Engajamento e sacrifício o pensamento estético de Mário de Andrade

  • Pedro Fragelli Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Mário de Andrade, estética, engajamento político, sacrifício.

Resumo

Mário de Andrade concebeu e organizou a totalidade de sua obra como uma forma de práxis social. Por isso mesmo, realizou uma reflexão profunda e dramática sobre a difícil relação entre arte e sociedade no Brasil. Sobretudo a partir de 1930, procura desenvolver um pensamento estético nucleado pela ideia da função social da arte, tendo em vista encontrar e promover formas de intervenção política por meio da cultura. Mário, entretanto, não superou, no plano teórico, a ideia de que os elementos estético e político da obra de arte se contradizem.Este artigo procura expor o movimento e as contradições do pensamento estético marioandradino, assim como da solução que o escritor encontra para seus torturantes dilemas – o sacrifício. As reflexões de Mário são aqui estudadas em sua relação com a matéria histórica, em especial com o processo de desarticulação, operado pelo Estado nas décadas de 1920 e 1930, do incipiente movimento operário brasileiro, que começava a organizar a luta de classes no país2.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Fragelli, Universidade de São Paulo

Pós-doutorando na Universidade de Paris III – Sorbonne Nouvelle (Paris, França).
Mestre e doutor em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (2005 e 2011).

Publicado
2013-12-31
Como Citar
Fragelli, P. (2013). Engajamento e sacrifício o pensamento estético de Mário de Andrade. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (57), 83-110. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i57p83-110
Seção
Dossiê Mario de Andrade