Nomadismo extensivo versus nomadismo intensivo. Ciganos na Região Metropolitana de Vitória

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2022.160457

Palavras-chave:

Nomadismo, Ciganos, Categorias ciganas

Resumo

Este é um artigo sobre a categoria analítica do nomadismo posto como objeto de crítica para repensar alguns de seus paradigmas como a conceituação dada no sentido comum que o descreve como um movimento extensivo de um deslocamento espacial constante. Essa conceituação será tensionada através das categorias ciganas relacionadas ao espaço, como pousar, andar, viajar, extraídas da etnografia que desenvolvi com uma rede de parentes de ciganos distribuídos na Região Metropolitana de Vitória do Estado do Espírito Santo. Para além do sentido comum, será possível apresentar a noção de um nomadismo intensivo, por meio das categorias ciganas em aproximação com o conceito de nomadismo de Deleuze e Guattari e do conceito de peregrinação e transporte empregado por Tim Ingold.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Marcarine Arruda, USP Sao Carlos

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) com período sanduíche na Budapest University of Technology and Economics - Hungria (2013-2014) e intercâmbio acadêmico em Urbanismo e Meio-Ambiente na Universidade de Beijing - China (2012). É pesquisadora, membro do Laboratório Patrimônio & Desenvolvimento (2011-2012) e do Laboratório Politicc (2012-2014), atuando nas linhas de pesquisa "Intervenção urbana e arquitetura da cidade: teoria e projeto" e "Processos urbanos e gestão da cidade: teoria e história". É fotógrafa, tendo realizado projetos autorais e exposições desde 2010. Recebeu o Prêmio de Fotografia e Documentação em Arquitetura do Laboratório de Fotodocumentação Sylvio de Vasconcellos (UFMG) em 2012. Tem experiência na área de Arquitetura, Urbanismo e Fotografia. Possui ênfase em Fundamentos da Arquitetura e Urbanismo e Estética da Arquitetura, atuando principalmente nos seguintes temas: intervenção em estruturas históricas e consolidadas, práticas participativas e emancipadoras, etnicidades ciganas e nomadismo.

Referências

ARRUDA, Flávia Marcarine. Territorialidades ciganas na Região Metropolitana de Vitória. 2018. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de São Paulo, São Carlos, 2018.

BARBOSA, Lara Leite. Design sem fronteiras: a relação entre o nomadismo e a sustentabilidade. São Paulo: EDUSP, 2012.

BOURGEOT, André. Una autonomia inquietante. O Correio da UNESCO, Rio de Janeiro, ano 22, p. 8-11, 1994.

CLASTRES, Pierre. Crônica dos índios Guayaki: o que sabem os Aché, caçadores nômades do Paraguai. 1995.

DELEUZE, Gilles. Dobra (a): Leibniz e o Barroco. Papirus, 1991.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol. 5. São Paulo: Editora 34, 2012.

FERRARI, Florencia. O mundo passa. Uma etnografia dos Calon e suas relações com os brasileiros. 2010. Tese (Doutorado em Antropologia social) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

GILBERT, Jérémie. Nomadic peoples and human rights. Routledge, 2014.

GOLDMAN, Marcio. Os tambores dos mortos e os tambores dos vivos. Etnografia, antropologia e política em Ilhéus, Bahia. Revista de Antropologia, v. 46, n. 2, p. 423-444, 2003.

______. Da existência dos bruxos (ou como funciona a antropologia). R@u, v. 6, p. 7-24, 2014.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Editora Vozes Limitada, 2015.

LOUEKARI, Martta. The time and space in nomadic culture. Glasgow: Glasgow School of Art, 2000.

LYNN, Greg. Curvilinearidade arquitetônica: O dobrado, o maleável e o exível. In: SYKES, Krista (Org.). O Campo ampliado da arquitetura: Antologia teórica 1993-2009. São Paulo: Casac Naify, 2013.

MOONEN, Frans. Anticiganismo: os Ciganos na Europa e no Brasil. Recife: 2013.

OKELY, Judith. The traveller-gypsies. Cambridge: University Press, 1983.

SANTOS, Virgínia Rita dos. Espacialidade e territorialidades dos grupos ciganos na cidade de São Paulo. 2002. 210p. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) – Programa de Pós-graduação em Geografia Humana da Universidade de São Paulo. 2002.

VAUX DE FOLÊTIER, François Jourda de. Le monde des tsiganes. Paris: Berger-Levrault, 1983.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, v. 2, n. 2, p. 115-144, 1996.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

Downloads

Publicado

2022-07-14

Como Citar

Marcarine Arruda, F. (2022). Nomadismo extensivo versus nomadismo intensivo. Ciganos na Região Metropolitana de Vitória. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 20, 153-169. https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2022.160457

Edição

Seção

Artigos e Ensaios