Gênese da mercantilização da terra urbana no Pará e os planos de expansão da malha urbana para as cidades de Santarém, Macapá e Cametá

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.162300

Palavras-chave:

Planos de Alinhamento, Palma Muniz, Lei de Terras de 1850

Resumo

No início do século XX o engenheiro paraense João de Palma Muniz elabora e publica planos de expansão urbana para as principais cidades paraenses, dentre elas Cametá, Macapá e Santarém. Os planos recebem influência direta do pensamento higienista sobre a cidade, por conta da formação de Palma Muniz na escola politécnica do Rio de Janeiro, principal polo de difusão do higienismo urbano do Brasil durante o período. O artigo tem como objetivo analisar o contexto institucional que levou à elaboração dos planos de Cametá, Macapá e Santarém, influenciados pelo processo de implementação da Lei de Terras de 1850 no Estado do Pará, e finaliza com a análise morfológica do desenho urbano previsto a expansão do núcleo urbano dessas três cidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raul da Silva Ventura Neto, Universidade Federal do Pará

Professor da Faculdade e do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UFPA. Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela UFPA e doutor em Desenvolvimento Econômico pela Universidade de Campinas.

Beatriz Mesquita Moura, Universidade Federal do Pará

Discente de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFPA

Referências

ABREU, P.; LIMA, J. J. ; FISCHER, L.. Aforar, arrumar e alinhar: a atuação da Câmara Municipal de Belém na configuração urbano-fundiária da cidade durante o século XIX. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, vol. 26, p.1-30 set. 2018

ABREU, P. A Morfologia do plano de expansão da cidade de Belém e a estrutura fundiária do município no século XIX. Dissertação de Mestrado (não publicada) PPGAU/UFPA, 2018, 206p.

BENÉVOLO, L. História da cidade, 6. ed. São Paulo: Perspectiva. São Paulo, p. 571-578, 2015.

CALABI, D. História do urbanismo europeu: questões, instrumentos, casos exemplares. São Paulo: Perspectiva, 2012.

CARVALHO, J. M. de. República, democracia e federalismo Brasil, 1870-1891. Varia Historia, Belo Horizonte v. 27 n.45 p. 141-157, 2011

CAVALCANTE, J. L. A Lei de terras de 1850 e a reafirmação do poder básico do Estado sobre a terra. Histórica, São Paulo, ano 1, n.2, p.1-7, jun. 2005.

COSTA, F. A. Formação rural extrativista na Amazônia: os desafios do desenvolvimento capitalista (1720 – 1970). Belém: NAEA, 2012

DUARTE, C. Belém do Pará, na virada do século XIX: modernidade no plano urbanístico de expansão da cidade. Dissertação de mestrado. UFRJ, p.50-57, 1997.

FERREIRA, E. Guerra sem fim: mulheres na trilha do direito à terra e ao destino dos filhos (Pará - 1835-1860). Tese de doutorado. PUC-São Paulo, 2010.

FISCHER, L. BENATTI, J. Análise dos aforamentos municipais concedidos entre 1815-1930. Relatório de Pesquisa, Belém: 2017

HARVEY, D. Paris, Capital da Modernidade. São Paulo: Boitempo, 2015

HERCE, M. O negócio da cidade: Evolução e perspectivas da cidade contemporânea. Rio de Janeiro: Mauad X, 2015.

LEME, M. C. da S. Urbanismo no Brasil 1895–1965. São Paulo: FUPAM/FAUUSP/Studio Nobel, 1999.

MARX, M. Cidade no Brasil: terra de quem? Coleção Cidade Aberta. São Paulo: Nobel/EDUSP, 1991.

MORAES, T. A engenharia da história: natureza, geografia e historiografia na Amazônia. Dissertação de mestrado (não publicada) PPGHIST/UFPA, 2009.

MUNFORD, L. A cidade na história: suas origens, desenvolvimento e perspectivas. São Paulo: Martins Fontes, São Paulo, 2004.

MUNIZ, J. de P. Patrimônio dos Conselhos Municipais do Estado do Pará. Paris - Lisboa: Aillaud & Cia, 1904.

MUNIZ, J. de P. Índice Geral dos Registros de Terras. Belém: Imprensa Oficial, Belém 1907.

RIBEIRO, E. E.; ALVES, J. J. Condições de criação da Escola de Engenharia do Pará: a valorização e formação científica dos Engenheiros (1870 -1931). Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 57-64, jul-dez 2015.

SAMPAIO, P. de A. Terras Devolutas e Latifúndio. Economia e Sociedade, v.6, Campinas, p. 193-198, 1996.

SEGAWA, H. Arquiteturas no Brasil: 1900-1990. São Paulo: Edusp, São Paulo, 2014.

SILVA, H. Socialização da natureza e alternativas de desenvolvimento na Amazônia Brasileira. Tese de doutorado (não publicada). Belo Horizonte: Cedeplar/UFMG, 2017.

SILVA, L. O. Terras devolutas e latifúndio: Efeitos da lei de 1850. Campinas: Editora da UNICAMP, Campinas, p. 265-272 1996.

STOLL, E., FISCHER, L., FOLHES, R. Recenser la propriété en Amazonie brésilienne au tournant du XXe siècle. Histoire & mesure, XXXII-1 | 2017.

VENTURA NETO, R. da S. Notas sobre a formação socioespacial da Amazônia. Nova Economia, v.30, n. 2, p. 579-603, 2020.

VICENTINI, Y. Cidade e história na Amazônia. Editoria UFPR, 2004.

WEINSTEIN, B. A borracha na Amazônia: expansão e decadência (1850-1920). São Paulo: Hucitec/Edusp, São Paulo, p.233-235, 1993.

Downloads

Publicado

2021-09-29

Como Citar

Ventura Neto, R. da S., & Moura, B. M. (2021). Gênese da mercantilização da terra urbana no Pará e os planos de expansão da malha urbana para as cidades de Santarém, Macapá e Cametá. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 19, 1-19. https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.162300

Edição

Seção

Artigos e Ensaios