A fazenda assombrada: figurações da escravidão no romance Til, de José de Alencar

  • Paula Maciel Barbosa Universidade de São Paulo
Palavras-chave: José de Alencar, Til, romances fazendeiros, indianismo, regionalismo, escravidão.

Resumo

O ensaio apresenta o romance Til, de José de Alencar, examinando-o em seus aspectos formais, que revelam a matéria histórica que o embasa. Discute-se as continuidades e as diferenças do livro em relação à obra anterior do romancista. Ao trazer a ação para uma fazenda de café escravista do Segundo Reinado, e propondo-se a figurar todas as camadas sociais envolvidas no mundo da fazenda, Alencar aponta para o núcleo de todo o sistema: o café e o trabalho escravo. Com isso, o romance figura dois polos, centro e periferia – ou a casa-grande e seus arredores –, que são postos em confronto, o que projeta sobre a obra ambiguidades de todos os tipos, além de responder pela instabilidade da própria estrutura do romance. Procura-se demonstrar que a escravidão é um dado essencial da obra, ainda que a simples leitura de seu enredo não aponte diretamente para isso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Maciel Barbosa, Universidade de São Paulo
Paula Maciel Barbosa pesquisadora de pós-doutorado vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Teoria Literária e Literatura Comparada da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Bolsista do Programa Capes/PNPD.
Publicado
2015-05-04
Como Citar
Barbosa, P. (2015). A fazenda assombrada: figurações da escravidão no romance Til, de José de Alencar. Revista Do Instituto De Estudos Brasileiros, (60), 55-76. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i60p55-76
Seção
Artigos