Oneyda Alvarenga escreve a Mário de Andrade

  • Marilda Ionta Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Escrita de si, amizade, gênero, correspondência

Resumo

As cartas de Oneyda Alvarenga endereçadas ao escritor Mário de Andrade são objetos-lembranças, objetos-relíquias, dotados da potencialidade de lembrar a relação de educação, trabalho e amizade que os uniram. Além disso, essas cartas são documentos literários marcados por uma escrita de si, no sentido apontado pelo filósofo Michel Foucault, que permitem aos indivíduos traçar retratos singulares de si mesmo. Neste texto, busco me aproximar dos rascunhos da existência que Oneyda Alvarenga construiu nas redes intersubjetivas da amizade e escrita epistolar com Mário de Andrade. Assim, leio suas cartas como documentos que guardam uma literatura de caráter autógrafo tão transgressiva quanto aquela que visa transpor os limites da linguagem, pois, no caso específico da escrita contida nas missivas de Oneyda Alvarenga, tratava-se de ultrapassar os limites de si mesma, de se (re)construir na e pela prática da escrita cotidiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilda Ionta, Universidade Federal de Viçosa

Professora do Departamento de História da Universidade Federal de Viçosa (UFV, Viçosa, MG, Brasil). Pós-Doutorado pela Universidade de Coimbra – Portugal .

Publicado
2013-12-31
Como Citar
Ionta, M. (2013). Oneyda Alvarenga escreve a Mário de Andrade. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (57), 161-179. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i57p161-179
Seção
Dossiê Mario de Andrade