Vignola em Português: anotações a partir das Regras das Cinco Ordens de 1787

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.166114

Palavras-chave:

Vignola, Tratados, Artesãos

Resumo

Este texto trata da difusão dos Tratados de Arquiteutra do Renascimento, em especial de Giacommo Barozzi da Vignola: Regole delle cinque ordine dell’Architettura (1572). Tal difusão   como literatura aristocrática; como conhecimento erudito de arquitetos nas Academias; mas também como saber adaptado ao mundo dos artesãos, exigido para  exames de ofício, de acordo com o Livro dos Regimentos dos Oficiais Mecânicos, compilado em Lisboa (1576). Desde o século XVII, as edições de Vignola indicam diferentes utilizações deste conhecimento, sendo que no XVIII adquire um sentido de resgate do Antigo, em detrimento das invenções do Barroco e Rococó. Nesse contexto surgem as duas primeiras edições portuguesas de Vignola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Brandão, Universidade Federal de São Paulo.

Possui graduação em Licenciatura e Bacharelado em História pela Universidade Federal do Paraná (1993), especialização em Arte e Cultura Barroca pela Universidade Federal de Ouro Preto (1998), mestrado em História da Arte e da Cultura pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e doutorado em História da Arte - Historiografia, Metodologia e Conservação de Patrimônio pela Universidad de Granada, Espanha (2002). Realizou estudos de pós-doutorado junto à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP entre 2008 e 2010. Foi professora no Departamento de Desenho Industrial da Universidade Tecnológica Federal do Paraná entre 1999 e 2009 e no Instituto de Artes e Design da Universidade Federal de Juiz de Fora - MG entre 2009 e 2010. Foi professora colaboradora no Programa de Pós-Graduação em História do Departamento de História do Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Juiz de Fora até 2012. Atualmente é professora Associada I no Curso de Bacharelado em História da Arte da Universidade Federal de São Paulo e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em História da Arte na UNIFESP, do qual foi coordenadora entre 2013 e 2017. Tem experiência na área de História, com ênfase em História da Arte Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: história da arte, história da arte brasileira, história do mobiliário e do mobiliário brasileiro, arte barroca e barroco mineiro. É membro do Comitê Brasileiro de História da Arte desde 2012 e Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq (Pq2) a partir de 2018.

Referências

ALPERS, Svetlana. El arte de describir. El arte holandés en el siglo XVII. Madrid: Hermann Blume, 1987.

BAROZZIO DA VIGNOLA, Giacomo. Reglas de las Cinco Ordenes de Arquitectura. Madrid: Colegio de Aparejadores, 1997.

BAROZZIO DA VIGNOLA, Giacomo. Regole delle Cinque Ordini dell’Architettura, 1562. Disponível em http://architectura.cesr.univ-tours.fr/Traite/Images/LES64Index.asp

BINHETI, José Carlos. Regra das cinco ordes de Architectura de Jacomo Barocio de Vinhola traduzidas do seu original em nosso idioma com hum acrescentamento de Geometria Pratica, e Regras de Prespectiva de Fernando Gallibibiena. Lisboa, José de Aquino Bulhões, 1787.

BLONDEL, Jacques François. Livre Nouveau ou Règles des Cinq Ordres d’Architecture, Paris 1757.

BLUM, Hans. Von den Fünff Sülen Grundtlicher bericht vnnd deren eigentliche contrafeyung nach Symmestrischer vBteilung der Architectur .... Zürich, 1554.

BRANDÃO, Angela. Tratados de Arquitetura no Livro dos Regimentos: uma sutil referência. In Anais do XXXIV Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte. Territórios da História da Arte. CBHA. Uberlândia, 2014. Pp. 429-436. Disponível em http://www.cbha.art.br/coloquios_anteriores.html. Acesso em 4 de setembro de 2017.

BRANDÃO, Angela. Entre o saber e o fazer: Vredeman de Vries e os artesãos de ofícios no contexto luso-brasileiro do século XVIII. In Circumscribere 20 (2017): pp. 43-60. Disponível em https://revistas.pucsp.br/circumhc/article/view/35517. Acesso em 03 de outubro de 2019.

CARVALHO, Ayres de. Catálogo da Colecção de Desenhos. Lisboa: Biblioteca Nacional de Lisboa, 1977.

CATFORD, John Cunnison. Uma teoria lingüística da tradução. São Paulo: Cultrix, 1980.

CORREIA, Vergílio. Livro dos Regimentos dos officiaes mecanicos da mui nobre e sëpre leal cidade de Lixboa –1572. Publicado e prefaciado pelo Dr. Vergílio Correia. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1926

D’AVILER, Charles. Cours d’Architecture qui comprend les Ordres de Vignole, Paris, 2vols, 1691.

DELAGARDETTE, Claude-Mathieu. Règles des Cinques Ordres de l’Architecture de Vignole. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k6327303x/f11.image.texte Image

DURANTE, Silvio. Jacques François Blondel. In Enciclopædia Biográfica de Arquitetos Digital. Documento nº: B19. 2015. Disponível em https://www.ebad.info/blondel-jacques-franois. Acesso em 28 de janeiro de 2020.

ERCOLANI, Giuseppe Maria. I tre ordine d’architettura dorico, ionico e corintio presi dalle fabbriche più celebri dell’antica Roma. Roma: Antonio de Rossi, 1774.

HOMRICH, Adriana Chaves Borges. O Conceito de Superego na Teoria Freudiana, São Paulo: Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia, 2008. Disponível em https://www.significados.com.br/superego/ acesso em 18 de maio de 2019.

INDAU, Johann. Wiennerisches Architectur-Kunst und Säulen-Buch. Augsburg: Jeremias Wolff, 1722. Disponível em http://digi.ub.uni-heidelberg.de/diglit/idau1722/0005 Acesso em 06 de outubro de 2019.

J.C.M.A Regras das Sinco Ordens da Architectura segundo os princípios de Vignhola com um ensaio sobre as mesmas ordens feito sobre o sentimento dos mais célebres Architectos escriptas en Francez por ***e expostas em Portuguez por J.C.M.A. (...) enriquecida com 88 estampas abertas em cobre. tradução ao português por Antonio Barnicaud. Coimbra, 1787.

LEEKE, John. Canon of the Five Orders of Architecture. Giacomo Barozzi da Vignola. New York, Dover, 2011.

Livro dos Regimentos dos officiaes mecanicos da mui nobre e sëpre leal cidade de Lixboa –1572. Publicado e prefaciado pelo Dr. Vergílio Correia. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1926.

LOMBAERDE, Piet. Hans Vredemand de Vries and the Artes Machanicae revisited. 2005.

MAGNINO, Julius von Schlosser. La Letteratura Artistica. Milano: Paperback Classici, 2000.

MARQUES, Ana Luísa Santos. Arte, Ciência e História no Livro Português do Século XVIII. Doutoramento em Belas-Artes Especialidade de Ciências da Arte. Universidade de Lisboa, 2014. Disponível em https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/19926/1/ulsd071070_td_vol_1.pdf. Acesso em 06 de outubro de 2019.

MOREIRA, Rafael e RODRIGUES, Ana Duarte. coord. Tratados de Arte em Portugal. Lisboa: Scribe, 2011.

RAIVILLE, César. O Vinhola brasileiro – novo manual prático do engenheiro, arquiteto, pedreiro, carpinteiro, marceneiro e serralheiro. Rio de Janeiro: Eduardo & Henrique Laemmert, 1880.

REGIMENTO DO OFFICIO DE CARPINTEIRO DE MOVEIS E SEMBLAGE.ARQUIVO DA CÂMARA DE LISBOA (REF. BL 2A 32.03.38).

Regras das Sinco Ordens da Architectura segundo os princípios de Vignhola com um ensaio sobre as mesmas ordens feito sobre o sentimento dos mais célebres Architectos escriptas en Francez por ***e expostas em Portuguez por J.C.M.A. (...) enriquecida com 88 estampas abertas em cobre. Sem revelar o autor do livro em francês, a publicação tem autoria em língua portuguesa identificada apenas pelas inicias J.C.M.A. e tradução ao português de Antonio Barnicaud, dedicada ao Bispo de Coimbra e datada de 1787.

ROCHA-PEIXOTO, Gustavo. Tratados Brasileiros de Arquitetura do Século XIX. In MIZOGUSHI, MACHADO (org.) Palladio e o Neoclassicismo. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006

RYKWERT, Joseph. A Coluna Dançante: sobre a ordem na arquitetura. São Paulo: Perspectiva, 2015.

SILVA, Mônica Messias. Antiguidade da Arte da Pintura, sua nobreza, divino e humano que a exercitou, e honras que os monarcas fizeram a seus artífices Félix da Costa Meesen – 1696 Texto Modernizado e Análises. Dissertação. Programa de Pós-Graduação “Culturas e Identidades Brasileiras”. Instituto de Estudos Brasileiros (USP-São Paulo), Orientador: Prof. Dr. Luiz Armando Bagolin. São Paulo, 2018. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/31/31131/tde-01032018-130721/publico/Corrigida_MonicaSilva.pdf Acesso em 22 de outubro de 2019.

SOUZA, Jaime M. Mobiliário. In Dicionário da Arte Barroca em Portugal. Lisboa: Presença, 1989.

TOGNON, Marcos. Tratados de Arquitetura no Século XVIII para a Produção Artística Barroca: O Vinhola Português do Século XVIII. Conferência, Seminário Internacional de História da Arte - História e Ccultura, Gênero Artístico - Processo Artístico. Belo Horizonte.Volume: 1, 2014.

TOLEDO, Benedito Lima de. Do Século XVI ao início do Século XIX: maneirismo, barroco e rococó. (A obra de Serlio e Vignola e os Regimentos de Ofícios). In ZANINI, W. História Geral da Arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles, 1983.

VIGNOLE (Jacques Barozzio de)] Règles des cinq ordres d architecture de Vignole. Edité par Chez F. Jollain, 1694

VIGNOLE, Jacques Barozzio de. NOUVEAU LIVRE. On y joint un essai sur les mêmes Ordres, suivant le sentiment des plus Célébres ARCHITECTES. Le tout enrichi de Vignettes et Cartels; dessinés Et Gravés par Babel. A Paris. Chez Jacques Cherreau. M.DCC.XLVII. [1747].

VREDEMAN DE VRIES, Hans (1527-ca 1606). Perspective. French text. Leyden and the Hague: Beuckel Nieulandt for Hendrik Hondius, 1604-1605. Disponível em Archive. https://archive.org/details/gri_33125009324910, acesso em 21 de agosto de 2017.

VREDEMAN DE VRIES, Hans. ARCHITECTURA, ou Bâtiment, pris de Vitruve et des anciens écrivains, Traitant sur les cinq ordres des colonnes, dont on peut ordiner et approprier toutes sortes et pratiques des bâtiments, profitable pour tous maîtres de fabrique, maîtres maçons, menuisiers, charpentiers, tailleurs d’images et tous autres amateurs de l’art d’architecture, avec la déclaration des figures, de nouveau mises en lumière et inventées par Jean Vredeman. Disponível em Archive. https://archive.org/details/gri_33125009324910, acesso em 21 de agosto de 2017.

Downloads

Publicado

2021-07-28

Como Citar

Brandão, A. (2021). Vignola em Português: anotações a partir das Regras das Cinco Ordens de 1787. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 19, 80-92. https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.166114

Edição

Seção

Artigos e Ensaios

Dados de financiamento