Do desenho e da pintura aos lumes coloridos na cena - Plínio, Alberti e Serlio: ornato e amplificação do discurso sobre a arquitetura, a partir das qualificações Dei lumi artificiali delle scene

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.166354

Palavras-chave:

Arquitetura, Cenografia, Iluminação cênica

Resumo

Este artigo tem como escopo discorrer sobre o texto Dei lumi artificiali delle scene, composto no século XVI italiano, obra literária do preceptor, pintor e arquiteto Sebastiano Serlio, que trata de uma série de assuntos referentes à arquitetura a partir da figura do pintor. Na distinção das artes a prescrição do lume para o “disegno visivo” seguirá preceitos do tratado Da pintura de Alberti. No crescente da construção retórica discursiva, tal proposição é suplantada quando se trata dos lumi da scena, ou seja, “luzes que se vêem”, obtidas pelo fogo, que incidem sobre tintas coloridas, como formas de ornatos materiais, amplificam o relevo e dão a ver os volumes superando, por emulação, as próprias coisas naturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vania Cristina Cerri, Universidade Estadual Paulista. Instituto de Artes

Pós-doutora no departamento de Artes Cênicas, Educação e Fundamentos da Comunicação - DACEFC - IA - UNESP-SP em 2019/20, com pesquisa sobre: Arquitetura e Artes na constituição do espaço teatral moderno: Reflexões sobre o lugar do espectador - uma abordagem transdisciplinar e transmídia das Artes. Doutora em Arquitetura (Teatral e Cênica) na área de História e Teoria da Arquitetura e Urbanismo pela FAU USP em 2011. Mestre em Filosofia, História e Estética da Arte e Arquitetura pela FFLCH USP em 2003, tendo como objeto de estudos a Estética e a Arquitetura Teatral no Renascimento, com pesquisa e tradução comentada acerca da obra (Tratado sobre as cenas), do arquiteto italiano Sebastiano Serlio . Pós-graduada (lato sensu) em Arte Educação pela ECA USP em 1995. Graduada em Artes (Licenciatura Plena em Educação Artística/Desenho em 1990). Tem formação como cenógrafa e figurinista pelo Teatro Colón de Buenos Aires, pela ECA-USP e FAU-USP. É autora do livro: Scaenae Frons - O Renascimento e as origens da cenografia moderna. Annablume (2016), com apoio financeiro da FAPESP. Participou de projetos e grupos de estudos na FAU USP, sob coordenação dos professores doutores: Mário D'Agostino, Andrea Loewen e Ricardo Marques, junto dos quais é co-autora do livro: Preceptivas Arquitetônicas, Annablume (2015), e integrante do grupo de pesquisa da Société Internationale Leon Battista Alberti (S.I.L.B.A.), Artes Renascentes, sob organização do prof. dr. Francesco Furlan, (Président du Directoire de transition - Paris- França). Foi pesquisadora e orientadora do LABTRI - Laboratório de Tridimensionalidade da FAU USP, desenvolvendo pesquisa, orientação, organização e elaboração de modelos tridimensionais dos Teatros: vitruviano e serliano. Foi bolsista PAE junto ao departamento de História e Teoria da Arquitetura e Urbanismo da FAU -USP, realizando Estágio Supervisionado em Docência no curso de Arquitetura e Urbanismo. É docente e pesquisadora no Ensino Superior desde 2002 nos cursos de graduação em Arquitetura (História e Teoria da Arquitetura, História do Design, Cenografia e Ambientação, e Plástica,); Artes Plásticas-Visuais (Pintura e Desenho); Dança (Poéticas da cena e Elementos visuais do espetáculo TCC); Design de Interiores (Espaços Efêmeros, Cenografia e Ambientação); Design de Games e Moda (Desenho e Linguagem Visual). Na Pós-Graduação nos cursos de: MBA em Negócios da Moda e Produção e Comunicação em Moda, (Processos Criativos 2020). Atuou nos cursos de MBA e Especialização em Projetos de Interiores e Visual Merchandising (Projeto Cenográfico e Vitrinismo) e Arquitetura comercial (Moda, Comportamento e Arquitetura). Sócia e Diretora Financeira do Iniciativa Cultural (http://www.iniciativacultural.org.br), atua como cenógrafa, figurinista e diretora de arte (DRT -24707/SP), tendo como últimos trabalhos as peças teatrais: Terror e miséria do Terceiro Reich de Bertold Brecht (2019); "Bailei na Curva" de Júlio Conte (2017 e 2018) e Gota d'Água" de Chico Buarque (2016 e 2017), sob direção geral de Vicente Latorre

Referências

ALBERTI, Leon Battista. De re aedificatoria. Texto latino e tradução de Giovanni Orlandi. Introdução e notas de Paolo Portoghese. Milano: Il Polifilo, 1966.

ALBERTI, Leon Battista. Da Pintura. Tradução de Antonio da Silveira Mendonça. 2. ed. Campinas: Edunicamp, 1992.

ARISTÓTELES. Arte retórica e arte poética. Tradução Antonio Pinto de Carvalho. Rio de Janeiro: Ediouro, [2005].

CERRI, Vânia Cristina. Tradução comentada de Trattato sopra le scene de Sebastiano Serlio. 2003. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

CERRI, Vânia Cristin. Os Aparelhadores de cenas e a preceituação da prática cênica: uma reflexão sobre a obra de Sebastiano Serlio. 2003. Tese de Doutorado em Arquitetura - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

CERRI, Vânia Cristin. Scaenae Frons – O Renascimento e as origens da cenografia moderna. São Paulo: Annablume, 2017.

FURLAN, Francesco. Per un ritratto dell’Alberti. In: Estratto da: Société Internationale Leon Battista Alberti. Albertiana Revue reconnue par le Centre Nationale de la Recherche Scientifique. Firenze: Leo S. Olschki Editore, 2011, v. XIV, p. 43 a 54.

HORÁCIO. Arte poética. Introdução, tradução e comentários de R. M. Rosado Fernandes. Lisboa: Inquérito, 1984.

KLEIN, Robert. Magia e Arte. A forma e o inteligível: escritos sobre o Renascimento e a arte moderna. In: ______. A forma e o inteligível. Artigos e ensaios reunidos e apresentados por André Chastel. Tradução Cely Arena. Revisão técnica Leon Kossovitch e Elisa Kossovitch. São Paulo: Edusp, 1998. São Paulo: Edusp, p. 149.

KLEIN, Robert; ZERNER, Henri. Vitrúvio e o teatro do Renascimento italiano. In: KLEIN, Robert. A forma e o inteligível: escritos sobre o Renascimento e a arte moderna. São Paulo: Edusp, 1998.

LICHTENSTEIN, Jacqueline. A cor eloqüente. Tradução de Maria Elizabeth Chaves de Mello e Maria Helena de Mello Rouanet. São Paulo: Siciliano, 1994.

PLINE, L’ANCIEN. Histoire naturelle (livre XXXV). Texte établi, traduit et commenté par J. M. Croisille. Paris: Les Belles Lettres, 1985.

PLINE, L’ANCIEN. Histoire naturelle (livre XXXVI). Trad. R. Bloch. Paris: Les Belles Lettres, 1981.

PLINE, L’ANCIEN. Histoire naturelle (livre XXXVII). Trad. E. Saint-Denis. Paris: Les Belles Lettres,1972.

SERLIO, Sebastiano. Tutte l’Opere d’Architettura et Prospetiva di Sebastiano Serlio. Venetia: Giacomo de Franceschi, 1619. New Jersey: The Gregg, 1964 (Fac-símile).

SHEARMAN, John. O maneirismo. Tradução O. Mendes Cajado. São Paulo: Cultrix, 1978.

TRIMPI, Wesley. Horace’s ut pictura poesis: the argument for stylistic decorum. The Early Metaphorical uses of skiagraphia and skenographia. Traditio: Studies in Ancient and Medieval History, Thought and Religion: publicação da Fordham University Press, New York, v. XXXIV, 1978. p. 403-413.

Downloads

Publicado

2021-07-28

Como Citar

Cerri, V. C. (2021). Do desenho e da pintura aos lumes coloridos na cena - Plínio, Alberti e Serlio: ornato e amplificação do discurso sobre a arquitetura, a partir das qualificações Dei lumi artificiali delle scene. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 19, 148-156. https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.166354

Edição

Seção

Artigos e Ensaios