Caminhos para uma apropriação em arquitetura

possibilidades de resistencia e ruptura frente ao capitalismo neoliberal

Palavras-chave: apropriação do espaço, habitar, apropriação

Resumo

Este trabalho comporta reflexões provenientes de uma pesquisa de doutorado em andamento em que, com base em autores como Henri Lefebvre, vimos buscando compreender o sentido do habitar como um diálogo entre a arquitetura, a cidade e a vida cotidiana, em busca de horizontes de resistência e de criação antissistêmica. Apresentamos a discussão sobre as ambiguidades e possíveis potencialidades usualmente implicadas numa práxis, levantando-se a questão: quais possibilidades antissistêmicas existem na arquitetura, não apenas enquanto táticas de apropriação, mas como estratégia de ruptura efetiva em relação à lógica de produção e reprodução capitalista?

Palavras-chave: produção do espaço, habitar, apropriação

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de Fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.
CHASE, J. (Et al.). Everyday Urbanism. Nova Iorque: The Monaceli Press, 1999.
DEBORD. G. A sociedade do espetáculo. Rio Janeiro: Contraponto, 1997.
FLORIDA, R. A ascensão da classe criativa: e seu papel na transformação do trabalho, lazer,
comunidade e cotidiano. Porto Alegre: L&PM Editores, 2011.
FRAMPTON, K. História Crítica da Arquitetura Moderna. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
FREHSE, F. U-topias (urbanas) do pensamento sociológico. Estudos Avançados, São Paulo, v.26,
n.75, p. 191-206, ago. 2012.
GEHL, J. Cidade Para as Pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2013.
HALL, P. Cidades do amanhã: uma história intelectual do planejamento e do projeto urbanos
no século XX, São Paulo: Perspectiva, 1995.
HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.
JAMESON, F. Periodizando os anos 60. In: BUARQUE DE HOLLANDA, H. (Org.). Pós-Modernismo
e Política. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.
________. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 2000.
KRAUSS, R. A escultura no campo ampliado. Rio de Janeiro: Gávea, 1984.
LEFEBVRE, H. A reprodução das relações de produção. Porto: Publicações Escorpião, 1973.
________. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Editora Ática: 1991.
________. Rhythmanalysis: Space, Time and Everyday Life. Londres: Continuum: 2004.
________. Production of space. Oxford: Blackwell, 2007.
________. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008a.
________. Espaço e Política. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008b.
________. Toward an architecture of enjoyment. Minneapolis: Minnesota University, 2014.
________. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2016.
LYDON, M. (2012). Tactical Urbanism 2: Short-term Action for Long-term Change. [s.l: s.n.]. v. 2.
MORITA, C. A. M. Ação, Objeto e Espaço na obra de Sérgio Ferro e Hélio Oiticica. Dissertação
de Mestrado. São Carlos: USP, 2011.
PURCELL, M. Possible worlds: Henri Lefebvre and the right to the city. Journal of Urban Affairs,
n. 36, p. 141–154, fev. 2014.
ROSA, M. L. Handmade Urbanism: From Community Initiatives to Participatory Models. Berlin:
Jovis Verlag, 2014.
SCHWARZ, R. Cultura e Política-1964-1969. In: O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro:
Paz e Terra, 1978.
SUGRANYES, A. & MATHIVET, C. Cidades para todos: articulando capacidades sociais urbanas.
In: SUGRANYES, A. & MATHIVET, C. (ed.). Cidades para tod@s: propostas e experiências
pelo direito à cidade. Santiago: HIC, 2010.
SUBIRATS, E. Da vanguarda ao Pós-moderno. São Paulo: Nobel, 1986.
TAFURI, M. Projecto e Utopia. Lisboa: Presença, 1985.
Publicado
2019-09-17
Como Citar
Martins Morita, C., & Lopes, R. (2019). Caminhos para uma apropriação em arquitetura. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 17(2), 114-128. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4506.v17i2p114-128
Seção
Artigos e Ensaios