 2015.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto Contra-sexual. Trad. Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2014.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar: a utopia da cidade disciplinar: Brasil 1890-1930. 4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014, p. 113-115.

REZENDE, Irene Severina. Similaridades temáticas além-fronteiras: Chico Buarque e Guy de Maupassant. Revista Crioula, n. 2, 2007, p. 1-11. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169. crioula.2007.53581.

ROBERTS, Nickie. As prostitutas na história. Trad. Magda Lopes. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1998.

SCHWARZ, Roberto. Tribulação de um pai de família. In: O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978, p. 21-26.

VOLÓCHINOV, Valentin. (Círculo de Bakhtin). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2017.

ZERO HORA. Conheça a história por trás de cinco músicas de Chico Buarque. Zero Hora, Cultura e Lazer, 19 de junho de 2014. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/cultura-e-lazer/noticia/2014/06/Conheca-a-historia-por-tras-de-cinco-musicas-de-Chico-Buarque-4529856.html. Acesso em: 12 jan. 2022.

Downloads

Publicado

2022-08-23

Como Citar

Scabin, N. L. C. . (2022). Sexualidade improdutiva e resistência na canção Geni e o zepelim, de Chico Buarque. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, 1(82), 190-215. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v1i82p190-215

Edição

Seção

Artigos