O Manifesto dos Tratados de Arquitetura em Vila Rica Setecentista: o pórtico toscano do Palácio dos Governadores de José Fernandes Pinto Alpoim

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.167169

Palavras-chave:

História da arquitetura militar em Minas Gerais, Linguagem arquitetônica, Tradição clássica

Resumo

Projetado em 1740 pelo engenheiro militar português José Fernandes PInto Alpoim, o Palácio dos Governadores, na então cidade de Vila Rica, hoje Ouro Preto, representou a definitiva instauração do poder de Dom João V na prometida terra do ouro que, após muitas insubordinações sociais desde os primeiros anos de 1700, seria intensamente urbanizada, civilizada, monumentalizada pelo seu governador, Gomes Freire de Andrade, efetivando assim a sua subordinação e deferência à monarquia e aos valores lusitanos. Palácio fortaleza que foi implantado entre as duas paróquias mais densamente habitadas da vila, e cujo pórtico de entrada trazia, em sua composição formal e proporcional, o mais límpido manifesto da linguagem arquitetônica cultuada nos tratados de Arquitetura desde o século XVI. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALPOYM, J. [Apontamentos de 13 de junho de 1741]. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v.6, n.2, p. 574-578, abr.-jun.1901. p.575.

AMATI, Wladimir Mendes. A contribuição de José Fernandes Pinto Alpoim no ensino das técnicas aplicadas à geometria e à ciência no Exame de Bombeiros. 2010. Dissertação (Mestrado em História das Ciências). Centro Simão Mathias de Estudos em História da Ciência, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2010.

ANASTASIA, Carla Maria Junho. Guerras, sedições e motins. In: RESENDE, Maria Eugênica L. de; VILLALTA, Luiz Carlos História de Minas Gerais: as Minas setecentista. Belo Horizonte: Autêntica: Companhia do Tempo, 2007, v.1.

BASTOS, Rodrigo. A arte do urbanismo conveniente: decoro na implantação de novas povoações em Minas Gerais na primeira metade do século XVIII. Florianópolis, UFSC, 2014.

BERNARDO, Luís M.A.V., O projecto intelectual de Manuel de Azevedo Fortes. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 2005.

BRETAS, Rodrigo José Ferreira. Traços biográficos relativos ao finado Antônio Francisco Lisboa distinto escultor mineiro, mais conhecido pelo apelido de Aleijadinho [1858]. Belo Horizonte: UFMG, 2013

BUENO, Beatriz P. Siqueira. Desenho e desígnio: o Brasil dos engenheiros militares (1500-1822). São Paulo: Edusp, 2011.

BUENO, Beatriz P. Siqueira. “Desenhar” (Projetar) em Portugal e Brasil nos séculos XVI – XVIII. São Paulo: LAP-FAU-USP, 2002.

CAMILO, Janaína. Homens e pedras no desenho das fronteiras: a construção da Fortaleza de São José de Macapá (1762-1782). Brasília: Ed. Senado federal, 2009.

CARVALHO, José Murilo de. A Escola de Minas de Ouro Preto: o peso da glória. 2.ed.rev. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2002.

CAVALCANTI, Irenilda R.B.R.M. O Comissário real Martinho de Mendonça: práticas administrativas na primeira metade do século XVIII. 2010. Tese (Doutorado em História Social). Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

CAVALCANTI, Lauro (org.). Paço Imperial. Rio de Janeiro: Index, 2005.

CAVALCANTI, Nireu. O Rio de Janeiro Setecentista. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

CONSTRUCÇÃO do palácio de governo em Ouro Preto, Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 6, p. 569-591, 1901.

COSTA, Antonio Gilberto. Mapa das pedras do patrimônio de Minas, dossiê da Revista do Arquivo Público Mineiro, n. 27, s.d., p. 36-38.

COSTA, Antonio Gilberto. Os documentos cartográficos e outras iconografias: importância na pesquisa e na preservação do patrimônio cultural brasileiro. In SIMPÓSIO BRASILEIRO DE CARTOGRAFIA HISTÓRICA, 1.2011, Paraty, RJ. Anais. Paraty: UFMG, 2011.

COSTA, Antonio Gilberto. Rochas e Histórias do Patrimônio Cultural do Brasil e de Minas, Rio de Janeiro: Bem-te-vi, 2009.

DANGELO, André Guilherme Dornelles. A cultura arquitetônica em Minas Gerais e seus antecedentes em Portugal e na Europa: arquitetos, mestres de obras e construtores e o trânsito de cultura na produção da arquitetura religiosa em Minas Gerais setecentistas. 2006, 4 v. Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. v. 2, 2006.

DIAS, Pedro. História da Arte luso-Brasileira: urbanização e fortificação. Coimbra: Almedina, 2004.

DOCUMENTOS. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 16, n. 2., jul.-dez. 1911, p. 236-460.

FONSECA, Cláudia Damasceno. Arraiais e vilas d´El Rei. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011.

FORTES, Manoel Azevedo. O Engenheiro Portuguez: dividido em dous tratados. Lisboa: Officina de Manoel Fernandes da Costa, Impressor do Santo Officio, 1729.

LOPES, Francisco Antonio. Os palácios de Vila Rica: Ouro Preto no ciclo do ouro. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1955;

MACHADO, Simão Ferreira. Thriunfo Eucharistico: exemplar da Christandade Luzitana em pública exaltação da fé na solemne tansladação do Diviníssimo Sacramento da Igreja da Senhora do Rosário para um novo templo da Senhora do Pilar em Villa Rica [Lisboa Occidental: Na officina da música, 1734]. In Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 985-1016. abr.-jun. 1901.

MATTOS, Anibal. Monumentos Históricos, Artísticos e Religiosos de Minas Geraes. Belo Horizonte: Apollo, 1935.

MELLO, Suzy de. Barroco Mineiro. São Paulo: Brasiliense, 1985, p. 192.

MENESES, Ivo Porto de. Os palácios dos governadores em Ouro Preto. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, v. 12, n. 13, p. 39-58, dez. 2005.

MENESES, José Newton Coelho. O continente rústico. Diamantina (MG): Maria Fumaça Ed., 2000.

MENEZES, J.; RODRIGUES, M. Fortificações portuguesas no nordeste do Brasil: Séculos XVI, XVII e XVIII. Recife: Pool, 1986.

MIRANDA, Marcos Paulo de Souza. O Aleijadinho revelado. Belo Horizonte: Fino Traço, 2014.

MONTEIRO, John Manuel. Os caminhos da memória: paulistas no Códice Costa Matoso. Varia História, Belo Horizonte, n. 21, p. 86-99, jul. 1999, p. 95.

MOREAU, Filipe Eduardo. Arquitetura militar em Salvador da Bahia: séculos XVI – XVIII. São Paulo: Intermeios, 2016.

MORI, Vitor Hugo. Arquitetura militar: um panorama histórico a partir do Porto de Santos. São Paulo: Fund. Cultural Exército Brasileiro, 2003.

MOROLLI, Gabriele. «Vetus Etruria»: il mito degli etruschi nella leterratura architettonica nell'arte e nella cultura da Vitruvio a Winckelmann. Florença: Alinea, 1985.

MOTA, Catarina; RALHA, Maria Elfrida; ESTRADA, Maria Fernanda. Engenheiros portugueses no século XVIII: as suas “geometrias especulativas”. In: CONGRESSO SEHCYT, 12. 2015, Madrid. Anais. Madrid: Sociedad Española de Historia de las Ciencias y de las Técnicas,2015. p. 163-170.

OLIVEIRA, Mário Mendonça de. As fortificações portuguesas de Salvador quando Cabeça do Brasil. Salvador: Fund. Gregório de Mattos, 2004.

PIMENTEL, Luis Serrão. Methodo Lusitanico de desenhar as fortificações das Praças regulares e irregulares, fortes de campanha, e outras obras pertencentes a architectura militar distribuido em duas partes operativa, e qualificativa. Lisboa: Antonio Craesbeeck de Melo Impressor de S. Alteza, 1680.

PIVA, Teresa Cristina de Carvalho. O Brigadeiro Alpoim: um expoente do ensino técnico no Brasil Colonial. História da Ciência e Ensino, São Paulo, v. 12 esp., p. 54-69, 2015, p. 55; ver também outra listagem em FERREIRA-ALVES, Natália Marinho (coord.). Dicionário de Artistas e Artífices do Norte de Portugal. Porto: CEPESE, 2008, p. 14-15.

PIVA, Teresa Cristina de Carvalho. O Brigadeiro Alpoim: um politécnico no cenário luso-brasileiro do século XVIII. 2007. Tese (Doutorado em História das Ciências, das Técnicas e Epistemologia). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

PIVA, Teresa Cristina de Carvalho; COSTA, Nelson Lage da. Uma breve história do Convento dos Barbonos. In: CONGRESSO DE HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS DAS TÉCNICAS E EPISTEMOLOGIA, 5., 2012, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em História das Ciências, das Técnicas e Epistemologia (HCTE), 2012.

PORTUGAL. Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. A arquitectura militar na expansão portuguesa. Porto: Infante 94, 1994.

REIS, Nestor Goulart. Imagens de vilas e cidades do Brasil Colonial. São Paulo: Ed. USP, 2000, p. 216.

REMATAÇÃO DO PORTICO DO PALACIO [...] Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v,6, n.1. , 1901, p.579.

Revista Projeto, São Paulo, n. 20, 1984, p. 135-157;

RIBEIRO, Dulcyene Maria. A formação dos engenheiros militares: Azevedo Fortes, Matemática e ensino de Engenharia militar no século XVIII em Portugal e no Brasil. 2009. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. São Paulo. 2009.

RODRIGUES, José Wasth. Documentário Arquitetônico. São Paulo: Livraria Martins, 1944, 7 volumes.

RUSSEL-WOOD, A.J.R. Manuel Francisco Lisboa. Belo Horizonte, Escola de Arquitetura da UFMG, 1968.

SALES, Fritz Teixeira de, Vila Rica do Pilar. Belo Horizonte: Itatiaia, 1999.

SANTOS, João Henrique. Do terreiro do paço à praça XV: a análise da tipologia de um centro de poder no Rio de Janeiro. In: COLÓQUIO IBERO-AMERICANO DA PAISAGEM CULTURAL, PATRIMÔNIO E PROJETO, 3. 2014, Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2015

SCAMOZZI, Vincenzo. L´Idea della Architettura Universale. Veneza: G. Valentino, 1615.

SERLIO, Sebastiano. Regole generali di Architettura sopra le cinque maniere degli edifici: cioe, thoscano, dorico, ionico, corinthio, et composito, con gli essempi dell'antiquita, che, per la magior parte concordano con la dottrina di Vitruuio. Venetia: Francesco Marcolini da Forli, 1537.

SEVERINI, Giancarlo. Progetto e disegno nei trattati di architettura militare del Cinquecento. Pisa: Pancini, 1994.

TEIXEIRA, André. Fortalezas do Estado Português da Índia. Lisboa: Tribuna da História, 2008.

TONERA, Roberto; OLIVEIRA, Mário Mendonça de. As defesas da ilha de Santa Catarina e do Rio Grande de São Pedro em 1786. Florianópolis: Ed. UFSC, 2015.

VÁRIOS. A ESCOLA DE MINAS: cum mente et malleo, centenário da indepedencia. Ouro Preto: Mineira, [1922].

VASCONCELLOS, Sylvio. Vila Rica. Rio de Janeiro: INL/MEC, 1956.

VAUBAN, Sébastien le Preste du. Véritable manière de bien fortifier de Mr. de Vauban: Où l'on voit de quelle methode on se sert aujourd'hui en France, pour la fortification des place. Amsterdam: Pierre Mortier, 1703.

VELLOZZO, Diogo Sylveyra. Arquitetura militar ou fortificação moderna. Salvador: EDUFBA, 2005.

VIGNOLA, Jacomo Barozzio da, Regola delli cinque ordini d´Architettura. Roma: [s.n.], 1562

VIGNOLA, Jacomo Barozzio da, Regras das sinco ordens de Architectura segundo os princípios de Vignhola, Com hum Ensaio sobre as mesmas ordens feito sobre o sentimento dos mais celebres Architectos. Coimbra: Real Imprensa da Universidade, 1787.

Downloads

Publicado

2021-07-28

Como Citar

Tognon, M. (2021). O Manifesto dos Tratados de Arquitetura em Vila Rica Setecentista: o pórtico toscano do Palácio dos Governadores de José Fernandes Pinto Alpoim. Risco Revista De Pesquisa Em Arquitetura E Urbanismo (Online), 19, 93-120. https://doi.org/10.11606/1984-4506.risco.2021.167169

Edição

Seção

Artigos e Ensaios